Porto Velho (RO) quinta-feira, 26 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Justiça

Prisão por dívida é debatida durante evento em Porto Velho

A discussão foi realizada pelo Instituto de Direito Tributário de Rondônia e tratou da criminalização da inadimplência fiscal


Prisão por dívida é debatida durante evento em Porto Velho - Gente de Opinião

Centenas de pessoas participaram do Workshop “A cobrança tributária e a intimidação penal”, realizado na tarde da última quarta-feira (20.03), em Porto Velho. Empresários, contadores, administradores de empresas, advogados, servidores públicos e acadêmicos estiveram entre o público presente no evento, realizado pelo Instituto de Direito Tributário de Rondônia (Idetro).

O evento discutiu a criminalização do contribuinte inadimplente com os tributos governamentais e contou com os debatedores Breno de Paula – Advogado tributarista e professor de direito tributário na UNIR e Gustavo Dandolini – Advogado Criminalista e professor de Direito Penal na UNIR. O mediador foi o empresário contabilista e diretor do Idetro Ronaldo Hella.

Hoje, de acordo com algumas medidas tomadas, se o empresário deixar de recolher seus impostos, inclusive por falta de recursos, pode ser incriminado e ter sua prisão decretada. O tema está em discussão do Supremo Tribunal Federal e é visto com muita apreensão entre advogados e contribuintes.

Para o presidente do Idetro e debatedor do evento, advogado tributarista Breno de Paula, o tema do evento está da pauta do Supremo Tribunal Federal e vem gerando inquietude na sociedade. “Há uma grande preocupação quanto ao uso do direito penal, do estado policial, para a cobrança de tributos. A Constituição Federal veda a prisão por dívidas e o Estado não pode confundir sonegação tributária com inadimplência fiscal. O sonegador tem que ser perseguido criminalmente, já o inadimplente não. Ele deve sofrer a cobrança no judiciário com o devido processo legal e o contraditório”.

O Governo do Estado, representado no evento pelo auditor fiscal Amarildo Alvarenga, da Secretaria de Finanças de Rondônia (Sefin), lamentou e se mostrou solidário com criminalização do contribuinte. O servidor adiantou que em breve será lançado um novo fisco em Rondônia, que vai atuar de forma preventiva e não coercitiva, através de um sistema denominado ‘Fisconforme’. “Esse sistema vai alertar o contribuinte de suas inconsistências, pois entendemos a complexidade da legislação. Ele terá prazo correto para corrigir as irregularidade. Se mesmo assim o contribuinte discordar da posição do fisco, será dado um prazo para discussões e conciliações. E não havendo acordo, aí sim a pessoa será incluída na fiscalização tradicional”, explicou o auditor.

O Ministério Público (MPE) também participou da roda de conversa. Desde 2016, através do Grupo de Atuação Especial de Combate à Sonegação Fiscal e aos Crimes contra a Ordem Tributária (Gaesf) o órgão atua em parceria com o Governo do Estado, para recuperar créditos tributários inscritos na dívida ativa. Segundo o servidor público do Gaesf, Adailton Silva Almeida, para cada multa arrecadada, o órgão fica com o percentual de 10%, que vai para o fundo do Ministério Público. Ele diz que, apesar da atuação forte do Gaesf, não há um movimento para criminalizar o contribuinte. “Não houve até o presente momento nenhuma denúncia, por parte do Ministério Público, por mero inadimplemento de obrigação tributária, seja por falta de recurso ou por outro motivo. Quando o empresário utiliza de subterfúgios, como omissão ou fraude, aí sim se configura o crime de sonegação fiscal”.

Luiz Fagundes da Silva, franqueador de uma multinacional americana com atuações em todo planeta, afirmou que a empresa deve deixar de atuar no Brasil, por conta das complicações com o fisco. “A Jan Pró deve sair do Brasil em razão dos absurdos e da complexidade das leis que, via de regra, criminalizam quem produz e gera riqueza e renda. O americano não consegue entender tanto absurdo que é praticado aqui. Somos a maior franquia de limpeza do mundo, nos últimos oito anos crescemos muito no país e ainda assim a empresa deve encerrar suas atividades aqui por conta das condições tributárias”.

Ao final do evento, o presidente do Idetro, Breno de Paulo pediu a participação dos presentes para a elaboração de um documento com pontuações sobre o tema, denominado Carta Tributária de Rondônia, que será enviado ao Ministro Barroso, do Supremo Tribunal Federal. Confira abaixo o teor da carta.

 

CARTA TRIBUTÁRIA DE RONDÔNIA

1) A Constituição Federal de 1988 não permite prisão por dívida;

2) A responsabilidade penal nos crimes contra a ordem tributária é subjetiva e depende de avaliação do dolo do agente;

3) A legislação tributária brasileira é uma das mais complexas do mundo;

4) O próprio fisco - federal, estadual e municipal - possui divergência interna na interpretação da lei;

5) Não podemos admitir no Brasil a figura do crime de hermenêutica;

6) O bem jurídico tutelado nos crimes contra ordem tributária é o Tesouro;

7) Existem centenas de casos no Superior Tribunal de Justiça e Supremo Tribunal Federal aguardando julgamento definitivo sob o rito de recursos repetitivos e repercussão geral reconhecida;

8) O direito penal não é adequado para cobrança de tributos;

9) Declarar e não pagar ICMS não é fato típico ilícito e culpável penalmente; cuida se de mero inadimplemento;

10) Desde a ditadura o Supremo Tribunal Federal possui jurisprudência pacificada de que inadimplência fiscal não é crime.

Mais Sobre Justiça

Operação Bonifrate - Ministério Público, Polícia Civil e Secretaria de Finanças deflagram operação de combate à sonegação fiscal

Operação Bonifrate - Ministério Público, Polícia Civil e Secretaria de Finanças deflagram operação de combate à sonegação fiscal

O Ministério Público do Estado de Rondônia, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), do Grupo de Atuação Especial

Operação cumpre mandados judiciais contra advogados envolvidos com o crime organizado

Operação cumpre mandados judiciais contra advogados envolvidos com o crime organizado

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público do Estado de Rondônia (GAECO/MPRO) e a Polícia Civil do Estado de R

Contágio de motorista de ambulância por Covid-19 é reconhecido como doença ocupacional pela Justiça do Trabalho

Contágio de motorista de ambulância por Covid-19 é reconhecido como doença ocupacional pela Justiça do Trabalho

O juízo da 5ª Vara do Trabalho de Porto Velho (RO) reconheceu o nexo causal em contaminação por Covid-19, como doença ocupacional, a motorista de ambu