Porto Velho (RO) domingo, 18 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

OPINIÃO: ACIMA DO PARALELO 38



A razão soterra o "senso comum" no entendimento dos fenômenos das relações internacionais.

Nunca é demais lembrar que o mundo nos é contado segundo as lentes de grupos e países dominantes. Se a mentira for sobre o vizinho, logo descobrimos a impertinência. Se for sobre um fato longínquo, uma versão mais precisa foge de nossa alçada.

Assim se cultiva o "senso comum" de que Mahmoud Ahmadinejad é um estadista perigoso, ou Saddam Hussein mereceu cada centímetro da corda que o enforcou por uma justiça ilegítima, ou a Coreia do Norte hospeda um regime insatisfatório que não condiz com a onda democrática.

O impasse reside em ceder à verticalização do mundo imposta pelo modelo euano ou escutar a razão que brada dentro de cada cidadão na capacidade estimada de raciocinar e entender que há muitas outras nações que merecem respeito apesar do dissentimento de EUA.

Em 27 de julho de 1953, assinou-se um armistício que pôs fim à Guerra da Coreia. Deflagrou-se, entre 1950 e 53, um conflito típico de "guerra fria", em que se tentou arregimentar cada metade do território coreano para um dos dois sistemas: capitalista ou socialista.

Estados Unidos e União Soviética tomaram respectivamente os territórios ao sul e ao norte do paralelo 38. Desde então, uma linha divisória imaginária separa o que antes mantinha unidos amigos e familiares.

A Coreia do Norte alcançou, desde a década de 1970, a erradicação do analfabetismo e a garantia de acesso à saúde a todos pelo Estado. Estas conquistas norte-coreanas nos fazem questionar o que entendemos por "pobreza", uma vez que as críticas principais ao regime de Kim Jong Il referem-se ao empobrecimento da população pelo regime dito "comunista" e ao desenvolvimento de um programa nuclear.

Efetivamente se deseja um regime político mais participativo e transparente por observadores forâneos, ainda que haja alguns índices sociais satisfatórios no governo de Kim Jong Il. O receio, porém, justifica-se pela classificação da Coreia do Norte no "Eixo do Mal", juntamente com Iraque e Irã, pelos porta-vozes da agressiva e desrespeitosa política exterior euana.

A fim de esquentar o caldeirão, circula na rede a notícia de que um torpedo da Coreia do Norte afundou um navio de guerra sul-coreano e causou a morte de 46 pessoas em 26 de março de 2010.

Desde então, Coreia do Sul rompeu relações comerciais com seu vizinho do Norte e aumentou o número de militares na fronteira, que já era militarizada. As maiores provocações ocorrem no mar Amarelo, a oeste da península, onde ambas Coreias testam seu armamento e se posicionam em clima de conflito.

Pyongyang rompeu relações diplomáticas com Seul e - o ponto mais delicado - desfez o pacto de não agressão que emergiu no armistício de 1953.

Não tardou para que a tática isolacionista das sanções fosse proposta por EUA e seus apaniguados. A China, ainda que membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, resiste a apoiar sanções contra Coreia do Norte devido a afinidades históricas.

Coreia do Sul, China e Japão aliaram-se nas negociações com Coreia do Norte. O discurso gira em derredor da manutenção da paz e da estabilidade na região.

A informação histórica é de que tanto China como Japão foram países que dominaram a Coreia por longos anos. O Japão o fez a partir do momento em que se modernizou e adotou um padrão de desenvolvimento ocidental que, ainda hoje, demanda a subordinação comercial de territórios além da fronteira nacional.

É o que explica por que é necessária uma frota cada vez maior de caminhões carregados de minério de ferro da América Latina para comprar os componentes eletrônicos japoneses, com elevado valor agregado.

O conflito entre as Coreias promete ainda algum tempo de amargura. Em qualquer dos lados, apodrece as garras do ser humano enquanto predador da virtude de solidariedade.

A recompensa da batalha final entre as Coreias é de que as populações cindidas se juntem para formar uma nação grande e coerente. Sem ingerência externa.

Nenhuma história de mazelas é tão eficaz como para deixar um presente imaculado.

Fonte: Bruno Peron
http://www.brunoperon.com.br

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual