Domingo, 23 de junho de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Opinião

O brigadeiro envenenado e a dualidade do empoderamento feminino


Rubens Nascimento - Gente de Opinião
Rubens Nascimento

Recentemente, um caso trágico envolvendo a morte do empresário Luiz Marcelo Ormond, supostamente envenenado pela esposa Júlia Andrade Carthemol, com um brigadeiro contaminado, reacendeu debates sobre a resposta das feministas à violência de gênero.  Não me surpreendeu o silencio do movimento. Não me surpreendeu o silencio dos ditos pelos Direitos Humanos, tão combativo aos seus próprios iterasses. Enquanto feminicídios geram grande alarde e campanhas intensas por justiça, casos onde mulheres são as perpetradoras frequentemente não recebem a mesma atenção. Isso levanta uma questão crítica: o empoderamento feminino tem contribuído para um entendimento justo e equilibrado sobre a violência de gênero?

O Movimento das Mulheres é, sem dúvida, uma conquista importante, promovendo igualdade, autonomia e direitos. No entanto, é crucial que a busca pela igualdade também se aplique na condenação de atos violentos, independentemente do gênero do agressor. Quando feministas se silenciam diante de crimes cometidos por mulheres, mas fazem um grande alarde em casos de feminicídio, cria-se uma percepção de parcialidade e hipocrisia. Isso não apenas compromete a credibilidade do movimento, mas também ignora a necessidade de justiça para todas as vítimas, independentemente do sexo.

Ademais, o movimento feminista, em algumas de suas vertentes mais radicais, pode estar contribuindo para a deterioração dos relacionamentos entre homens e mulheres. A desconfiança mútua, alimentada por narrativas extremas, pode levar ao isolamento e à dificuldade de estabelecer relações saudáveis e equilibradas. Em vez de promover uma sociedade inclusiva e harmônica, o movimento corre o risco de polarizar ainda mais os gêneros.

A igualdade de gênero não deve significar a isenção de responsabilidade para qualquer indivíduo. Esse chamado empoderamento deve andar de mãos dadas com a justiça e a equidade, garantindo que todos os casos de violência, seja contra homens ou mulheres, recebam a devida atenção e condenação.

A sociedade carece de movimentos que promovam a igualdade de forma justa e imparcial. A verdadeira vitória do feminismo será quando não houver necessidade de diferenciar a gravidade de um crime pelo gênero do perpetrador, mas sim pelo ato em si. Somente assim conseguiremos uma sociedade verdadeiramente igualitária, onde todos, independentemente do sexo, possam viver em segurança e respeito mútuo.

Quando ocorre um crime como esse do envenenamento, é importante não confundir empoderamento com impunidade. Movimentos feministas têm como pilar a busca por justiça e equidade, não a defesa de atos criminosos cometidos por mulheres.

A violência doméstica, principalmente no Brasil tem sido um problema grave e complexo, que afeta indivíduos de todos os gêneros e de todas as classes sociais e não só os da periferia, como ocorria outrora. A Lei Maria da Penha foi um grande avanço, a princípio, mas em alguns casos, ao invés de amenizar o problema piorou. Antes o homem surrava a mulher, hoje ele mata porque, por incrível que pareça, tem mais chances de se livrar de uma condenação por homicídio do que por agressão. Coisas de leis brasileiras que parecem andar na contramão. A luta contra essa violência é uma das frentes do empoderamento feminino, que visa romper o ciclo de abuso e oferecer suporte às vítimas. No entanto, é fundamental reconhecer que a violência pode ser perpetrada por qualquer pessoa, independentemente do gênero, e que a justiça deve ser aplicada de maneira imparcial. E a lei Maria da Penha, para que não sabe, não é para beneficiar mulheres, mas sim a estrutura familiar. Porém, da forma como vem sendo interpretada, já a partir da delegacia e depois no próprio judiciário por magistrados despreparados, acabam por criar uma indústria de crimes, entre eles o feminicídio, mais uma invenção tupiniquim para tipificar o crime de homicídio, como se essa palavra remetesse aos crimes praticados contra homens e o feminicídio contra mulheres. Vai entender.

Lembram-se do caso Marcos Kitano Matsunaga, dono da indústria de alimentos Yoki, que foi morto e esquartejado pela esposa, Elize Matsunaga, em 2012. Ela foi presa no mesmo ano,  O crime aconteceu no apartamento do casal, na Vila Leopoldina, em São Paulo. A assassina foi condenada a 19 anos, 11 meses e dia de prisão em regime fechado por homicídio qualificado e ocultação de cadáver (em 2019, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) reduziu a pena para 16 anos e três meses).Eliza está em liberdade condicional e trabalhando como motorista de aplicativo, mas mantém o sobrenome do marido que matou. Você pagaria o carro dela?

O empoderamento feminino contemporâneo é um tema complexo e multifacetado que tem sido explorado por filósofos e psicólogos, muitas vezes focando na busca das mulheres por independência e autonomia. A Gestalt-terapia, de Fritz Perls, 1940, por exemplo, aborda o empoderamento feminino dentro da relação terapêutica, reconhecendo as necessidades individuais das mulheres e ajudando-as a construir formas de atendê-las, o que pode levar a movimentos singulares de empoderamento que reverberam coletivamente.

No entanto, há também reflexões sobre as consequências dessa busca por independência, como a possibilidade de algumas mulheres acabarem sozinhas, sem família ou filhos, em busca de um caminho incerto. Essas reflexões são importantes para entender as complexidades do empoderamento feminino e as escolhas individuais das mulheres na contemporaneidade. O debate filosófico e psicológico sobre o tema continua a evoluir, buscando equilibrar a autonomia individual com as conexões humanas e a busca por significado e pertencimento.

A omissão ou o silêncio de alguns grupos frente a determinados casos não deve ser vista como uma falha do movimento como um todo, mas sim como uma oportunidade para reflexão e diálogo sobre como abordar essas situações de maneira coerente com os princípios de igualdade e justiça. Mulheres que lutam pelo empoderamento precisam cuidar para que o movimento não deva ser interpretado como uma força que afasta casais ou isola mulheres, mas como um meio de promover relações mais saudáveis e equitativas.

É crucial que a sociedade como um todo, incluindo movimentos feministas, mídia e instituições de justiça, aborde casos de violência doméstica com a seriedade e a atenção que merecem, independentemente do gênero do agressor ou da vítima. A responsabilização dos autores de crimes e o apoio às vítimas devem ser priorizados para construir uma sociedade mais justa e segura para todos.

Rubens Nascimento é Jornalista, Bel em Direito, Ativista do Desenvolvimento e Mestre Maçom- GOB.

Gente de OpiniãoDomingo, 23 de junho de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Informação pública provadamente tendenciosa

Informação pública provadamente tendenciosa

Um estudo recente da Universidade de Mainz chega à conclusão que os formatos de informação de serviço público (financiados pelo povo) “se posici

Marcelo Cruz vai nadar e morrer na praia

Marcelo Cruz vai nadar e morrer na praia

Perdoem-me os amigos, correligionários e simpatizantes do pré-candidato à prefeitura de Porto Velho, deputado estadual Marcelo Cruz, mas não consigo

Percurso pedestre circular mais longo do mundo em Portugal

Percurso pedestre circular mais longo do mundo em Portugal

Património natural e cultural nos Trilhos do Turismo numa Extensão de 3.000 KmPortugueses e turistas estrangeiros têm a oportunidade de fazerem um p

Gente de Opinião Domingo, 23 de junho de 2024 | Porto Velho (RO)