Porto Velho (RO) quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020
×
Gente de Opinião

Carlos Sperança

Fazendo as contas + A reação a PEC + Novo partido de Bolsonaro + Presente de grego


Fazendo as contas + A reação a PEC + Novo partido de Bolsonaro + Presente de grego - Gente de Opinião

Fazendo as contas

Há uma enorme taxa de analfabetismo funcional no Brasil, sempre ignorada – provavelmente por vergonha. Aprender a desenhar o nome e ler sem entender os textos lidos são as expressões mais simples do analfabetismo funcional, que também ocorrem na limitação do aprendizado mínimo de Matemática. Mas até os analfabetos totais aprendem a lidar com dinheiro. Não é difícil, para ignaro ou sábio, compreender que ganhar oito vezes mais sobre um valor investido vale a pena. 

Mas é a questão. Enquanto desmatar, queimar e poluir render mais, haverá quem derrube, incendeie e emporcalhe terra, água e ar. Assim o Estado se verá forçado a um máximo de repressão para não destrambelhar de vez, entregando-se ao domínio do crime organizado. Que, aliás, usa o poder econômico para abrir brechas de conivência na política e setores governamentais permeáveis à corrupção, ainda longe de ser vencida.

Na ponta do lápis, o açaí gera oito vezes mais receitas por hectare que a produção de soja e a de cacau vale cerca de sete vezes mais por área que a pecuária, segundo comprovações já estabelecidas pelos pesquisadores.

Quando o Estado identificar claramente e privilegiar o que rende melhor com menos destruição vai economizar as altas somas gastas com repressão aos predadores. Mesmo analfabetos, eles também verão que podem ganhar mais de outra forma.

............................................

A reação

A PEC que barra a criação de novos municípios e que incorpora aqueles com menos de 5 mil habitantes a cidades mais estruturadas dificilmente vai passar no Congresso Nacional. Escalados por prefeitos e pelas entidades municipalistas, deputados e senadores estão reagindo à iniciativa governamental anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro e ministro Paulo Guedes. Acredita-se que o projeto só será examinado no ano que vem.

O congelamento

Depois de uma verdadeira farra de criação de municípios nos anos 80 e até ao meio da década de 90, o Congresso Nacional congelou em 1996 a criação de novos. Em Rondônia, distritos sem condições na época, como Santa Luzia (Zona da Mata) e Pimenteiras (Cone Sul) foram elevados a municipalidades pela Assembléia Legislativa. Já, as autonomias de Extrema e Tarilândia foram barradas pelo Congresso.

Novo partido

Com a decisão do presidente Jair Bolsonaro em criar um novo partido a maior parte dos convencionais rondonienses seguirão o presidente e o governador Marcos Rocha. Não se sabe ainda como será o rateio do fundo partidário, já que a legenda tem direito a uma verdadeira fortuna para ser gasta como quiser pelos dirigentes. Aliás, este é o motivo da disputa entre Bolsonaro e Bivar.

A confirmação

Com investimentos na ordem de R$ 45 milhões, depois de Campo Grande (MS), Catanduvas (PR), Mossoró (RN), Brasília (DF) e Porto Velho (RO), também o Rio Grande do Sul receberá sua penitenciária federal de segurança máxima. Será o presidio de Charqueadas, na região carbonífera, no interior dos Pampas, que deverá estar concluido segundo as autoridades federais nos próximos tres anos.

Presente de grego

Para a cidade que recebe “o benefício”, presídio federal é uma fria, um baita presente de grego. Depois que foi instalada a penitenciária em Porto Velho os parentes de celebridades nacionais da criminalidade desembarcaram aqui e a criminalidade desandou de vez. Não bastasse, constantemente nosso presidio é ameaçado por forças mercenárias ligadas ao narcotráfico. Não é a toa que a unidade federal é vigiada por forças da guarda nacional.

Via Direta

***Um novo ano eleitoral esta chegando e os políticos começam a fazer as contas sobre suas candidaturas a prefeito e vereador *** Mas no pleito 2020 não haverá coligação para as chapas a vereança e isto obriga a todos partidos ao lançamento de chapas “puro sangue” *** Como para a eleição a prefeito serão permitidas pela justiça eleitoral alianças, o exagero de possiveis postulantes, indica que muitos deles –alguns já negociam – querem ser vice *** Muitos são a cara desta estratégia de se projetar vice na capital: pastor Valadares (PSC), o novo verdinho Herminio Coelho, Edgar do Boi (DC), Cristiane (PP), Lindomar Garçon (Republicanos), entre outros *** È o que rola, cara-pálidas e Karitianas, na bolsa de apostas, dos bastidores políticos da capital *** Marcos Rocha quer quebrar um tabu político na capital: ocorre que nenhum governador até agora conseguiu emplacar seu candidato a prefeito em Porto Velho *** Ele quer ser o primeiro, seja com Eyder Brasil ou com Chrisostomo.  

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Carlos Sperança

A tragédia amazônica + Os eleitos + A reeleição + Muitas zebras

A tragédia amazônica + Os eleitos + A reeleição + Muitas zebras

A tragédia amazônicaO cineasta Jorge Bodanzky já lidava com a Amazônia bem antes que a região fosse focada mundialmente como a solução para os prob

O Parlamento Amazônico +  Fervilhando com Garçom + Caça às bruxas + As diferenças

O Parlamento Amazônico + Fervilhando com Garçom + Caça às bruxas + As diferenças

O Parlamento AmazônicoÉ urgente superar, pelo consenso, a polêmica em torno da composição limitada do Conselho da Amazônia, que desagradou aos gove

Um cenário caótico + Dinheiro na praça + A Era Raupp + Mais ilusões

Um cenário caótico + Dinheiro na praça + A Era Raupp + Mais ilusões

Um cenário caóticoAs chuvas que desabaram em Porto Velho no meio de semana comprovaram mais uma vez um cenário caótico no inverno amazônico. As gal

Do cisne ao boto + Taca-lhe o pau + Perdendo terreno + Chiadeira dos dirigentes das escolas de samba

Do cisne ao boto + Taca-lhe o pau + Perdendo terreno + Chiadeira dos dirigentes das escolas de samba

Do cisne ao botoO suíço BIS, considerado o “banco dos Bancos Centrais”, publicou há pouco um livro que será muito lido, não pela qualidade literári