Porto Velho (RO) terça-feira, 11 de dezembro de 2018
×
Gente de Opinião

Carlos Sperança

Temos aí, uma eleição repleta de incógnitas - Por Carlos Sperança


Amazônia e as guerras

Antes restrita à retórica do presidente Donald Trump a ameaça de guerra comercial se concretizou com a vigência das penas tarifárias impostas pelos EUA à China, causando estragos também no mundo.

Sabe-se como as guerras começam, mas só generais testados em duríssimos combates, caso do Duque de Wellington, que derrotou Napoleão em Waterloo, sabem como terminam.

Para o Brasil – e de modo especial para a Amazônia –, a eclosão da guerra comercial no exterior coincide com a guerra aos incentivos fiscais, escolhidos como bodes expiatórios para a crise.

Desde maio, tudo que acontece de ruim no Brasil é atribuído aos caminhoneiros, como se as crises entre os vôos de galinha da economia fossem causados pelos incentivos, cujo balanço é positivo, ou pelos transportadores, cujas vicissitudes não são a causa – são causadas pelas crises.

Discutir o duplo impacto dessas realidades é uma obrigação da intelligentsia amazônica, na tarefa de demonstrar que os incentivos funcionam positivamente e fazer do limão da guerra comercial entre EUA e China a limonada de vantagens para nossos povos.


Os governadoraveis

Ainda não se sabe como ficará a lista dos governadoraveis em outubro, mas Maurão de Carvalho (MDB) e Acir Gurgacz (PDT) já estão no trecho, Expedito Junior (PSDB) ainda se mostra indeciso e segue entendimentos com vários grupos políticos para decidir se disputa o Senado, o governo do estado ou fica de fora da peleja 2019.


Lista está enorme

A nominata de possíveis postulantes ao governo de Rondônia está enorme.  Também Vinicius Miguel (Rede), assim como Jorge Chediack (PC do B) e Pimenta de Rondônia (PSOL) se preparam para as convenções. O PT aprovou em recente encontro em Ji-Paraná o nome do comunicador Paulo Benito. Outras siglas também cogitam postulações próprias na temporada, como o PSL.


Muitas incógnitas

Caras pálidas rondonienses: está se aproximando a eleição mais estranha de todos os tempos. Metade da população fala claramente que não quer votar e o risco de efeito manada como ocorreu nas últimas eleições municipais em Porto Velho é enorme com as coisas só se resolvendo nos últimos dias antes do pleito.  Temos aí, uma eleição repleta de incógnitas


Fazendo as contas

Sabe-se que a política não é uma ciência exata, e não canso de repetir a cantilena nesta coluna. Se as pesquisas indicam que a metade da população não quer votar neste pleito, cabe aos políticos refazer as contas, desde os votos de legenda nas eleições proporcionais. Também não podem acreditar em votações consagradoras já que pouca gente vai para as urnas.


A fidelidade

Acredito que postulantes, mesmo tradicionais, mas com eleitores mais fidelizados, neste contexto de votantes fujões na jornada 2018, podem levar vantagem sobre concorrentes. No entanto, emergentes, como Alex Palitot em Porto Velho e Ary Saraiva em Ji-Paraná já projetam um futuro radioso. E a força do agronegócio pode trazer Evandro Padovani para a Câmara Federal.


Via Direta

*** Seguem as indefinições no cenário político regional, mesmo aumentando as discussões sobre a formação de chapas majoritárias em Rondônia *** Depois de Ivo Cassol rifado na disputa ao governo, era esperada mais agilidade nas negociações partidárias, mas a coisa ainda está muito travada *** O deputado estadual Lazinho da Fetagro (PT-Jaru) recupera a saúde para retomar a campanha pela reeleição *** È considerado candidato de ponteira. 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Carlos Sperança

Triste despedida - Por Carlos Sperança

Triste despedida - Por Carlos Sperança

Vários deputados estaduais, mesmo com mandatos eficientes, estão se despedindo...

No limite prudencial da LRF, o novo governo de Rondônia vai ter que se espichar para dar conta do recado - Por Carlos Sperança

No limite prudencial da LRF, o novo governo de Rondônia vai ter que se espichar para dar conta do recado - Por Carlos Sperança

Fala-se na redução de secretarias e de cargos comissionados para a economia de recursos

Porto Velho  tem milhares de “rabichos” - Por Carlos Sperança

Porto Velho tem milhares de “rabichos” - Por Carlos Sperança

 A despolitização. Será?Como foi anunciada, a orientação do presidente eleito Jair Bolsonaro aos governadores eleitos pelo PSL nos estados de Rondônia

Governador Marcos Rocha procura formar a sua base aliada - Por Carlos Sperança

Governador Marcos Rocha procura formar a sua base aliada - Por Carlos Sperança

Balaio de incertezasHá 90 anos, quando Werner Heisenberg formulou o “princípio da incerteza”, é evidente que não tratou de sensações humanas, mas da i