Porto Velho (RO) quarta-feira, 3 de março de 2021
×
Gente de Opinião

Opinião

Pra querida cidade Porto


“Preciso, minha cidade Porto, antes que tardio, dizer do meu amor por ti e, antes também, que na tua mais longínqua periferia, o som da minha voz já não te alcance, afinal cresces e corres tão rápido!”

Se num dia desses, você, a qualquer hora, em alta e calma noite ou no alvoroço e cansaço da andança cotidiana, disputando espaço no trânsito sob sol forte ou chuvas contínuas ou intermitentes, tragado pelo contexto acelerado da vida, singrar caminhos que lhes permitam avistar o velho mercado, a catedral, a ferrovia e o rio Madeira, o velho relógio, a frondosa castanheira e tudo aquilo que, felizmente, insiste em se manter de pé, tente, mesmo que num redobrado esforço, a bordo de si mesmo, viajar rápido como passageiro da emoção e, pensando, refletindo e discutindo - num debate interior - a cidade onde nascemos e/ou escolhemos para viver, verá que: queremos a poesia, mas ardemos por providência. Queremos a atitude, mas exigimos respeito. Mais que interesse e falácia, precisamos de coragem e de corajosos, para, por a nu o nosso forte e verdadeiro sentimento por esta senhora que, quando passa, leva como adorno no barrado da saia, o peso de tão reclamados e discutidos trilhos e que cujos pés, refrescam-se na generosidade de um já sedento rio, e que seu andar é como a nos exibir o requebrado da nossa mais virtuosa, faceira, lépida e equilibrada passista em evolução, vencendo a passarela, a caminho da apoteose do amanhã, levando por sobre a cabeça, como adereço, a imponência de três emblemáticas caixas d’água. Em suas veias – as ruas – corre por nós, o sangue, o fervor da incansável cidade-mãe. Quando descansa, o que já se faz raro, esta gentil e acolhedora senhora nos vê a todos, nos bancos, lojas, calçadas, terreiros, feiras, praças escolas e igrejas, sem que, ao menos, com disfarçado carinho, lhe acenemos em gratidão. Tentando, como os poucos que – com zelo e maestria – assim apaixonadamente o fazem, te mando, daqui do boteco, um beijo direto ao teu coração que, talvez, seja pro meu próprio, afinal, se nominá-lo fosse, este se chamaria Porto Velho.

Por: Altair Santos (Tatá) – tatá[email protected]
Diretor Deptº Arte e Cultura Fundação iaripuna
Pra nossa querida Porto Velho, com muito amor, em seus 92 anos.

Mais Sobre Opinião

Os novos inquisidores também não gostam do padrão dos descobrimentos

Os novos inquisidores também não gostam do padrão dos descobrimentos

Extremismo Intolerância e Preconceito como Expressão de alguns Dançarinos do PoderNa onda dos violadores da cultura e da história até já um avançado d

Repete-se o desrespeito

Repete-se o desrespeito

Compreende-se o brado de indignação de políticos, autoridades e representantes de segmentos da sociedade civil contra o tratamento desrespeitoso e d

Reforma ou pena?

Reforma ou pena?

Representantes dos servidores públicos, nas mais diferentes esferas de poder, precisam voltar suas atenções para o que vem ocorrendo na Comissão de

Aguardando as providências

Aguardando as providências

A Comissão de Ética da Assembleia Legislativa de Rondônia ainda não deu a palavra final sobre o caso envolvendo um dos membros daquela Casa de Leis