Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Chega a justiça



O Advento abre as portas do coração humano para deixar nele entrar o coração divino, que traz a justiça ao planeta terra. O ser humano, em sua sede de infinito, só é saciado quando viver a justiça misericordiosa de Deus. A justiça humana é muito falha e incompleta, mesmo quando funciona como esteio de sustentação da convivência com promoção de vida digna.

O nascimento de Jesus entre nós, o Emanuel, ou Deus conosco, traz-nos a certeza de que o ser humano não está sozinho para solucionar seus desafios existenciais. O profeta lembra: “Naqueles dias, naquele tempo, farei brotar de Davi a semente da justiça, que fará valer a lei e a justiça na terra... O Senhor é a nossa justiça” (Jeremias 33, 14). A característica da justiça divina é a da recompensa de quem é justo, com a permeação da misericórdia. A superação do “olho por olho, dente por dente” se dá no Filho de Deus. Ele vem nos ensinar a nova maneira de nos relacionarmos com o semelhante e formarmos verdadeira fraternidade. Os adversários não são inimigos. O diferente não é ameaça, mas valor com sabor não costumeiro para nós. Os sem nada são valorizados e colocados no centro da atenção para serem promovidos em sua dignidade. O dinheiro não compra tudo, nem é o principal agente de solução dos problemas humanos. A riqueza da justiça misericordiosa está na prática da alteridade que leva a pessoa a ser humana e compassiva para com o semelhante. A subjetividade exagerada é cúmplice do descaso para com o outro.

O Natal de Jesus não é simplesmente um dia de festa, mas a celebração do acontecimento da intervenção de Deus na história humana, dando oportunidade à implantação de um novo sistema de convivência. Este está baseado na valorização da vida para ela produzir justiça, solidariedade, misericórdia e paz. Não se pode deixar passar em branco a celebração da vinda do Filho de Deus com a aceitação de sua presença em nossa gruta existencial. Teremos sua iluminação para encetarmos o novo caminho da vida de sentido. Nascemos para amar e dar vida como Jesus. Aceitando seu desafio de também ofertar nossa existência para um convívio que marque nossa caminhada com a brasa do amor divino, consertamos nossa ação no planeta, com a nova mentalidade e a prática da justiça amorosa de Deus.

Neste tempo de expectativa e verdadeira preparação para a celebração do nascimento do Verbo Divino entre nós, somos convidados a meditar melhor na Palavra de Deus, a intensificar a oração e até fazer a novena do Natal em família ou em comunidade, além da conversão de vida com reforços espirituais. Isso nos enriquece como pessoas de valor humano e cristão. Temos, assim, meios para acentuarmos em nós a mentalidade e a prática do amor misericordioso e justo, trazido com o sabor divino de Cristo entre nós.

Abster-nos de excessos de coisas materiais nos envolve numa ascese ou exercitação na prática do bem, da caridade e da ternura. Assim nos relacionamos com o semelhante, através do sentido da vida assumido e ensinado pelo Filho de Deus.

Dom José Alberto Moura
Arcebispo de Montes Claros

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual