Porto Velho (RO) domingo, 25 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Opinião: O 'sistema' não quer que você fique rico(a)!


 

Está passando nos cinemas a continuação de um dos filmes de maior sucesso da história do cinema nacional, “Tropa de Elite”. “Tropa de Elite 2” conta a saga do Capitão Nascimento contra o “sistema”, que é em suma o crime organizado na cidade do Rio de Janeiro. O mais interessante desse segundo filme é que Nascimento vai descobrindo aos poucos a verdadeira extensão do “sistema”. Pessoas em que ele confiava dentro da própria Secretaria de Segurança Pública se revelaram parte do crime organizado, e assim a trama vai evoluindo. A idéia após assistir ao excelente filme, diga-se de passagem, é fazer um paralelo do “sistema” as nossas finanças e como elas podem afetar o nosso desenvolvimento pessoal e financeiro. Vamos imaginar o “sistema” como ele fosse o nosso universo com relação ao dinheiro. Se fosse o Capitão Nascimento dizendo, ele diria que “O sistema, parceiro, não quer que você fique rico”!

Vamos começar falando do “sistema” pelo crediário que existe no Brasil. Temos uma verdadeira enxurrada de crédito, lojas oferecendo parcelamentos cada vez maiores para seus produtos, oferecendo cartões de crédito como se fossem bancos, marketing pesado , tudo para que você gaste e pague suas parcelas dentro da própria loja. Consumidores com o sentimento de estabilidade no emprego, comprando bens com prazos cada vez maiores, sem ao menos fazer contas de quanto esses produtos vão pesar no orçamento e quanto estão pagando de juros. O “sistema” no Brasil tem a maior taxa de juros do planeta, e poucas pessoas se lembram disso na hora de abrir um crediário... Além de pagar mais caro, estão ajudando a inflacionar os preços de produtos de maior valor, como automóveis e imóveis. O que vale aqui é a sensação do produto novo, não o sonho de uma aposentadoria tranquila.

O “sistema” também conta com a falta de disciplina com o dinheiro não só do brasileiro, mas dos consumidores ao redor do mundo (lembrando da crise de crédito que ocorreu nos EUA em 2008). As pessoas acham chato falar sobre dinheiro, acham que economia é assunto para poucos ou para quem tem muito dinheiro. Quem fala que dinheiro é chato, está dizendo a si mesmo que não gosta de dinheiro. O “sistema” sabe que as pessoas são desorganizadas com suas finanças, não fazem um bom planejamento de gastos futuros. Isso ocorre não só individualmente, mas dentro da própria família. Cada vez mais as pessoas dentro da mesma casa estão mais individualistas, pensam em si mesmas e no que elas vão comprar de última moda em roupas, aparelhos eletrônicos, acessórios e outros artigos do gênero.

Mas felizmente, ao contrário do filme, é mais fácil combater esse “sistema” do que parece, pois depende única e exclusivamente de cada um de nós. Adquirir bons hábitos financeiros, fazer um bom planejamento, investir em boas empresas (ou até mesmo abrir uma, sabendo o que está fazendo), saber evitar investimentos duvidosos ou que prometem retornos milagrosos, poderá fazer o “sistema” trabalhar a nosso favor, e não contra. Ao contrário do “Tropa de Elite”, não precisamos esperar o BOPE agir para resolver a situação. Nós mesmos podemos ter a nossa “Unidade Pacificadora Financeira” dentro de casa, trabalhando pelo nosso futuro e pelo futuro de nossos filhos.

Antonio De Julio é trader independente de ações e derivativos.Atualmente, além de investidor profissional, é consultor especializado em finanças pessoais, palestrante e coach. Investe seu tempo nas áreas de finanças pessoais, desenvolvimento pessoal, educação e empreendedorismo. É conselheiro da Associação Comercial de São Paulo (distrital Butantã) e um dos autores do livro Por Dentro da Bolsa de Valores. Colabora mensalmente como colunista fixo da revista Em Condomínios apresentando dicas sobre o uso consciente do dinheiro. (www.moneyfit.com.br).

Fonte: Karina Spedanieri
imprensa@moneyfit.com.br

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.