Porto Velho (RO) quarta-feira, 21 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Opinião

O povo elege. O povo deselege


Está na hora de acabar com as oligarquias em nosso país. Nem PT, nem PSDB, nem PV, nem PMDB. Nem Lula, nem Collor. O Brasil precisa mudar: agora o povo é quem vai mandar. O Brasil do povo e não o Brasil dos mandatários.

Vamos criar o dia da deseleição. Será o dia no qual o povo vai deseleger aquele político eleito pelo mesmo povo que for inapto para a política, corrupto, inocente, frouxo ou incompetente.

Não importa se o político completou um dia, ou um ano de mandato. Se não serve, o povo deselege. Rapidamente e sem burocracia, vamos botar na rua quem não fizer o que o povo quer. 

Não como o impeachment. E sim como um grande júri popular composto de milhares de eleitores, que poderão a qualquer momento deseleger, diretamente, aqueles que elegeu, também com o voto direto.

O voto para eleger será o mesmo para deseleger.

No dia da deseleição votaremos contra, da mesma forma que no dia da eleição votamos a favor.

A deseleição será nosso voto contra os bandidos travestidos de políticos. Eles não terão mais garantia de quatro ou oito anos de mandato. O mandato terá a duração de dias. Poderá ser de um dia, de 30 dias, de 200 dias. Poderá. O eleitor decidirá isso, quando quiser.

O Brasil será outro. O Brasil, finalmente, será nosso, será democrático. E, não precisa mais de CPI pra cassar político. Nós mesmos faremos isso, com nossas próprias mãos: mandaremos de volta para casa, ou para a cadeia, aqueles que não fizerem o que prometeram, aqueles que fizerem o mal ao invés do bem.

                                                         pena@pnapublicidade.com.br

Mais Sobre Opinião

O general da banda chegou 68 anos depois - Por Alex Solnik

O general da banda chegou 68 anos depois - Por Alex Solnik

Quatro anos depois do fim do Estado Novo, a marchinha mais cantada no carnaval de 1950 foi uma composição de apenas duas estrofes assinada por três au

SÉRGIO MORO, O NOVO ALVO, A NOVA ESPERANÇA  - Por  Ana Clara Machado

SÉRGIO MORO, O NOVO ALVO, A NOVA ESPERANÇA - Por Ana Clara Machado

Ana Clara Machado*Até há poucos dias, as pessoas de bem deste país, que querem dias melhores para todos, estavam muito preocupadas com um possível ata

Boff perdoa Ciro e ensina que é possível falar com o coração e não com o fígado

Boff perdoa Ciro e ensina que é possível falar com o coração e não com o fígado

"A diferença entre Boff e Ciro é que o primeiro vive em novembro de 2018, a dois meses do Coiso tomar posse. Ciro vive em 2022", diz o jornalista Rica

O COISA-RUIM - Por Carlos Santiago Dantas

O COISA-RUIM - Por Carlos Santiago Dantas

 O COISA-RUIMCarlos Santiago DantasO velho PT continua o mesmo. Mas coisa ruim é assim mesmo. Mudar para melhor não faz parte do seu DNA. Ao em vez de