Porto Velho (RO) terça-feira, 16 de julho de 2019
×
Gente de Opinião

Rondônia Inca

OMS alerta sobre a necessidade de prevenir e tratar os diversos tipos de hepatites


Renata Giraldi
Agência Brasil

Brasília – Na véspera do Dia Mundial de Luta contra as Hepatites, a Organização Mundial da Saúde (OMS) apelou hoje (27) às autoridades internacionais que intensifiquem os esforços para combater os cinco vírus que transmitem a doença. Pelos dados oficiais, 1,4 milhão de pessoas morrem por ano em decorrência das diversas formas de hepatite. Apenas 37% dos 126 países analisados pela organização dispõem de estratégias para prevenção e tratamento.

A hepatite é apontada como um dos desafios de saúde pública no Brasil e no mundo e caracteriza-se pela inflamação do fígado. A doença pode ser causada por vírus, pelo uso de alguns remédios, pelo consumo de álcool e de outras drogas, além de doenças autoimunes, metabólicas e genéticas. A doença nem sempre apresenta sintomas, mas quando aparecem podem ser cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

O Ministério da Saúde informa que no Brasil, as hepatites virais mais comuns são as causadas pelos vírus A, B e C. Existem, ainda, os vírus D e E, esse último mais frequente na África e na Ásia. Muitas pessoas são portadoras dos vírus B ou C e não sabem.

No Brasil, atualmente, existem vacinas para a prevenção das hepatites A e B. O Ministério da Saúde oferece vacina contra a hepatite B nos postos de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS) e contra a hepatite A nos centros de Referência de Imunobiológicos Especiais (Crie). Não há vacina contra a hepatite C.

Especialistas dizem que alguns vírus da hepatite, principalmente os tipos B e C, podem também levar a doenças crônicas, como o câncer de fígado e a cirrose. A hepatite viral é chamada de "epidemia silenciosa". O diretor-geral adjunto de Segurança Saúde e Meio Ambiente da OMS, Keiji Fukuda, defendeu a adoção de medidas de imunização, triagem, diagnóstico e terapias antivirais.

A diretora de Pandemias e Doenças Endêmicas da OMS, Sylvie Briand, alertou que, enquanto 82% dos países estabeleceram programas de vigilância da hepatite, apenas metade inclui o monitoramento da hepatite crônica B e C.
 

Mais Sobre Rondônia Inca

Governo divulga relatório da ONU de 2015 sobre presídios brasileiros

  Débora Brito - Repórter da Agência Brasil A Secretaria Especial de Direitos Humanos publicou o relatório elaborado pelo Subcomitê das Nações Unidas

Usina Jirau monitora mercúrio na saúde da família

As equipes do Programa da Saúde da Família (PSF) que atuam nas unidades de saúde dos distritos de Fortaleza do Abunã, Nova Mutum Paraná e Abunã se tor

Marinha Raupp e prefeitos reúnem-se com ministério do Turismo para desenvolver plano Turístico nos municípios da BR 429

Brasília - A deputada federal Marinha Raupp (PMDB), juntamente com os prefeitos de Costa Marques, Seringueiras, São Miguel e São Francisco do Guaporé,

Semusa: Capacitação para combate a Hanseníase

Com o objetivo de aumentar o índice de cura para os casos de hanseníase na cidade de Porto Velho, a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) promoverá,