Porto Velho (RO) sexta-feira, 27 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Opinião

RONDÔNIA, AS RODOVIAS FEDERAIS E AS CAMPANHAS POLÍTICAS...


A população de Rondônia é muito generosa mesmo, principalmente para aceitar mentiras de políticos, ainda que sejam as mentiras mais surradas do contexto político. O que mais impressiona é que são mentiras antigas e sempre usadas em campanhas por políticos do estado, alguns deles estão há vários mandatos no poder  e a situação continua precária...

Para citar um exemplo simples, recentemente foi publicada uma informação sobre atos do casal Raupp, dizendo que estão trabalhando para recuperar as rodovias 364, 429 e 425. Difícil acreditar que isso seja verdade, porque as informações apresentam muitas falhas. Dizer que vai recuperar “alguns trechos” da BR 425 demonstra muita desinformação, pois a única coisa que resta da citada rodovia são os restos de duas pontes construídas no início do  século XX, mesmo período da construção da ferrovia Madeira – Mamoré. A ferrovia foi construída entre os anos de 1907 e 1912. As pontes também. Quem passa por aquelas pontes tem que descer do carro para colocar as tábuas no local correto, isso qualquer pessoa que anda ali sabe. E faz tempo que é assim... As pontes têm tábuas onde os veículos passam!

Nos lugares onde havia asfalto hoje existe apenas lama. A rodovia possui em todo o seu trajeto 130 km. Nas condições atuais, é possível fazer esse trecho em cerca de 3 horas. Por aí, vê-se que não existe estrada. E em todos os períodos eleitorais a BR 425 faz parte dos discursos inflamados de candidatos. O casal Raupp está entre os políticos que usam a rodovia. Claro que usam apenas em discursos, porque a rodovia não é usada por deputados e senadores para chegar a Guajará – Mirim. Quando eles vão lá, usam aviões. De avião, a viagem dura cerca de uma hora, saindo de Porto – Velho. De ônibus, transporte usado por quem trabalha e não tem tempo para ficar rico, a viagem dura mais de 8 horas. De carro, dura  cerca de cinco ou seis e, depois, tem o prejuízo que o veículo sofre nos milhares de buracos.

Uma curiosidade sobre a BR 425 é que o Governo Federal nunca asfaltou a rodovia. O asfalto que tinha na estrada, até a grave enchente do ano passado, foi feito pelo ex-prefeito Isaac Bennesby, na década de 80, com recursos próprios do município de Guajará-Mirim. Isaac morreu pagando a pena por ter feito o asfalto. Isso mesmo! Ele foi denunciado pelo Ministério Público, na época, porque pavimentou a rodovia que é federal. E foi condenado! Caso o ex-prefeito não tivesse feito isso, até hoje as pessoas trafegariam na estrada, sem nunca ser pavimentada. E a rodovia seria objeto eleitoral de muita gente. Duvido que alguma coisa vai mudar! Essa conversa de que vai arrumar é porque no ano que vem teremos eleições e os políticos que estão no poder terão candidatos apoiados por eles em Guajará-Mirim.

Outra coisa que precisa ser destacada aqui: todos os deputados estaduais tiveram votos  em Guajará-Mirim; os três senadores do estado tiveram votos em na cidade; todos os deputados federais tiveram votos em Guajará-Mirim; o governador cassado Confúcio Moura  teve mais de 70% dos votos do município, na primeira eleição, e quase 60% em sua reeleição. Para demonstrar esse zelo que eles têm, poderiam os 8 deputados federais e os 3 senadores destinarem tudo que têm de emendas para rodovias em benefício das sofridas rodovias 425,  429 e  364. Tudo mesmo! Sem essa história de 10%, de 20%, de 30% que muitos deputados brasileiros pedem para propor emendas. Quero crer que não seja o caso de Rondônia, porque todos os nossos representantes são fichas-limpas. Isso poderia ser uma demonstração de boa vontade.

Caso os parlamentares fizessem isso, poderiam trabalhar juntos com o DNIT e DER, fazendo uma programação de elaboração de projetos e de execução de obras. Isto feito desde agora, garantiria o tempo hábil para fazer os trabalhos necessários quando o período chuvoso passar. Sem projetos não há obras, sem planejamento não há êxito nas obras, sem bancada não há estado, nem rodovias. Caso não façam isso, a única coisa que estará garantida é o voto dos fiéis  e incautos eleitores das regiões isoladas do estado pela má conservação das rodovias.

Outra sugestão que os deputados federais e senadores eleitos por Rondônia poderiam acatar é tirar pelo menos um dia do mandato para participar da aventura de viajar de carro de Porto – Velho até Guajará – Mirim, pela rodovia 425. Como eles não conhecem, sugiro que levem comida, água, biscoito e aparelhos de celular via-satélite, pois deputados e senadores gostam de celular. Levem também seus chefes de gabinetes, porque depois de atravessar esse trecho vocês não terão condições de lembrar de nada. A exaustão é total. É preciso que algum assecla lembre do que irão propor. Depois de fazer essa aventura, duvido que nossos parlamentares continuarão falando que Guajará- Mirim tem muito potencial para o turismo. O básico do básico para fazer turismo é infraestrutura. Sem isso, não haverá turismo, somente campanhas eleitorais feitas de avião... Tenho dito!!!

FRANCISCO XAVIER GOMES

Professor da Rede Estadual

Mais Sobre Opinião

Hildon Chaves deverá vencer as eleições muito facilmente, se a Cristiane não se reposicionar junto aos eleitores

Hildon Chaves deverá vencer as eleições muito facilmente, se a Cristiane não se reposicionar junto aos eleitores

Até o momento, ao que tudo indica, parece que a definição sobre quem será o próximo prefeito ou prefeita de Porto Velho é “favas contadas”. O atual

Respeito a decisão do Vinícius, mas não concordo

Respeito a decisão do Vinícius, mas não concordo

Recebi de um amigo um vídeo em que o candidato à prefeitura de Porto Velho, Vinicius Miguel - em quem votei no primeiro turno da eleição de domingo (1

Os náufragos de 2020

Os náufragos de 2020

Não foi apenas o presidente Jair Bolsonaro que saiu perdendo nas eleições municipais de 2020. A esquerda foi massacrada nas urnas. Exemplo disso é o

O recado das urnas

O recado das urnas

A renovação substancial da Câmara Municipal de Porto Velho, além da decepção causada a muitos dos que atualmente exercem mandato de vereador, há de