Porto Velho (RO) terça-feira, 24 de maio de 2022
×
Gente de Opinião

Opinião

'Rolezinho' um fenômeno rico praticado por pobres


“Esse tal Chópis Cêntis

É muicho legalzinho

Pra levar as namoradas

E dar uns rolezinhos

(Mamonas Assassinas, Séc. XX)

O ato denominado "rolezinho" me é simpático e interessante por ser um fenômeno de transgressão social a um território eminentemente capitalista – os shoppings. Estes jovens, interessantemente, construíram uma maneira de ocupar um espaço financeiro de forma não econômica. Uma ação parsonianamente social.   Talvez um dos poucos atos de transgressão  a um ambiente capitalista com características opressoras e deteriorantes socialmente. Afinal, quem são os que se contrapõe aos rolezinhos? Os detentores do capital . Os excludentes. Aqueles que não querem se misturar, por acreditarem ser, hitlelianamente, de raça ou espécie superior. São aqueles que querem criar seus filhos sem mostrar-lhes as mazelas que lhes são tão próximas, dentre elas a pobreza econômica da sociedade, que não é pior do que a pobreza social de seus pais. Pouco sabem eles que seus filhos já estão em contato com estas pessoas. Seja com o guarda de sua escola particular, seja com o vendedor de pipoca do parque de lazer, seja com o jardineiro ou o segurança de seu condomínio fechado ou com o limpador de suas grandes e límpidas piscinas. Impedir que estes jovens desafortunados financeiramente frequentem este território segregado por sua natureza é negar-lhes direitos básicos e  è também um processo de terreritorizaliação excludente e de apropriação indevida de espaço público. Os excludentes  são ofuscados pelo valor simbólico do dinheiro e não conseguem enxergar que o rolezinho pode ser rico na produção de uma sociedade mais rizomática e que também oportuniza a produção e compartilhamento de conhecimentos para ambos os grupos. Uma pausa para um desabafo declarado - é um absurdo ter que escrever este texto, afinal não estamos mais na idade média, mais nos comportamos, em discussões como esta, como se estivéssemos. Continuando  - me faço e espero que o leitor reflita sobre a seguinte pergunta: onde estão os movimentos contrários a invasão da sociedade abastarda financeiramente aos morros do Rio de Janeiro ou a periferia de São Paulo para se privilegiarem de sua cultura musical, de seus espaços de lazer, de seus conhecimentos locais e de outras atividades que só são encontradas lá, neste espaço  de excluídos? Talvez seja por não haver movimentos contrários a esta invasão, o motivo pelo qual, é comum observar nas ruas da zona sul  das grandes cidades carros importados com sons à todo volume difundido o Funk da favela. Talvez seja por falta de movimento contra, os meninos do asfalto, subir ao morro, que o cinema brasileiro produz tantos filmes de sucesso nacional e internacional em cenários e sobre o cotidiano da periferia brasileira. Talvez, quem sabe, por isto também que  é recorrente ver as vitrines das lojas do shoppings com roupas que mimetizam os farrapos (vestes) dos favelados com suas cuecas a mostra, calças rasgadas e frouxas e com aspectos sujos. AH! Esta cultura é porcaria então pode ser usurpada para a produção do bem estar dos mais avantajados financeiros.  Vá, Vá, Vá, Vá... Vamos parar com isto, deixemos de ser tão hipócritas e com tanta inferioridade social. Apropriamo-nos indevidamente de sua cultura e não queremos lhes dar acesso à nossa.  Interessante notar  que, de uma forma ou de outra, somos todos gênesis de uma mistura de raças, classes e cor. Muitos destes que se opunham aos rolezinhos de hoje já se beneficiaram dele  num passado, muitas vezes, não muito distante. Eu já o fiz, meus irmãos já o fizeram. Minhas filhas não o fazem hoje por que lhes ofereço condições econômicas para se inserirem nesta sociedade de consumo (mesmo contrariado). Porém quando as acompanho ao shopping (território que me causa náuseas) faço o meu rolezinho subjetivo.


Erasmo M. Carvalho

Ex-aluno e Prof. da Universidade Federal de Rondônia

Consultor e Prof. de MBA FUNDACE -Fundação Pesquisa FEA/USP-RP

1º e 2º Grau -  Escola Pública Getúlio Vargas – RO (grifo proposital)

Mestrado em Ciências Contábeis pela USP

Doutorando em Administração pela UFRGS

Mais Sobre Opinião

A arte de questionar + O batalhão Azov rendeu-se + A adesão da Finlância e Suécia à nato possibilita o controlo dos usa sobre a Rússia

A arte de questionar + O batalhão Azov rendeu-se + A adesão da Finlância e Suécia à nato possibilita o controlo dos usa sobre a Rússia

A ARTE DE QUESTIONAR Uma sociedade-ideologia-opinião que não se questiona não avança O filósofo Sócrates usava do método maiêutico (arte de realizar

Rondônia: um dos estados mais violentos do Brasil

Rondônia: um dos estados mais violentos do Brasil

Rondônia se apresenta, hoje, como um dos estados mais violentos da federação. Essa afirmação não é minha. Quem garante isso é o Núcleo de Estudos da

Dr. Santana, obrigado!

Dr. Santana, obrigado!

Se tem uma coisa que me deixa extremamente desconfortável é com a danada da ingratidão.  Aprendi,  desde tenra idade,  que, quem dá geralmente não es

Finlândia e Suécia solicitam precipitadamente a admissão à nato + Família + Eurovisão da canção 2022 - Ucrânia

Finlândia e Suécia solicitam precipitadamente a admissão à nato + Família + Eurovisão da canção 2022 - Ucrânia

FINLÂNDIA E SUÉCIA SOLICITAM PRECIPITADAMENTE A ADMISSÃO À NATO50° Aniversário da Política alemã de Mudança através de AproximaçãoCom a solicitação