Porto Velho (RO) domingo, 19 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Opinião

Supersalários: triunfo da voz das ruas


A sociedade brasileira vinha dando sinais de cansaço diante das bandalheiras em Brasília. Pouco ou nada reagiu quando o último mensaleiro foi absolvido, o deputado José Janene, acusado de sacar mais de 4 milhões de reais do valerioduto. Quase nada fez diante da absolvição dos primeiros sanguessugas julgados no Senado. Na semana passada, no entanto, os deputados e senadores, ao se autoconcederem um aumento salarial de 91%, conseguiram fazer com que uma parte dos brasileiros voltasse a reagir e, com manifestações de pequeno porte mas eficazes, acabasse colhendo uma vitória sonora. Houve manifestação em Brasília, reunindo estudantes, sindicalistas e mulheres de militares. Houve protestos em São Paulo, com 100 pessoas fazendo uma passeata no centro da cidade. Em Curitiba, um grupo de cinqüenta estudantes vaiou a diplomação dos deputados. No Rio de Janeiro, o asfalto do Leblon amanheceu pichado com palavras de repúdio ao aumento. Nada grandioso, tudo meio errático, mas o resultado é saudável: o aumento de 91% pode até vir a sair, mas, neste ano, nem pensar.

O triunfo da sociedade sobre o desatino dos políticos começou na terça-feira, quando o Supremo Tribunal Federal, por unanimidade, decidiu que o aumento salarial tinha de ser votado em plenário. Assim, o aumento, que fora aprovado por apenas 26 deputados e senadores numa reunião realizada na semana anterior, estava anulado. O assunto tinha de ir a plenário e aí a voz das ruas começou a surtir seu efeito. Alguns dos que haviam aprovado antes o aumento de 91%, que elevaria seus salários para 24.500 reais, recuaram. Outros defendiam que o aumento fosse de 28%, o que corresponde à inflação dos últimos quatro anos e elevaria os salários para 16.500 reais. Houve quem defendesse manter os salários nos atuais 12.800 reais, sem aumento algum. Com tantas propostas diferentes, nenhuma foi a plenário. O Congresso, sob pressão, deixou o assunto para a nova legislatura, que toma posse em fevereiro do ano que vem. "Foi um tapa na cara dessa casta de parlamentares que acreditam poder tudo", comemorou o deputado Fernando Gabeira, do PV do Rio, integrante do grupo que pediu ao Supremo Tribunal Federal que barrasse o aumento.

O presidente da Câmara e candidato à reeleição, Aldo Rebelo, foi obrigado a receber o tapa em público. "Não vejo problema em reconhecer erros. O problema é quando você erra e persiste no erro", disse. Houve protestos exóticos, como o do aposentado William Carvalho, cientista político, que se acorrentou a uma pilastra do Senado em frente ao gabinete de Renan Calheiros, um dos artífices do superaumento. Em Salvador, numa reação condenável, uma eleitora agrediu a faca o deputado ACM Neto, que levou três pontos nas costas. Muitos eleitores protestaram pela internet, entupindo as caixas de e-mail dos parlamentares com textos de repúdio à decisão. Houve, também, os protestos de entidades. A Ordem dos Advogados do Brasil disse que o aumento era "imoral". A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil pediu que os padres condenassem o aumento nas missas. Na quarta-feira, o arcebispo de Brasília, dom João Braz de Aviz, ao rezar a missa para uma platéia com parlamentares, passou-lhes um sermão. "Como aceitar que um parlamentar brasileiro receba mais de 800 reais por dia quando uma boa parte das pessoas que representa é obrigada a viver com 12 reais por dia?", indagou.

A sociedade, mesmo quando se mobiliza, nem sempre conquista o recuo das autoridades, mas exemplos recentes mostram que as mobilizações populares surtem efeito de vez em quando (veja quadro). É assim que funcionam as democracias mais avançadas, onde é comum a opinião pública pressionar os governantes. Em abril passado, por exemplo, o primeiro-ministro francês, Dominique de Villepin, diante das manifestações dos estudantes que se espalharam pelo país, acabou forçado a revogar uma medida que permitia ao empregador demitir jovens sem justa causa durante os dois primeiros anos de trabalho. Em junho passado, em outro exemplo, o presidente George W. Bush enviou ao Congresso americano uma emenda constitucional que previa a proibição do casamento entre homossexuais. Como os republicanos compunham a maioria parlamentar, parecia fácil. Mas os movimentos de defesa dos direitos civis reagiram, chiaram e a tal maioria republicana ruiu e a proposta foi derrubada. Nesse ambiente de confronto pacífico entre sociedade e governo, o jogo de pressão apenas reforça o vigor do regime democrático.

O caso do aumento dos parlamentares brasileiros, no entanto, chama atenção pelo profundo desequilíbrio entre a sociedade e o Congresso. Eles realmente acreditaram que o aumento passaria em branco? Eles, de fato, imaginaram que a sociedade toleraria uma medida assim tão acintosa? "O caso do aumento salarial e o das absolvições em massa mostram que o divórcio entre a opinião pública e o Congresso pode estar chegando a um ponto crítico", analisa o sociólogo Luiz Werneck Vianna, do Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro. Uma das razões para isso pode ser a própria ausência do PT no campo da oposição. "Demagogicamente ou não, o PT se comportava como a consciência crítica do Congresso e funcionava como anteparo para as bandalheiras que sempre se promoveram no Parlamento", afirma o cientista político Octaciano Nogueira, da UnB. "Sem ter o PT como partido disposto a fazer política de forma decente, o Congresso nivelou-se por baixo. Infelizmente, agora vale tudo."

O vale-tudo inclui, naturalmente, a busca obstinada por sucessivas regalias como demonstra o caso dos aumentos salariais. Essas excessivas sinecuras, por sua vez, contribuem ainda mais para distanciar os eleitores do Parlamento. "A maioria dos deputados recebe sem trabalhar e não pára de acumular vantagens. Eles se consideram exteriores, se percebem quase como uma casta", diz o filósofo Roberto Romano, da Universidade Estadual de Campinas. "Como o brasileiro médio, que mal ganha o suficiente para se sustentar, pode imaginar ou compreender esse mundo de fantasia?" O efeito mais nefasto desse distanciamento é a apatia política que costuma causar nos cidadãos o que, evidentemente, não é um problema exclusivo do Brasil. Essa conseqüência perversa já era apontada no século XVIII pelo filósofo francês Jean-Jacques Rousseau, na obra seminal O Contrato Social. Nas palavras de Rousseau: "Quando alguém diz, referindo-se aos negócios do Estado: que me importa?, pode-se ter certeza de que o Estado está perdido". Na semana passada, a sociedade brasileira mostrou que, por enquanto, nem tudo está perdido. (A matéria foi publicada na revista Veja) 

Mais Sobre Opinião

CULPADO!   Por Reginaldo Trindade

CULPADO! Por Reginaldo Trindade

Porto Velho testemunhou, no final de 2017, um julgamento absolutamente singular.O dia foi a véspera da Proclamação da República. O palco, um dos cartõ

Que tal Lei dos Sexagenários e do Ventre Livre, para os cativos da  OAB? Por Vasco Vasconcelos

Que tal Lei dos Sexagenários e do Ventre Livre, para os cativos da OAB? Por Vasco Vasconcelos

“A injustiça em qualquer lugar é uma ameaça à justiça em todo lugar”. Martin Luther KingSegundo o Egrégio Supremo Tribunal Federal – STF, “A escravidã

Desalento sufoca recuperação da economia

Desalento sufoca recuperação da economia

A repórter especial do Portal Vermelho Joana Rozowykwiat afirma em artigo que não e apenas a economia que necessita de recuperação, mas a 'esperança'

O impacto da dívida do extinto Beron - Marcelo Freire

O impacto da dívida do extinto Beron - Marcelo Freire

A dívida do extinto Banco do Estado de Rondônia (Beron) ainda vai atormentar por um longo tempo os próximos cinco governadores de Rondônia. A proposta