Porto Velho (RO) quarta-feira, 21 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

CONFÚCIO MOURA: FOI ASSIM E SEMPRE SERÁ


 
Confúcio Moura


Não é verdade que foi assim e sempre será. Porque as verdades mudam. As mentiras também mudam. No decorrer do tempo verdade e mentira misturam-se como as cores do arco-íris. As sete cores quando misturadas transformam-se no branco. Então é assim em todas as coisas – não há verdade absoluta. E que tudo é bem relativo. 

Damião Prandini não era médico. Nem sei o que foi na sua juventude. Aqui, em Ariquemes, quando não havia médico, ele e o José cuidavam de todos os deserdados da região. Mais outros, tanto quanto importantes que se dedicavam aos mil e poucos moradores, dobro deles encafifados nos garimpos clandestinos, na matança de gatos pintados, onças e equivalentes para venderem as peles. Belmira cuidava das hepatites e das mulheres com suas doenças íntimas. Era parteira de fama. 

Damião, na escala hierárquica (dos sem-regras) era o príncipe dos “médicos curadores”, talvez tenha passado por alguma farmácia de interior ou por hospitais distantes, onde pode pegar alguma prática e perda do medo de sangue. Foram eles e os outros, que pelo sim e pelo não, cuidavam destes povos do interior do Brasil – o Brasil superprofundo. Naquela ocasião, antes de 1 975, era de fato, um interior superprofundo. 

O José, até hoje peregrina pelo mesmo lugar. Andar inalterado e sempre de branco, corpo inteiro, talvez, por promessa, continua de branco, creio que tenha hoje 80 anos. Este bem discreto, palavras dele saem no anzol ou a lanço. O ritmo do passo denuncia a falta de pressa. Para ele não há urgência. Dedicou-se aos matutos com suas endemias crônicas. Baços gigantes, olhos amarelados, indolentes nos movimentos – eram os portadores da malária de repetição. Ele não se vexava dos soros amarelos e negros, sempre coloridos nos seus extremos, as cores dos soros, reforçados em coquetéis de vitaminas, gotejavam para sempre. E depois andavam para frente e para trás para completarem sempre o circuito da vida e da morte. 

Damião devia ter cinqüenta anos (talvez), bonito, tudo miserável por ali, só ele era nobre. Cabelos brancos, lisos, vestido num prontuário médico, um carro de luxo à porta, terra de chão poeirento ou lamaçal extremo. O doge dart, modelo de 1969, vermelho, lindo e maravilhoso patinava nos seus extremos. Além do mais, Damião era branco, bonito, cortês, elegantíssimo, verdadeiro galã de cinema. Bebia uísque. Os outros bebiam pinga. Ninguém sabia a sua origem. Nem se solteiro ou casado. Outra qualidade de príncipe – as poucas mulheres solteiras, ou casadas que eram interessantes, mesmo a distância “adoravam” o Damião. Também pudera. Mesmo sendo um charlatão, que hoje, poderia ser considerado perigoso, eu ali, bem perto, seu vizinho, não o denunciei em nenhum momento. Ele tinha direito adquirido. Eu teria que esperar. E esperei. 

Belmira, separada, mãe de 8 filhos, que sempre foi mãe e pai, tocava a vida na farmácia e nos fundos tinha alguns leitos para internar as pessoas da sua confiança. Bem sabida, cheia de netos, desbocada, tipo “boca-suja”, mas, ainda, dava um bom caldo. Aqui e ali ficava caída por alguns PMS que eram destacados pra cá, como que por punição. Sabe como é que é – ninguém é de ferro. E assim o tempo passou nesta mistura de fisionomias, procedimentos e cores numa Ariquemes vilarejo perdido e desalentado. Onde o único médico (que era eu) perdia feio para os tradicionais tratadores das doenças da região. E me contentava em matar pium nos braços e testa. 

Belmira não tinha nojo de paciente com hepatite. Ela me demonstrou isto. O paciente dela, cor de açafrão, engolia algumas colheradas de sopa e ela terminava a sobra no mesmo prato e colher. Comia e bebia. Beijava se fosse preciso. Nada de luva. Limpava vômito com a mão limpa. E ainda falava: - “tá vendo? Não pego doença nenhuma. Hepatite não pega em ninguém”. 

Eu ali, desmilinguido, sentado à porta do meu barracão de madeira, que se chamou e ainda chama Hospital São Francisco, que parecia mais um São Sebastião, longe de casa e flechado no peito, só com um diplominha sem fé nas mãos, que ninguém valorizava e com clientela quase zero. Os outros sim tinham prestígio do tempo, vida na lida e sabiam conversar a língua do homem da floresta. 

Cá, dentro de mim, pensei – vou-me embora. Consegui emprego no “Governo do Território” e fiquei. Fiquei esperando o povo chegar. O povo diferente de todo lugar. No barracão, quase nada de serviço. Tinha que me mostrar para tirar a cisma do povo. Então, apareceu a mulher do André, a Maria, que a Belmira não conseguiu fazer o parto. Apresentação de ombro. Sem autoclave, sem estufa, mulher nas últimas, estrada de chão para Porto Velho, sem carro, sem ônibus, falei – é a guerra. Vou operar. Botei a ferragem no formol, pano e tudo. E parti para o serviço. Salvei a Maria e a filha Raiana que deve ter hoje 33 anos de idade. Depois deste ato fantasmagórico passei a entender que em todo lugar há sempre a mão de Deus.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.