Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Kotscho: bancos entram na roda da Lava Jato


Gente de Opinião

247 - O jornalista Ricardo Kotscho destaca nesta terça-feira 28 em seu blog os saques feitos pelo senador Renan Calheiros (PMDB-AL), descobertos pela Lava Jato, e coloca a importância da colaboração dos bancos no esquema, uma vez que grandes montanhas de dinheiro passavam pelas instituições.

"De onde vinha e por onde passava esse dinheiro antes de chegar aos corruptos? Por mais poderosa e onipresente que fosse a Odebrecht, não consta que a empresa fabricasse cédulas de reais. Estas montanhas de dinheiro passavam, necessariamente, por algum banco, na entrada ou na saída", observa Kotscho.

Renan sacou R$ 100 mil e R$ 200 mil em 2012 e 2014 e os saques foram descobertos por meio de uma medida que envolve a colaboração dos bancos em transações maiores de R$ 2 mil para pessoas físicas e R$ 6 mil para empresas. "Por que só ficamos sabendo disso agora? Quantos outros casos iguais não aconteceram durante este período, envolvendo outros políticos e empresas, sem que aparecessem os nomes dos bancos na história?", questiona o jornalista.

"Os saques de Renan são um grão de areia nesta praia sem fim de propinas, mas serviram para chamar a atenção para o papel do sistema financeiro nestas operações", diz ele. Leia aqui a íntegra.

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual