Porto Velho (RO) terça-feira, 7 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Carlos Sperança

Fazendo as contas + A reação a PEC + Novo partido de Bolsonaro + Presente de grego


Fazendo as contas + A reação a PEC + Novo partido de Bolsonaro + Presente de grego - Gente de Opinião

Fazendo as contas

Há uma enorme taxa de analfabetismo funcional no Brasil, sempre ignorada – provavelmente por vergonha. Aprender a desenhar o nome e ler sem entender os textos lidos são as expressões mais simples do analfabetismo funcional, que também ocorrem na limitação do aprendizado mínimo de Matemática. Mas até os analfabetos totais aprendem a lidar com dinheiro. Não é difícil, para ignaro ou sábio, compreender que ganhar oito vezes mais sobre um valor investido vale a pena. 

Mas é a questão. Enquanto desmatar, queimar e poluir render mais, haverá quem derrube, incendeie e emporcalhe terra, água e ar. Assim o Estado se verá forçado a um máximo de repressão para não destrambelhar de vez, entregando-se ao domínio do crime organizado. Que, aliás, usa o poder econômico para abrir brechas de conivência na política e setores governamentais permeáveis à corrupção, ainda longe de ser vencida.

Na ponta do lápis, o açaí gera oito vezes mais receitas por hectare que a produção de soja e a de cacau vale cerca de sete vezes mais por área que a pecuária, segundo comprovações já estabelecidas pelos pesquisadores.

Quando o Estado identificar claramente e privilegiar o que rende melhor com menos destruição vai economizar as altas somas gastas com repressão aos predadores. Mesmo analfabetos, eles também verão que podem ganhar mais de outra forma.

............................................

A reação

A PEC que barra a criação de novos municípios e que incorpora aqueles com menos de 5 mil habitantes a cidades mais estruturadas dificilmente vai passar no Congresso Nacional. Escalados por prefeitos e pelas entidades municipalistas, deputados e senadores estão reagindo à iniciativa governamental anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro e ministro Paulo Guedes. Acredita-se que o projeto só será examinado no ano que vem.

O congelamento

Depois de uma verdadeira farra de criação de municípios nos anos 80 e até ao meio da década de 90, o Congresso Nacional congelou em 1996 a criação de novos. Em Rondônia, distritos sem condições na época, como Santa Luzia (Zona da Mata) e Pimenteiras (Cone Sul) foram elevados a municipalidades pela Assembléia Legislativa. Já, as autonomias de Extrema e Tarilândia foram barradas pelo Congresso.

Novo partido

Com a decisão do presidente Jair Bolsonaro em criar um novo partido a maior parte dos convencionais rondonienses seguirão o presidente e o governador Marcos Rocha. Não se sabe ainda como será o rateio do fundo partidário, já que a legenda tem direito a uma verdadeira fortuna para ser gasta como quiser pelos dirigentes. Aliás, este é o motivo da disputa entre Bolsonaro e Bivar.

A confirmação

Com investimentos na ordem de R$ 45 milhões, depois de Campo Grande (MS), Catanduvas (PR), Mossoró (RN), Brasília (DF) e Porto Velho (RO), também o Rio Grande do Sul receberá sua penitenciária federal de segurança máxima. Será o presidio de Charqueadas, na região carbonífera, no interior dos Pampas, que deverá estar concluido segundo as autoridades federais nos próximos tres anos.

Presente de grego

Para a cidade que recebe “o benefício”, presídio federal é uma fria, um baita presente de grego. Depois que foi instalada a penitenciária em Porto Velho os parentes de celebridades nacionais da criminalidade desembarcaram aqui e a criminalidade desandou de vez. Não bastasse, constantemente nosso presidio é ameaçado por forças mercenárias ligadas ao narcotráfico. Não é a toa que a unidade federal é vigiada por forças da guarda nacional.

Via Direta

***Um novo ano eleitoral esta chegando e os políticos começam a fazer as contas sobre suas candidaturas a prefeito e vereador *** Mas no pleito 2020 não haverá coligação para as chapas a vereança e isto obriga a todos partidos ao lançamento de chapas “puro sangue” *** Como para a eleição a prefeito serão permitidas pela justiça eleitoral alianças, o exagero de possiveis postulantes, indica que muitos deles –alguns já negociam – querem ser vice *** Muitos são a cara desta estratégia de se projetar vice na capital: pastor Valadares (PSC), o novo verdinho Herminio Coelho, Edgar do Boi (DC), Cristiane (PP), Lindomar Garçon (Republicanos), entre outros *** È o que rola, cara-pálidas e Karitianas, na bolsa de apostas, dos bastidores políticos da capital *** Marcos Rocha quer quebrar um tabu político na capital: ocorre que nenhum governador até agora conseguiu emplacar seu candidato a prefeito em Porto Velho *** Ele quer ser o primeiro, seja com Eyder Brasil ou com Chrisostomo.  

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Carlos Sperança

Crítica e método + Algum rabinho... + Caerd falida + A suspensão das obras da BR 319

Crítica e método + Algum rabinho... + Caerd falida + A suspensão das obras da BR 319

Crítica e métodoQual é a melhor atitude a tomar diante de uma crítica? Quem não está habituado ao debate e costuma impor a própria vontade sem se p

Sem velório + O sofrimento + A rejeição +  Ex-governadores

Sem velório + O sofrimento + A rejeição + Ex-governadores

Sem velórioÉ saliente demais para não causar reflexão e necessárias preocupações o fato de quatro dos cinco estados da região serem os que mais apre

Máscara eterna + Só no lucro + Pau no favorito! + O beneficiário

Máscara eterna + Só no lucro + Pau no favorito! + O beneficiário

Máscara eternaOs satélites mostram uma escura e grossa nuvem de poeira se deslocando da África em direção à América do Sul. Ao contrário do novo co

Políticas de estado + A revanche + No interior + Os confrontos

Políticas de estado + A revanche + No interior + Os confrontos

Políticas de estadoEm um ano e meio de governo Bolsonaro, o balanço mais óbvio verificado é que as crises, os erros graves, a má imagem e as defici