Porto Velho (RO) sábado, 25 de junho de 2022
×
Gente de Opinião

Opinião

Opinião: Um meio equivocado para um fim correto



 Juan Quirós*

 É muito pertinente o foco que a candidata à Presidência da República Dilma Rousseff têm conferido às pequenas e microempresas. Nem poderia ser diferente, pois o índice de mortalidade dessas organizações nos primeiros cinco anos de vida, embora tenha diminuído de 71% para 58%, continua muito elevado. Todo ano, cerca de 85 mil fecham as portas. Portanto, é preciso remover os obstáculos à sua longevidade, considerando, ainda, que são responsáveis por 20% do PIB nacional e mais da metade dos empregos com carteira assinada no País.

De maneira geral, as propostas discutidas nas campanhas apresentam diagnósticos corretos para o problema, mas não têm a devida consistência quanto às soluções. Nem mesmo a criação do Ministério da Pequena, Média e Microempresa, seria eficaz para a coordenação e execução de uma política pública assertiva, que contemplasse as seguintes prioridades: desburocratização no acesso ao crédito e financiamento; revisão da elevada carga tributária, principalmente os encargos inerentes à folha de pagamento; diminuição das exigências de grandes compradores para fomento e garantias de crédito para compra de ativos que possam agregar inovação tecnológica a produtos e serviços; e participação maior do segmento nas compras do setor público, um mercado de R$ 49 bilhões, somente no âmbito do Governo Federal.

Como se observa, o largo espectro das medidas necessárias exige a mobilização de numerosos e distintos órgãos da União, como os ministérios do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, do Planejamento, da Fazenda e da Ciência e Tecnologia, BNDES, Banco do Brasil e instituições de fomento à pesquisa. Infelizmente, a experiência nacional demonstra que políticas públicas dependentes de articulação múltipla e diversificada perdem eficácia quando coordenadas sob a tutela da Administração Direta do Estado.

Exemplo dessa dificuldade é o fato de, nos oito anos das duas gestões de Luiz Inácio Lula da Silva, não se ter viabilizado coordenação única para o comércio exterior. Vivenciei isso como presidente da Apex Brasil no primeiro mandato e no início do segundo. Pudemos observar que o grande sucesso no fomento às exportações naquele período exigiu a participação e o esforço direto de Lula e do então ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Luiz Fernando Furlan.

Portanto, embora seja louvável o apoio às pequenas, médias e microempresas, visando à sua preservação e à criação e manutenção de empregos, um novo ministério específico seria mediador de baixa eficiência, com as mesmas limitações funcionais inerentes ao Estado e um elevado custo. Alternativa mais eficaz e menos onerosa seria outorgar ao Sebrae a coordenação das políticas. O órgão é desburocratizado, tem a cultura, rico banco de dados e conhecimento sobre o tema, está presente em todo o território brasileiro e já demonstrou sua capacidade de articulação, como na mobilização em prol da Lei da Micro e da Pequena Empresa. Atuando com a chancela do governo e em parceria com a iniciativa privada, teria plenas condições de êxito na viabilização de um programa essencial para o País.

Milhares de empreendedores anseiam por uma solução. As dificuldades atuais dos micro e pequenos empresários não são muito diferentes dos obstáculos que enfrentei. Quando iniciei a minha empresa, tive de apresentar meus únicos bens (apartamento de um dormitório e um carro popular) como garantia de empréstimo para comprar meu primeiro equipamento de trabalho. À época, minha empresa tinha três funcionários e faturava 13 mil reais. O esforço para mantê-la e fazê-la crescer foi uma epopeia no caos da burocracia e dos obstáculos persistentes.

Hoje, nossa empresa tem 8.500 colaboradores e estamos muito perto de faturar R$ 1,2 bilhão. Portanto, superamos desafios e criamos musculatura. Crédito não é mais problema, mas a desoneração da folha de pagamento, a alta carga tributária e a falta de democratização das oportunidades são as mesmas. Aqueles que iniciam seu desafio empresarial, trabalhando, produzindo e gerando empregos, não merecem passar por todos estes obstáculos.

 *Juan Quirós é presidente do Grupo Advento e vice da FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e da ABDIB (Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base).
 

Mais Sobre Opinião

Chovendo no molhado

Chovendo no molhado

No senado, a oposição está se assanhando para criar mais uma CPI. Dessa vez, o alvo é o Ministério da Educação, na gestão de Milton Ribeiro. Não faz

Uma rocha no meio do caminho

Uma rocha no meio do caminho

HÁ UMA ROCHA NO MEIO DO CAMINHO DE ROCHA. Essa rocha, diga-se, tem permanecido no meio do caminho de todos os governos, aqui e alhures, desde sempre

Herminio volta ao PT e prepara retorno à ALE-RO

Herminio volta ao PT e prepara retorno à ALE-RO

Cinco dias atrás, conversei, por telefone, com José Hermínio Coelho. O diálogo demorou uns sete minutos, tempo suficiente para ele dizer que está pr

Escândalo de antissemitismo na documenta (D15) + No meu campo

Escândalo de antissemitismo na documenta (D15) + No meu campo

ESCÂNDALO DE ANTISSEMITISMO NA DOCUMENTA (D15)Também a Arte tem Limites e não chega apagar as IndignaçõesA exposição mundial (D15) encontra-se sob o