Porto Velho (RO) quarta-feira, 25 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Opinião

Saúde para todos


 
João Baptista Herkenhoff

A CNBB, com apoio de Igrejas cristãs e o respaldo de múltiplas instituições da sociedade civil, promove, toda Quaresma, a “Campanha da Fraternidade”, escolhendo um lema que dá o norte da celebração.

A Campanha da Fraternidade deste ano tem como tema a Saúde.

A opção por este tema favorece a partilha ecumênica, pois o culto à vida e a defesa da saúde, como consequência, é um dos fundamentos da Ética cristã e da Ética de outras grandes árvores religiosas e filosóficas.

O mote inspirador da CF 2012 foi retirado de um trecho do Eclesiástico, um dos livros do Antigo Testamento: “Que a saúde se difunda sobre a Terra.”

O apelo para que a saúde seja difundida por todo o orbe terráqueo é o apelo para que a saúde seja bem de todos.

Posso cuidar deste assunto sob vários ângulos mas, como alguém que pertence ao mundo do Direito, não posso me abster de abordar o “tema saúde” sob a ótica jurídica.

É o que tentarei fazer.

O artigo 196 da Constituição Federal diz que "a saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução de doenças e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação."

Esse artigo coloca a saúde como bem universal, cujo provimento compete ao Estado. Estatui que a saúde não pode ser privilégio, comprada por alguns e negada a outros. Esse artigo condena a organização da saúde sob a batuta do lucro, comandada pelos fabricantes de remédios e donos de hospitais. A organização capitalista da saúde transforma a pessoa humana em simples pormenor de um excelente negócio, deformação ética e jurídica que a Constituição Federal não tolera.

Também esse artigo não é mero jogo de palavras, mas tem consequências concretas nos atos admInistrativos e mesmo em decisões que os tribunais devam proferir à face de casos ligados à saúde, quando pessoas, individual ou coletivamente, pleitearem o direito à saúde e o atendimento de serviços que garantam a saúde popular.

Ainda em matéria de saúde, o art. 201, inciso 3, da Constituição, privilegiou a proteção à gestante, nos planos de Previdência Social. A Constituição de 1988 inovou, nesta matéria, pois, pela primeira vez no Direito Constitucional brasileiro, a gestante é elevada à condição de sujeito privilegiado de direito. Fácil compreender a importância desse preceito que exige determInação política para dar a ele todo o dInamismo de sua força.

Mais Sobre Opinião

Hildon Chaves deverá vencer as eleições muito facilmente, se a Cristiane não se reposicionar junto aos eleitores

Hildon Chaves deverá vencer as eleições muito facilmente, se a Cristiane não se reposicionar junto aos eleitores

Até o momento, ao que tudo indica, parece que a definição sobre quem será o próximo prefeito ou prefeita de Porto Velho é “favas contadas”. O atual

Respeito a decisão do Vinícius, mas não concordo

Respeito a decisão do Vinícius, mas não concordo

Recebi de um amigo um vídeo em que o candidato à prefeitura de Porto Velho, Vinicius Miguel - em quem votei no primeiro turno da eleição de domingo (1

Os náufragos de 2020

Os náufragos de 2020

Não foi apenas o presidente Jair Bolsonaro que saiu perdendo nas eleições municipais de 2020. A esquerda foi massacrada nas urnas. Exemplo disso é o

O recado das urnas

O recado das urnas

A renovação substancial da Câmara Municipal de Porto Velho, além da decepção causada a muitos dos que atualmente exercem mandato de vereador, há de