Porto Velho (RO) domingo, 25 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Nem Dilma, nem Aécio, nem Marina


Nem Dilma, nem Aécio, nem Marina - Gente de Opinião

Professor Nazareno*
 

As eleições presidenciais no Brasil assumem um ritmo frenético nesta reta final de campanha antes do primeiro turno. Dos muitos candidatos à Presidência da República, por exemplo, apenas três deles têm capitalizado as atenções do eleitorado, da mídia e principalmente dos “ocultos” e muitas vezes desconhecidos financiadores de suas empreitadas políticas. Como nos países mais desenvolvidos e civilizados do mundo é o eleitorado que, em tese, deveria decidir qual dos três assumirá pelos próximos quatro anos os destinos da nação. Nos Estados, para a eleição dos Governadores, também é a mesmíssima coisa. E também não é diferente para a escolha dos Deputados Estaduais, Deputados Federais e parte dos Senadores. Enganados, mais de 150 milhões de eleitores acreditam que terão a palavra final para a vitória de seus candidatos.

Quem elege os futuros governantes no Brasil não somos nós os eleitores como se pensa. Nunca foi. Desde que a política é praticada neste país, os únicos vencedores dos pleitos são aqueles que financiam as campanhas. Como num jogo de azar, esses financiadores, indiferentes às necessidades e aspirações da população, fazem suas apostas e direcionam suas fichas bem antes do jogo começar. Ricos, poderosos e com muito dinheiro sobrando geralmente veem a política como mais uma forma, algumas vezes ilegal, de multiplicar suas fortunas. E como em nosso país a lei só é para os fracos e pobres cidadãos, praticamente qualquer indivíduo, com raríssimas exceções, pode se candidatar a qualquer cargo eletivo. A tão propalada Lei da Ficha Limpa na maioria dos casos nem é levada em conta. Por aqui “manda quem pode e obedece quem tem juízo”.

Se alguém, alguma empresa ou instituição financia a campanha de um candidato e contribui com qualquer quantia, não faz isso baseado na amizade e tampouco na ideologia. Dependendo do ramo de negócios desse financiador, certamente será ele que “ganhará” muitas das licitações de que participará no futuro Governo. No Brasil, “ninguém dá murro em ponta de faca”, muito menos quem é empresário. E os otários eleitores muitas vezes ficam se digladiando no meio das ruas, brigando por este ou aquele candidato. A mídia, travestida nestas horas de paladino da moralidade e da imparcialidade, também faz suas apostas e, a exemplo da Rede Globo em 1989 com Lula e Collor, determina quem vai ganhar ou perder as eleições. Neste amaldiçoado jogo só há um perdedor: o infeliz cidadão que paga impostos para sustentar tudo isto.

Quanto ganha por mês um Deputado Estadual? Quanto ganha um Governador de Estado? E quanto gasta cada um deles em suas respectivas campanhas eleitorais? Fazendo a conta, percebemos que não existe lógica nenhuma nesta matemática: ou estes candidatos são trouxas demais ou há “algo” lhes esperando lá no “fim do túnel”. Ou antes. Todos os candidatos têm obviamente virtudes e defeitos. Só depende das táticas do jogo para saber quais adjetivos serão mais enaltecidos e aprendidos pelos babacas que votarão neles. Passada a euforia das campanhas, todos “lá em cima” se aliam e se apoiam dependendo mais uma vez do jogo de interesses. E o nosso país, o Estado e a população, principalmente aquela mais carente, sofrem à espera de soluções para os seus eternos problemas. Dilma, Aécio ou Marina governará mesmo para o povo? Eis por que um país tão rico ainda é comparado a um membro da África Subsaariana.  

*É Professor em Porto Velho.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.