Porto Velho (RO) domingo, 20 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Carlos Sperança

Ciência é pop + Racha no PSL + Juntos e misturados + As tornozeleiras


Ciência é pop + Racha no PSL + Juntos e misturados + As tornozeleiras - Gente de Opinião

Ciência é pop

Um dia, tão mais próximo quanto houver a capacidade de debater com qualidade os problemas da Amazônia, a confusão reinante quanto à melhor forma de explorar os recursos da floresta será passado. Mas além de diálogo e boa diplomacia, será fundamental usar a tecnologia para determinar quais são as opções para alcançar a melhor relação custo/benefício.

Um dia, lá no passado, foi dito que a soja não daria certo na Amazônia. Deu. Muitos sojicultores angustiados pensaram que jamais chegaria o dia em que a devastadora praga da ferrugem começaria a ser vencida, mas esse dia também chegou: um consórcio formado por empresas públicas e privadas de várias nações anunciou em 30 de setembro a conclusão de estudos sobre o fungo Phakopsora pachyrhizi, o portador da ferrugem.

Para chegar a esses dias dois fatores foram decisivos: a ciência e a globalização, em que as nações não brigam entre si, entre insultos, bombas e invasões, mas cooperam em busca de soluções para a humanidade. Contra o mau humor dos terraplanistas que detestam a ciência e a ignorância dos “ecologistas” de You Tube, que acusam a soja de causar o desmatamento na Amazônia, a Embrapa sentenciou, com dados até da Nasa, que a expansão da agricultura brasileira será feita em pastagem degradada, sem derrubar nenhuma árvore. Menos polarização e mais ciência viriam a calhar. Isso é pop.

.................................................

Racha no PSL

O que já era especulado há meses no partido do governador Marcos Rocha, o PSL, acabou acontecendo: um baita racha com vários fundadores da legenda, inclusive cardeais, como Jaime Bagatolli, pulando fora da nau governista. A insatisfação com a partilha do poder, desde o inicio da atual gestão, já sinalizava desacordos entre os caciques liberais. O PSL é um partido rachado de Praia do Tamanduá a Chê Guevara.

Nas capitais

As primeiras sondagens eleitorais já começaram aparecer nas capitais e alguns prefeitos que pleiteiam a reeleição estão em dificuldades. Em São Paulo, Bruno Covas (PSDB), que sucedeu João Dória eleito governador está mal das pernas. No Rio de Janeiro, o bispo Marcelo Crivela, urra, em Portro Velho o alcaide Hildon Chaves (PSDB) tem predadores fortes no seu encalço. Apenas Rafael Grecca em Curitiba está numa situação mais confortavel.

Juntos e misturados

Visando se unir por uma causa comum, que é uma guerra para abaixar as tarifas da Energisa, concessionária de energia em Rondônia e Acre, os deputados estaduais de rondonienses foram visitar os colegas do Acre que também instalaram uma CPI para apurar a prática tarifas tão pesadas, justamente numa região prordutora, que conta com duas das maiores hidreletricas do País, que são Jirau e Santo Antonio.

As tornozeleiras

Como explicar tanto bandido na rua usando tonozeleiras eletronicas, roubando e assaltando adoidado em Porto Velho? O que está acontecendo na central de controle? Não bastasse, temos uma epidemia de drogados na capital rondoniense praticando furtos. O centro histórico, com suas lojas e restaurantes, têm sido grande alvo das cracolândias. Muitos profisisonais liberais já fecharam seus escritórios na região central tantos assaltos. Coisa de louco!

Nas paradas

O ex-prefeito de Candeias do Jamari e ex-deputado federal Lindomar Garçon (Republicanos) têm exibido pesquisas para aliados onde seu nome comparece entre os três possiveis candidatos com maiores intenções de votos para a eleição a prefeito em 2020. Garçom, que já tubulou duas vezes na peleja pelo Paço Municipal na capital, não desejaria nova refrega. Dizem que ele quer mostrar a Hildon Chaves – ou outro candidato de ponta - que pode ser um bom vice na temporada.

Via Direta

***Agora ficou mais dificil expulsar o senador Confucio Moura do MDB de Rondônia pelos adversários regionais, os Raupps e Tomás Correia *** Ele foi eleito sábado vice-presidente nacional do partido *** O estado de Rondônia vivencia um grande momento no agronegócio *** O plantio da soja já começou e projeta um aumento de 10 por cento na safra *** Os cafeicultores também festejam melhorias na produtividade e qualidade *** E o pescado já é mais um imporante vetor na economia rondoniense crescendo e se espichando em todas as reigões do estado *** Só falta a Câmara de Vereadores aprovar o novo Plano Diretor de Porto Velho depois de um ano de audiências públicas para ouvir a população *** Nesta temporada até a população dos distritos foi consultada sobre o planejamento.

 

 

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Carlos Sperança

A receita de Mourão + Jogo de empurra + Areia movediça + No bico do corvo

A receita de Mourão + Jogo de empurra + Areia movediça + No bico do corvo

A receita de MourãoAlém da floresta, sua biodiversidade e povos, defendidos pelos mais corretos agentes do Estado, ongs e imprensa vigilante, algué

O cliente tem razão + Top 5 dos prefeituráveis da capital + Obras da EFMM estão lentas +

O cliente tem razão + Top 5 dos prefeituráveis da capital + Obras da EFMM estão lentas +

O cliente tem razãoO caso de uma invasão de área indígena com desmatamento e queimada ilegais que demorou 28 anos na esfera judiciária anima novas

Crenças errôneas + Balaio de gatos + É coisa de louco! + Plano Diretor de Porto Velho

Crenças errôneas + Balaio de gatos + É coisa de louco! + Plano Diretor de Porto Velho

Crenças errôneasNo passado, pensar o Brasil no exterior era imaginar o Rio de Janeiro, samba, mulatas e futebol. Turistas pouco afeitos à geografia

Chega de perder + A revitalização + Cartas no MDB + Construção civil

Chega de perder + A revitalização + Cartas no MDB + Construção civil

Chega de perderA péssima imagem do Brasil não é falta de propaganda cara no exterior sobre as maravilhas da Amazônia e do país. É preciso reconhece