Porto Velho (RO) sexta-feira, 29 de maio de 2020
×
Gente de Opinião

Justiça

Expansão do Projeto Apadrinhando uma História chega às comarcas do Cone Sul de RO


Expansão do Projeto Apadrinhando uma História chega às comarcas do Cone Sul de RO - Gente de Opinião

A segunda fase de expansão do Projeto Apadrinhando uma História está em andamento desde segunda (6). Desta vez, a Comissão Estadual Judiciária de Adoção (Ceja) da Corregedoria-Geral da Justiça de Rondônia (CGJ) e a Prefeitura de Porto Velho visitam as comarcas de Cerejeiras, Colorado do Oeste e Vilhena.
A intenção é implantar a iniciativa além da comarca de Porto Velho. O “Apadrinhando” sensibiliza e capta pessoas e instituições para se tornarem padrinhos e madrinhas de crianças e adolescentes em situação de acolhimento institucional. 
A expansão para o interior de Rondônia segue até agosto. Já foram visitadas as comarcas de Costa Marques, São Francisco do Guaporé e São Miguel do Guaporé. 
Em Colorado do Oeste, a reunião foi produtiva, pois todos os colaboradores aceitaram a ideia como um projeto que fará a diferença na vida das crianças em situação de abrigo. O assistente social Joel de Souza Sá, servidor do Tribunal de Justiça de Rondônia (TJRO), acredita que o “Apadrinhando” tem capacidade de fortalecer a base emocional das crianças. 
“As crianças em situação de abrigo provêm de famílias desestruturadas e não tiveram o suporte emocional que um filho necessita. Um padrinho, de certa forma, proporcionará carinho e convívio. Essa relação vai ficar gravada no coração dela e servirá para o desenvolvimento pessoal, psicológico e emocional da criança”, pontuou.

A diretora da Casa de Acolhimento de Colorado do Oeste, Talita de Souza, também vê o projeto como auxílio no desenvolvimento das crianças. “Tivemos um caso de uma criança que, após essa convivência de atenção, se desenvolveu muito bem. Esse apadrinhamento poderá beneficiar em um contexto maior”, disse. 
Houve até quem considerasse a ideia de apadrinhar. Foi o caso da assistente social e chefe do Núcleo Psicossocial da comarca de Colorado do Oeste, Eliete Ferreira de Freitas. “O projeto é maravilhoso e estamos à disposição para colaborar. De certa forma, já trabalhávamos como provedores, pois volta e meia arrecadamos brinquedos, festejamos datas comemorativas”, comentou. A psicóloga do Centro de Referência em Assistência Social (CRAS), Marília Fabiano de Souza, disse que o trabalho de implementação será conjunto.


Nessa quinta (9), a equipe do CEJA e da prefeitura visitaram a comarca de Vilhena. Assim como nas reuniões anteriores, diversos atores relacionados à infância e juventude foram convidados a comparecer ao fórum da comarca para aprender mais sobre o projeto. A sensação é de otimismo, segundo o coordenador do abrigo, Maximiliano Machado. “Tenho certeza que dará certo e vai ser muito proveitoso. Estou no abrigo há dez anos e digo que sentimos a falta desses padrinhos. O impacto será maravilhoso”, declarou. 

A assistente social da Prefeitura, Meire Akino, finalizou dizendo que a troca existe, mas quem ganha é o padrinho. “Trabalho com criança e adolescente há 15 anos e digo a quem acha que vai dar alguma coisa, na verdade, tem que se preparar para receber mais conhecimento das crianças. É uma troca de afeto muito importante”. 
O corregedor-geral da Justiça de Rondônia e presidente da CEJA, José Jorge Ribeiro da Luz, se diz contente em ver um dos projetos apoiado pela CGJ preenchendo espaços além da capital. “A CEJA tem o objetivo de melhorar o futuro do nosso país, e isso e dá com o apoio a crianças e adolescentes da melhor forma possível. Ficamos felizes em obter apoio de todas as comarcas”, declarou o desembargador.
Projeto Apadrinhando uma História
O Projeto Apadrinhando uma História é uma iniciativa da Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas) e conta com o apoio do Tribunal de Justiça de Rondônia (TJRO), por meio da CEJA.
O projeto possui três modalidades de apadrinhamento: afetivo, destinado a padrinhos que visitam regularmente a criança ou adolescente, buscando-o para passar finais de semana, feriados ou férias escolares em sua companhia; provedor, que dá suporte material ou financeiro à criança e ao adolescente, seja com a doação de materiais escolares, calçados, brinquedos, seja com o patrocínio de cursos profissionalizantes, reforço escolar e prática esportiva; e o prestador de serviço, caracterizado por um liberal que se cadastra para atender as crianças e adolescentes participantes do projeto, conforme sua especialidade de trabalho, prestando o seu serviço.

Mais Sobre Justiça

Auxílio emergencial: MPF quer ampliação do prazo de saque para evitar saída de indígenas das aldeias

Auxílio emergencial: MPF quer ampliação do prazo de saque para evitar saída de indígenas das aldeias

Os indígenas de Rondônia têm colocado suas vidas em risco ao deslocar-se para a cidade na tentativa de sacar o auxílio emergencial diante do atu

Ministério Público expede recomendação para coibir pagamento de produtos que não sejam gêneros alimentícios com Cartão Alimentação

Ministério Público expede recomendação para coibir pagamento de produtos que não sejam gêneros alimentícios com Cartão Alimentação

O Ministério Púbico do Estado de Rondônia, por meio do Grupo de Atuação Especial da Infância, Juventude e da Defesa da Educação (GAEINF), expediu

MP recomenda ao Estado a recusa de pedidos de exoneração de servidores da Sefin em meio à pandemia do coronavírus

MP recomenda ao Estado a recusa de pedidos de exoneração de servidores da Sefin em meio à pandemia do coronavírus

O Ministério Público de Rondônia expediu recomendação ao titular da Secretaria Estadual de Finanças (Sefin) e ao Governo de Rondônia para que procedam

Decisão inédita do Tribunal Superior do Trabalho  aprova perícia judicial por fisioterapeutas

Decisão inédita do Tribunal Superior do Trabalho aprova perícia judicial por fisioterapeutas

Decisão inédita do Tribunal Superior do Trabalho aprova perícia judicial por fisioterapeutas   O Tribunal Superior do Trabalho (TST), em decisão iné