Porto Velho (RO) segunda-feira, 21 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Nem direita nem esquerda


Nem direita nem esquerda - Gente de Opinião

O Brasil da atualidade está dividido politicamente. De um lado, a esquerda e os esquerdistas defendendo o “Lula Livre” e ainda se lamentando do golpe sofrido por Dilma Rousseff em 2016. Do outro, os coxinhas, reacionários e direitistas que se juntaram à extrema-direita para tecer loas ao “Mito” e ao atual governo de plantão. No centro e tomando nele, fica o povão, que não sabe o que é direita ou esquerda e que sofre as agruras ditadas pelos “donos” do poder. Ambos os defensores deste ou daquele sistema social e político estão errados se levarmos em conta a triste realidade do Brasil em seus quase 520 anos de História. Nosso país foi governado 506 anos pela direita e “somente” 13 anos pela esquerda. Em 2019, inicia-se um governo da extrema-direita e como sempre prometendo “mundos e fundos” para os brasileiros mais carentes e pobres.

Todos eles, tanto direitistas quanto esquerdistas só pensam neles próprios. O Brasil de hoje tem uma das maiores desigualdades sociais o mundo e segundo cálculos otimistas, conta com uma população de quase 20 milhões de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza e na miséria total. Isso num país que é o segundo maior produtor de alimentos, tem as maiores extensões de terras agricultáveis do planeta e é um dos maiores produtores de commodities que se conhece. O Brasil alimenta o mundo inteiro com a sua enorme produção agrícola, mas é incapaz de matar a fome de seus famintos e miseráveis. É como disse o jornalista Diogo Mainardi: “o Brasil não tem partido de esquerda, de direita, de nada. Tem um bando de salafrários que se reúnem para roubar juntos”. Já pensou se o PT e seus asseclas tivessem nos governado durante 506 anos?

O brasileiro, de um modo geral, não tem ideologia nenhuma. A maior luta ideológica por aqui sempre foi roubar o Erário e ficar rico à custa do povo sofrido. Poucos governantes pensam no benefício da nação como um todo. Governar no Brasil tem sido sinônimo de enriquecimento ilícito e de divisão unilateral dos recursos do país. Partidos políticos e outras agremiações são fundadas para se apoderar, em tese, de uma riqueza que poderia nos proporcionar uma nação bem menos injusta sem pobres ou miseráveis. Como pode este país figurar entre as dez maiores potências econômicas da atualidade e ter um IDH não compatível com toda esta riqueza? Nossa educação, nosso sistema de saúde e toda a nossa infraestrutura poderia ser melhorada com este alto PIB. Em meio a tanta riqueza, uma população inteira de pobres e excluídos anda desolada.

Nem Lula, nem Dilma, nem Haddad, nem o PT resolveram nem vão resolver os problemas dos brasileiros. Assim como o Bolsonaro, seus filhos, o Sérgio Moro, o Mourão e o PSL também não vão resolver coisa alguma. Mesmo que pudessem, eles não quereriam. Ciro Gomes, João Amoedo e tantos outros, idem. Todos estão ricos, poderosos, famosos e assim vão continuar. Todos os políticos, com raríssimas exceções, estão preocupados é com as suas fortunas, lícitas ou ilícitas. E o pobre que “continue pastando” se quiser colocar comida em sua mesa, se quiser criar seus filhos. Para muitos destes políticos, infelizmente, o Brasil e os brasileiros são apenas um mero detalhe na paisagem. Discutir questões morais e religiosas num país de famintos e semianalfabetos é uma ironia infame. Quem quer saber de censura, de tortura, de direita, de esquerda, de STF, de Previdência ou outra coisa se o alimento não lhe chega à mesa?


*É Professor em Porto Velho

Nem direita nem esquerda - Gente de Opinião
Nem direita nem esquerda - Gente de Opinião

Mais Sobre Opinião

Resultados das Eleições Legislativas 2019 na diáspora portuguesa e apuramento nacional final

Resultados das Eleições Legislativas 2019 na diáspora portuguesa e apuramento nacional final

Finalmente (17.10.2019) foram apurados resultados dos votos das eleições legislativas na emigração.O círculo eleitoral da Europa, com direito a dois

Brexit: finalmente surgiu luz no fim do escuro túnel

Brexit: finalmente surgiu luz no fim do escuro túnel

Com o novo acordo do “Brexit” de Johnson, entre Londres e Bruxelas, é criado um bom precedente que possibilita uma participação comum do RU e da EU no

A polónia votou reconfortando os conservadores europeus

A polónia votou reconfortando os conservadores europeus

Entre as fúrias da direita e da esquerda pendula a democracia. Neste momento, o domínio semântico da Esquerda na Europa vai-se enfraquecendo, apesar d

A fé pública dos diplomas de médicos

A fé pública dos diplomas de médicos

O caso é tão grave que me limito a reproduzir a nota da Associação Médica Brasileira Brasileira, para conhecimento, reflexão e manifestação. É mais