Porto Velho (RO) sábado, 28 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Hiram Reis e Silva

A Terceira Margem – Parte LIV - Viagem da “Real Escolta” – X


A Terceira Margem – Parte LIV - Viagem da “Real Escolta” – X - Gente de Opinião

Bagé, 29.09.2020

 

Porto Velho, RO/ Santarém, PA ‒ Parte XXIII

 

Viagem da “Real Escolta” – X

 

TERCEIRA CACHOEIRA (Morrinhos)

 

No dia 24.12.1749, se principiou viagem no rumo de Oessudoeste, atravessando à parte esquerda para livrar de uma correnteza que havia passada a ponta da pequena enseada, em que se pernoitou, procedida de umas pedras, que em pequena distância de terra apareciam fora da água porém costeando no rumo de Sudoeste uma mediana volta, se topou no meio dela com pouco mais de hora e meia de caminho com uma ponta de pedras, que se estendia até quase meio Rio, em que havia grande correnteza, a qual se passou à sirga; e costeando no mesmo rumo, por espaço de hora e meia, chegamos à Cachoeira chamada pelo idioma dos índios ... [omitido do original] presentemente respeitando a celebridade do nascimento de Cristo Senhor nosso se apelidou Cachoeira do Natal.

 

Em três horas de caminho, se andara uma légua. Consta esta Cachoeira de duas Ilhas de pedra ([1]) com arvoredo espesso, que ambas atravessam o Rio no turno de Noroeste e Sueste; das ribanceiras Oriental e Ocidental correspondentes a estas Ilhas, sai quantidade de pedraria, que ocupa um e outro canal entre as Ilhas e a terra firme, razão por que se oferece grande dificuldade na passagem de qualquer deles em Rio que não esteja cheio.

 

O espaço que medeia entre uma e outra Ilha também é povoado de penedia, por onde se precipita o Rio com a maior força da sua correnteza; e por esta causa é intratável a subida ou descida por semelhante parte.

 

Nestes termos, tendo à vista um objeto, que por todos os lados parecia formidável, noticiaram os práticos que à parte esquerda é que costumava haver passagem mais favorável, e nesta consideração se expediram os guias a examinar o canal que, com efeito, se achou em termos de se passarem as canoas em meia carga, por não estarem ainda de todo bem cobertas as pedras por onde se oferecia caminho.

 

Descarregadas as canoas na forma referida, se executou o transporte delas, e por todo aquele dia ficaram da outra parte da Cachoeira, cada uma com a carga que lhe tocava, com o que se venceu uma grande correnteza, que restava na enseada e, concluída, portaram as canoas na ribanceira da parte esquerda.

 

Logo que amanheceu, se buscou lugar acomodado para celebrar Missa, e não se ofereceu outro mais apto e a propósito, do que uma pequena Praia que havia na Ilha da parte do Noroeste, já salva a Cachoeira; e para aquele lugar se atravessou o Rio, no dia 25.12.1749, pela manhã, até o sítio mencionado, em que se ouviram as três Missas permitidas na celebridade do Sagrado Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo.

 

Neste dia 25.12.1749, pelas 15h00, se continuou viagem atravessando à parte esquerda e costeando no rumo de Oeste, Oessudoeste, e Sudoeste, foi preciso com três horas de caminho atravessar à parte direita, aportar em uma pequena Praia; o que se executou já de noite, e se andara nas ditas três horas légua e meia.

 

A 26.12.1749 depois de se ouvir Missa, se principiou viagem às sete horas no rumo de Susudoeste, atravessando à parte esquerda, e costeando ao Sul entre uma grande Ilha ([2]) e a terra se navegou outra vez ao Sudoeste até chegar a uma ponta de pedra em que principiava uma dilatada enseada, na qual se encontraram três Ilhas ([3]) que corriam ao comprimento do Rio, por entre as quais havia grande correnteza, a qual se embravecia em partes onde nas pontas das mesmas Ilhas topavam pedras; e sem embargo destes embaraços, se portou já noite em uma Praia no meio do Rio contígua à última das ditas três Ilhas, e em dez horas de caminho se avançaria dele 4 léguas.

 

No dia 27.12.1749, se continuou viagem atravessan­do à parte direita do Rio; e no rumo de Oeste se foi costeando por espaço de uma hora, e depois se navegou a Oesnoroeste, e logo outra vez a Oeste, e deste rumo se foi passando em breve espaço ao do Sudoeste e Susudoeste; e nesta volta se avistaram umas serras altas, que mostravam correr de Leste a Oeste, na ponta de uma das quais se achava a Cachoeira para onde se dirigia a derrota, na qual se passaram duas Ilhas, uma da parte direita do Rio que se prolongava ao meio dele, e outra à parte esquerda junto à terra, e corria com a volta da enseada; e continuando esta no mesmo rumo de Sudoeste, se avistou a 4ª Cachoeira, e portaram as canoas à parte esquerda já noite em uma pequena Praia junto à ribanceira; e em dez horas de caminho se andara neste dia 4 léguas.

 

QUARTA CACHOEIRA (Caldeirão do Inferno)

 

Chegou o dia 28.12.1749 e, depois de se celebrar Missa, se costeou à parte direita uma pequena enseada ao Sudoeste, e a ponta em que terminava se compunha de pedras que avançavam até ao meio do Rio, por entre as quais se navegou com bastante trabalho contra uma grande correnteza que havia neste lugar; e logo que se voltou a ponta, portaram as canoas junto à Cachoeira chamada pelo idioma dos índios Guará-açu ([4]), que quer dizer Guará Grande [Guará é um pássaro do tamanho de uma gaivota, e todas as penas de que se veste são de cor escarlate mui vivo], e ali se esperou o exame dos canais para saber-se por qual era mais conveniente passar.

 

Compunha-se esta Cachoeira de um labirinto de Ilhas cercadas de morraria de pedras, que atravessam o Rio de uma a outra parte no rumo de Noroeste e Sueste, em distância de quase meia légua, que tanta largura faz o Rio naquele lugar, porque forma duas enseadas ou baías de ambas as partes correspondentes na concavidade.

 

Quatro Ilhas têm a sua postura ao comprimento do Rio, que faziam frente à imensidade de outras mais pequenas que mediavam aos vãos, seguindo o mes­mo rumo em distância de quase três quartos de lé­gua em Latitude todas de rocha viva, em cujas supe­rioridades produzem arvoredo cerrado e sumamente agreste.

 

Todas ramificam de si tanta cópia de penedos, que não tem o Rio desafogo algum, mais do que por entre imensidade de pedras fazer vários precipícios, e destes resultarem redemoinhos de água que costumam ser sumidouros de tudo o que neles se mete, ou seja canoa, pau, ou outro qualquer corpo capaz de padecer a desgraça de ser levado ao fundo com incrível violência.

 

Em tempo que o Rio está de meia enchente, e até esta ser completa, que estejam muitas pedras, ou todas cobertas no canal entre a terra do Sudoeste e a Ilha imediata, há por este lugar suficiente passagem; porém na ocasião presente em que a água principiava a crescer, tudo por esta parte eram precipícios de água e sorvedouros.

 

Pelos canais do meio não havia que tratar por ser mais formidável a saída das águas com a violência de toda a correnteza, razão por que se buscou o recurso de se explorar o canal da parte de Noroeste, e nele costeando a Ilha contígua se achou passagem, mas a mais trabalhosa que até este lugar se havia experimentado.

 

Três são os canais que, por entre as quatro Ilhas, fazem passagem no Rio com a violência mencionada; porém como em distância de 50 braças ([5]) pouco mais ou menos se lhe opõe uma Ilha de pedras que atravessa o Rio no mesmo rumo de Noroeste e Sudoeste, nela quebram as águas a fúria com que rompem por entre os penedos dos canais referidos; e pela parte inferior da mesma Ilha faz a água um sossegado remanso, pelo qual atravessaram as canoas à parte do Noroeste; e costeando a Ilha que corre ao comprimento do Rio, se acham nela duas pontas de morros de pedras, por entre as quais se puxaram as canoas, em cujo serviço se gastou a tarde do dia 28.12.1749, e ali se esperou o seguinte para continuar a passagem de maior perigo.

 

No dia 29.12.1749, se navegou pelos remansos que mediavam entre as correntezas da terra firme e da Ilha, e se intentou a passagem de uma ponta de pedras, que havia em outra Ilha fronteira à mencionada, por onde se podiam puxar as canoas em meia carga, e deste transporte passava a um remanso mui dilatado, que mediava entre este lugar e outras Ilhas da parte de cima, e por ele se podia passar sem perigo à outra margem do Rio a vencer o último salto que nela se oferecia; porém, ao varar a primeira canoa em meia carga, havendo desordem nos índios em puxar pelas cordas sem que os mandassem, pois ainda não estava desviada de uma pedra em que fazia o maior cachão de água, a fizeram montar com impulso intempestivo de proa em cima da pedra, e logo inclinando o todo para a parte da correnteza, se encheu de água, de sorte que não houveram forças para a sustentar.

 

Largaram-se as cordas e, em um instante, levou a correnteza a canoa até um remanso que fazia detrás de outra Ilha, onde com toda a diligência se achou aboiada; rebocou-se para terra, descarregou-se, e desalagou-se sem nela haver mais perda que molhar-se o trem que nela havia embarcado, e a razão de ser este sucesso menos funesto do que podia acontecer na perda de tudo, foi ser a canoa [como também eram as mais] fabricada de pau que não vai ao fundo em semelhantes acasos.

 

Por ocasião desta desordem, foi preciso demorar o dia 30 e 31.12.1749 para se enxugar roupas e beneficiar os mantimentos que se haviam molhado, e no dia 1° de janeiro do novo ano de 1750, se mudou de derrota passando outra vez à Ilha, que no dia 29 se havia costeado, e descarregando de tudo, as canoas passaram à corda duas pontas de pedras, em cujo trabalho se gastou até as 4 horas da tarde, tempo em que, pelo remanso que havia entre o grosso da Cachoeira e as últimas Ilhas de pedra, se atravessou à parte Oriental do Rio, e ficaram portadas as canoas junto do último impedimento desta Cachoeira, que era um canal entre morraria de pedra que saía da terra firme, e outro semelhante promontório, que se comunicava de uma das Ilhas em que finalizava o labirinto das que compunham esta trabalhosa Cachoeira.

 

Chegando o dia 02.01.1750 se descarregaram de todo as canoas, e com bom sucesso se puxaram por cima das pedras mal cobertas do canal, onde foi preciso fazer estivas de madeiras grossas para evitar o dano que podia resultar das pedras, e para suavizar uma pequena elevação que elas faziam em distância de cinco braças.

 

Transportadas as canoas, e já carregadas da outra parte da Cachoeira, se entrou a navegar pelas duas horas da tarde do mesmo dia, costeando a terra da mesma parte Oriental. Desde a primeira passagem até esta última, haverá meia légua de Longitude, e um terço de Latitude. (G. FONSECA, 1826) (Continua...)

 

Bibliografia

 

G. FONSECA, J.. Notícias para a História e Geografia das Nações Ultramarinas – Portugal – Lisboa – Academia Real das Ciências – Coleção de Notícias para a História e Geografia das Nações Ultramarinas, que Vivem nos Domínios Portugueses, ou lhe são Vizinhas, Volume 4, n° 1, 1826.

 

Solicito Publicação

 

(*) Hiram Reis e Silva é Canoeiro, Coronel de Engenharia, Analista de Sistemas, Professor, Palestrante, Historiador, Escritor e Colunista;

 

·     Campeão do II Circuito de Canoagem do Mato Grosso do Sul (1989)

·     Ex-Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);

·     Ex-Pesquisador do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx);

·     Ex-Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – RS (IDMM – RS);

·     Ex-Membro do 4° Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Sul (CMS)

·     Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);

·     Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);

·     Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS – RS);

·     Membro da Academia de Letras do Estado de Rondônia (ACLER – RO)

·     Membro da Academia Vilhenense de Letras (AVL – RO);

·     Comendador da Academia Maçônica de Letras do Rio Grande do Sul (AMLERS)

·     Colaborador Emérito da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG).

·     Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional (LDN).

·     E-mail: hiramrsilva@gmail.com.



[1]   Ilhas de pedra: 09°01’43,3” S / 64°12’04,4” O e 09°02’01,0” S / 64°11’41,2” O.

[2]   Ilha: Liverpool ‒ 09°06’42,7” S / 64°20’11,1” O.

[3]   Três Ilhas: 09°11’57,5” S / 64°24’32,6” O.

[4]   Guará-açu: Cachoeira do Inferno ‒ 09°15’57,0” S / 64°38’50,6” O.

[5]   50 braças: 110 m.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Hiram Reis e Silva

A Terceira Margem – Parte XCVII + Madeira-Mamoré ‒ Ferrovia do Diabo ‒ XVIII

A Terceira Margem – Parte XCVII + Madeira-Mamoré ‒ Ferrovia do Diabo ‒ XVIII

Bagé, 27.11.2020 Porto Velho, RO/ Santarém, PA ‒ Parte LXVI Madeira-Mamoré ‒ Ferrovia do Diabo ‒ XVIII No dia 30.10.1910, foi inaugurado o segundo tr

A Terceira Margem – Parte XCVI - Madeira-Mamoré ‒ Ferrovia do Diabo ‒ XVII

A Terceira Margem – Parte XCVI - Madeira-Mamoré ‒ Ferrovia do Diabo ‒ XVII

Bagé, 26.11.2020 Porto Velho, RO/ Santarém, PA ‒ Parte LXV Madeira-Mamoré ‒ Ferrovia do Diabo ‒ XVII Ano de 1909 Em janeiro de 1910, o Ministro da Via

A Terceira Margem – Parte XCV - Madeira-Mamoré ‒ Ferrovia do Diabo ‒ XVI

A Terceira Margem – Parte XCV - Madeira-Mamoré ‒ Ferrovia do Diabo ‒ XVI

Bagé, 25.11.2020 Porto Velho, RO/ Santarém, PA ‒ Parte LXIV Madeira-Mamoré ‒ Ferrovia do Diabo ‒ XVI Tratado de Petrópolis e a Ferrovia A Revolução Ac

A Terceira Margem – Parte XCIV - Madeira-Mamoré ‒ Ferrovia do Diabo ‒ XV

A Terceira Margem – Parte XCIV - Madeira-Mamoré ‒ Ferrovia do Diabo ‒ XV

Bagé, 24.11.2020 Porto Velho, RO/ Santarém, PA ‒ Parte LXIII Madeira-Mamoré ‒ Ferrovia do Diabo ‒ XV Comissão Morsing X Comissão Júlio Pinkas