Porto Velho (RO) domingo, 25 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Ato de perdoar é terapêutico, dizem psicólogos e religiosos


 
Nenhum outro momento no ano é tão convidativo e propício para pedir e oferecer o perdão como o deste mês

A vida corre apressada o ano todo. E nessa correria falta tempo para uma boa e didática reflexão. É preciso chegar o Natal, com seus encontros festivos, ceia e troca de presentes, a reflexão em torno do nascimento de Jesus, para que surja esse momento. É quando as pessoas costumam parar para olhar em volta, para dar atenção aos que estão ao seu redor, para dar vazão a seus sentimentos mais nobres, entre eles o perdão.

É um momento de afeto que propicia a reconciliação, a reparação de erros mútuos. É uma troca de presentes que vai além do mundo material. É quando acertamos nossos ponteiros para começar um novo ano do zero, sem mágoas do ano que ficou para trás. É hora de renovação, de uma nova chance.

Como diz o pastor Samuel Biassi do Nascimento, da Primeira Igreja Batista de Bauru, se Deus deu uma segunda chance para a humanidade com o envio de seu filho Jesus ao mundo, por que os homens se negam a fazer o mesmo? Segundo o pastor, é uma pena que muitos só se abrem para o perdão nessa época do ano. Na opinião dele, isso deveria acontecer o ano todo.

“Parece que está no inconsciente coletivo das pessoas essa maior predisposição ao perdão no Natal. Há um sentimento de amor e de reconciliação muito forte na sociedade nessa época”, diz ele. E isso é histórico.

O escritor inglês Charles Dickens, que viveu no século 19, já dizia que o Natal é um tempo de benevolência, perdão, generosidade e alegria. “É a única época que conheço, no calendário do ano, em que homens e mulheres parecem, de comum acordo, abrir livremente seus corações”, escreveu ele.

Para o padre Luiz Antônio Lopes Ricci, da Paróquia São Cristóvão, existe uma certa resistência ao perdão porque perdoar não é nada fácil. Segundo ele, o perdão não acontece de uma hora para outra. É um processo que pode levar dias, meses ou anos. “Perdoar é um sinal de nobreza humana. Quem consegue chegar a esse ponto demonstra grande humanidade”, afirma.

De acordo com a psicóloga Fernanda Augustini Pezzato, especialista em terapia comportamental, ao perdoar, as pessoas criam a possibilidade de voltar a conviver com outros e de retomar uma relação, seja ela afetiva, familiar ou de amizade. Segundo ela, o efeito psicológico disso, tanto para quem perdoa quanto para quem é perdoado, é sempre positivo porque produz sentimentos de alívio, renovação e abre novas perspectivas para o relacionamento.

Foi o que aconteceu com os irmãos Marcelo e Doralice dos Anjos Veiga. Eles tiveram uma briga feia em 2007. Por muito pouco não foram às vias de fato. Dora, como é mais conhecida, acredita que isso só não aconteceu porque a mãe deles presenciava toda a cena. Por respeito a ela, os irmãos não saíram no tapa.

Os dois que, até então, sempre haviam se dado muito bem, ficaram mais de um ano sem se falar. Quando um chegava, o outro saía. Segundo Dora, foi uma situação desagradável que ela jamais gostaria de ter vivido.

E o clima entre eles ficou assim, mal resolvido, até o Natal do ano passado. A família estava reunida para o almoço quando os anjos natalinos decidiram agir. Tocada por esses anjos, Dora se encheu de coragem e de amor, aproximou-se do irmão e deu nele um abraço carinhoso, acompanhado de um pedido de perdão, no que foi prontamente correspondida.

“Foi o dia mais feliz da minha vida e acredito que foi o da minha mãe também porque ela sempre nos ensinou a importância do afeto e do amor entre os irmãos. Ela também estava sofrendo com toda aquela situação”, conta Dora.

Segundo ela, a vida é tão cheia de atritos e dissabores que se não houver essa disposição nas pessoas em perdoar seus semelhantes a convivência entre elas ficará insustentável. Hoje é Natal. Dia em que os anjos se fazem presentes na maioria dos lares. Que tal aproveitar o clima e buscar uma aproximação dos corações que estão distantes e, com isso, garantir um fim de ano mais feliz e de bem com todo mundo. 

Adilson Camargo

Mais Sobre Opinião

A fogueira das vaidades

A fogueira das vaidades

O que até agora era bravata, “não é insulto, é o jeito dele”

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.