Porto Velho (RO) sábado, 24 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

OPINIÃO: No país dos vãos senhores



É de se lamentar o processo político no Brasil. O primeiro mandato é exercido para solucionar problemas e apresentar soluções, mas sim para arquitetar a vitória nas próximas eleições. No poder, os conchavos são ampliados, consolidados, sempre visando as obras que poderão gerar um bom caixa dois. No plenário, ouvindo o irresistível canto da sereia das verbas institucionais, o que era oposição passa a ser alugado, com silenciosos mensalões, cuecões e mensalinhos. Tudo, uma canalha só, nunca pensando em um fim, mas, sempre, em um meio.

Na esfera municipal, estadual ou federal, é sempre assim, como uma realidade que se repete nos grandes centros e nos mais distantes grotões. Em Brasília ou Rondônia, a vergonha é nacional. Não é a política que liberta, mas sim, que aprisiona. Tudo isso, levemente encenado pelo Bolsa Família, quando se vê a ineficiência do poder público em prover o bem social e o bem estar do povo, cumprindo dignamente o seu papel, como determina a Constituição.

Agora estão todos dizendo que vão manter o Bolsa Família, como se não fizesse parte dos planos do próximo governo acabar com a fome no interior do Brasil, a falta de emprego, de educação, de vida digna para a população brasileira. Não é a política que liberta que está em questão, mas aquela que aprisiona, que faz do mais simples brasileiro dependente de uma forma equivocada de governo.

Em pauta, a já ultrajada e ultrapassada estratégia do pão e circo, tão velha quanto nova para aqueles que vivem como a alguns séculos atrás. E alguns poucos se vangloriam de sua limitação administrativa, de sua ineficiência social. Manter a pobreza é manter o voto, viciado e vicioso, assegurando os repetitivos mandatos, em um sucessivo e criminoso processo eleitoral. Jogo de cartas clonadas, coisa de submundo, de subpolítica, de país periférico.

Para erradicar a fome e a seca no nordeste se ouve nada. Nenhum projeto, nenhuma política pública. Para acabar com o analfabetismo, nada. O desemprego, também. Mas a certeza de que o nordestino que vive na seca está domesticado por uma cesta básica mensal está garantida, é prioridade. Que inversão de valores. Não é a política voltada para o bem do cidadão que interessa, mas a manutenção do governo desse ou daquele grupo que importa.

O pior é que essa constatação não entrará em campo na próxima eleição. Está tudo tão reduzido, tão limitado, tão empobrecido, tão rasteiro que o debate será em relação a este grupo de governo ou aquele. Os feitos de um, versos os feitos de outro. Que inércia. Que falta de perspectivas. Que pobreza ideológica. Escolheremos assim, o menos pior. Que retrocesso...

Gigantesco pela própria natureza, o Brasil padece na pobreza medíocre de seus homens. Esses que são fascinados pelo poder, pelo palanque, acreditando serem deuses. Assim vão eles, falsos profetas servindo sempre a dois senhores. 

Petrônio Souza Gonçalves é escritor e jornalista - www.petroniosouzagoncalves.blogspot.com

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.