Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Tomara que o Brasil perca a Copa


 
Professor Nazareno*

Claro que vou torcer contra a seleção brasileira na Copa do Mundo. Onde está escrito que quem nasceu no Brasil deve necessariamente se alegrar e torcer pela sua seleção de futebol, ou qualquer outro esporte, em uma competição internacional? Devemos, sim, incentivar e nos alegrar com o bom futebol. E isto o nosso país, comparado a outras grandes seleções, ainda não tem suficientemente para ganhar um campeonato desse porte. Não é estranho torcer por outro país, já que não gosto de futebol e depois por que a derrota pode representar uma das melhores coisas já vividas por esta nação nos últimos tempos. E ao contrário do que muitos imaginam, quero que essa Copa seja realizada: com tanto dinheiro público nela investido, cheira a burrice, e a muito mais prejuízo, se qualquer coisa acontecer para inviabilizar o torneio.

O Brasil não deveria ter organizado esta festa. As previsões de desorganização, atraso absurdo nas obras, gastos exorbitantes de verbas públicas, roubalheiras e superfaturamento infelizmente foram todos confirmados. Porém, protestar agora contra a sua realização é tolice e oportunismo barato. A chiadeira devia ter acontecido durante a fatídica decisão em 2007, quando o “Molusco Presidente”, a FIFA e o PT empurraram suas vontades “goela abaixo” da população sem nenhuma consulta. A absurda mistura de política com futebol tem um único objetivo: ajudar os petistas a se perpetuarem no poder. A derrota dos canarinhos pode frustrar as pretensões do PT e do Lula e a vitória, certamente, vai reeleger a Dilma já no dia 12 de julho. Igual a ditadores como Médici no Brasil e Jorge Videla na Argentina, os petistas também sabem usar o poder do futebol.

A FIFA pediu oito sedes. Lula e o PT “marotamente” indicaram uma dúzia de cidades. Aumentavam assim o espaço para mais propaganda política. Um disparate sem tamanho indicar lugares em províncias atrasadas, sem futebol e com pouca ou nenhuma organização como Manaus, Natal, Cuiabá e Brasília para serem sedes de uma Copa do Mundo. Qual o legado que os jogos deixarão para estes lugares além de enormes elefantes brancos que ficarão sem nenhuma serventia depois do evento? Até Ronaldo, o tal de “Fenômeno”, disse recentemente estar com muita vergonha do atraso nas obras e na desorganização geral nesta Copa do Mundo. Com mais de 30 bilhões de reais gastos, o Brasil vai fazer a competição mais cara da história. A Alemanha gastou apenas 20 por cento desse valor em 2006 e encantou o mundo com muita organização e lisura.

Torcer contra a nossa seleção nesta Copa é a maior prova de civismo que um brasileiro pode mostrar num país onde o amor à nação só acontece de quatro em quatro anos. Com isso, abre-se a possibilidade de derrotar o PT nas urnas e iniciar as mudanças sociais de que tanto precisamos neste lugar desigual e injusto. Uma provável vitória e todos ficam anestesiados aceitando toda e qualquer injustiça. Ninguém terá coragem de sair às ruas para fazer protestos. Hoje dá pena observar carros, casas e ruas enfeitadas com as bandeiras verde-amarelas. Para a maioria, civismo é só isso. O futebol, e apenas isso, faz explodir o amor à pátria, o espírito de brasilidade, a alegria, o otimismo. Além do mais, com a inusitada derrota não existirá coisa mais alvissareira de se ver do que muitos idiotas e imbecis chorando desesperados nas ruas. Por que não torcer pela Argentina ou por um país mais justo, civilizado e desenvolvido? Seria bem mais lógico.

*É Professor em Porto Velho.
 

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual