Porto Velho (RO) quinta-feira, 22 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Delírios em uma cidade perfeita


 Delírios em uma cidade perfeita - Gente de Opinião

Professor Nazareno*

São exatamente sete horas da manhã. Levanto-me, rapidamente me arrumo, desperto minha esposa e acordo o meu filho pequeno para momentos depois levá-lo até a parada do ônibus escolar que passa todos os dias pontualmente às 7 horas e 16 minutos. Não faz muito frio e o dia amanheceu quase meia hora antes. Pelo caminho, cumprimento algumas pessoas conhecidas e enquanto o pontual transporte escolar não chega aproveito para colocar as conversas em dia. Falamos sobre várias coisas, mas principalmente comentamos sobre a alegria e a felicidade que temos por morar num país tão maravilhoso como este, viver em um Estado extremamente comprometido com as futuras gerações e habitarmos uma cidade feita sob medida para nós, trabalhadores e pagadores de impostos. Aqui não é o melhor lugar do mundo, mas quase tudo funciona.

Meu filho passa o dia inteiro estudando em uma escola do município, que é de tempo integral, assim como todas as outras escolas públicas desse país. Lá, ele tem três refeições diárias, transporte, hora de descanso em alojamentos extremamente asseados, atendimento médico e odontológico, além, é claro, de aulas teóricas e práticas. Isso sem falar nas atividades semanais de futebol, natação e atletismo. O meu local de trabalho não fica muito longe da minha residência e por isso vou de transporte coletivo mesmo. A cada 10 ou 20 minutos, dependendo do dia, o ônibus chega pontualmente à parada próxima a minha casa. Limpo, cheiroso e perfumado o “meu coletivo” passa diariamente em frente à Câmara Municipal e também pela Assembleia Legislativa. Em sinal de respeito, os passageiros se levantam para homenagear os probos homens públicos dali.

Aqui existe uma verdadeira adoração pelas autoridades constituídas e há uma confiança generalizada no Poder Público. A corrupção é muito próxima de zero assim como o índice de analfabetismo. A lei é quase sempre aplicada para todos e a Justiça do país sempre funcionou sem levar em consideração a conta bancária de ninguém. A violência é quase inexistente, não temos inflação, o desemprego é baixo e os problemas sociais são mínimos. As ruas de todas as grandes e pequenas cidades do país são limpas e higiênicas, em muitas delas há projetos urbanísticos reconhecidos mundialmente além de uma excelente mobilidade urbana em todas elas, o lixo é todo reciclado, as estradas estão em perfeito estado de conservação e cada cidadão nascido aqui tem direito à assistência médica de qualidade e, apesar de tudo, ainda a uma boa aposentadoria.

Apesar de ter um IDH relativamente alto, nesse país ainda há muitos problemas para serem resolvidos. Mas a consciência coletiva que sempre imperou nesta sociedade certamente resolverá todos os obstáculos. O individualismo arrogante e o “jeitinho abjeto” são definitivamente lembranças de um passado distante. Este ano teremos eleições e mesmo o voto não sendo obrigatório acredita-se que haverá um alto número de eleitores escolhendo civicamente os seus representantes. Uma tarefa muito difícil a de colocar a pessoa certa e no lugar certo para exercer a função adequada no meio de tantos candidatos bons, qualificados e comprometidos com o bem-estar da população. Eleições limpas, tranquilas e sem perigo de se eleger pessoas erradas, desonestas ou que devam alguma coisa à Justiça. Assim é o meu país, meu Estado e minha cidade. E não é sonho nem delírios. Estou morando há quatro meses em Munique, Baviera-Alemanha.


*É Professor em Porto Velho.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.