Porto Velho (RO) domingo, 18 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Tráfico Humano


Dom Jaime Spengler
Arcebispo Metropolitano de Porto Alegre (RS)

Durante o período da quaresma estamos sendo convidados a nos voltar ainda mais intensamente para Jesus, Caminho, Verdade e Vida (cf. Jo 10,3). Essa intensidade acontece em três âmbitos: na oração, na revisão de nossas atitudes e comportamentos, e em gestos de caridade. Podemos, pois, afirmar que o voltar-se para Jesus possui três enfoques: pessoal, social e comunitário.

A partir deste convite que o tempo litúrgico da Quaresma nos faz, e tendo presente o enfoque social e comunitário deste voltar-se para Jesus, somos convidados a tomar consciência de uma realidade cruel e refletir sobre uma antiga e atual chaga social: o tráfico humano.

O que é o tráfico humano? Segundo o Protocolo de Palermo, tráfico humano ‘é o recrutamento, o transporte, a transferência, o alojamento ou acolhimento de pessoas, recorrendo à ameaça ou ao uso da força, ou a outras formas de coação, ao rapto, à fraude, ao engano, ao abuso de autoridade ou à situação de vulnerabilidade ou à entrega ou aceitação de pagamento de benefícios para obter o consentimento de uma pessoa que tenha autoridade sobre outra para fins de exploração. A exploração incluirá, no mínimo, a exploração da prostituição de outrem ou outras formas de exploração sexual, o trabalho ou serviços forçados, escravatura ou práticas similares à escravatura, a servidão ou a remoção de órgãos’ (Texto Base da CF 2014, p. 71).

Trata-se de uma realidade complexa, que fere o sagrado direito à liberdade e à felicidade, desconsiderando a dignidade de todo ser humano. O tráfico humano possui muitas nuanças. A pessoa não precisa ser necessariamente forçada para que seja considerada traficada. A coação, promessas exuberantes e falsas, dinheiro fácil, o querer propiciar condições de vida melhores para pessoas da própria família, podem levar pessoas a se submeter a exigências descabidas e desumanas; podem levar homens e mulheres a se deixar explorar. Tais exigências podem ser caracterizadas como tráfico humano.

No Brasil, o tráfico humano se apresenta de duas formas bem conhecidas: a exploração no mercado do sexo, que atinge principalmente mulheres, mas também crianças, adolescentes e jovens; e a exploração de trabalhadores escravizados em atividades produtivas, seja no campo ou na indústria.

A Quaresma representa um tempo propício para que os cristãos avaliem a qualidade de sua vida de fé e seus desdobramentos. A Campanha da Fraternidade apresenta um convite à toda a sociedade brasileira, para que tome consciência de um tema de relevância social, e ao mesmo tempo se empenhe para a transformação daquilo que precisa ser melhorado. Neste ano de 2014 estamos sendo confrontados com a chaga do tráfico humano, que produz dor, sofrimento, vergonha e morte a tantos.

Fazemos votos que a sociedade brasileira constituída de filhos e filhas que não fogem à luta, abrace a causa desta Campanha da Fraternidade, colaborando eficazmente para a superação desta realidade que, financeiramente falando, só perde para o tráfico de drogas e de armas.

Fonte: CNBB

 

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual