Quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Crônica

Uma Kombi, um sorriso e uma aventura

A história de Raquel, uma artesã acreana que roda o Brasil fazendo amigos


Uma Kombi, um sorriso e uma aventura - Gente de Opinião

Ao chegar perto da estrada, a luz do amanhecer banha uma Kombi antiga estacionada em um campo aberto. A pintura branca envelhecida revela as muitos  quilômetros  que já percorreu, enquanto suas janelas decoradas emolduram a cena. À medida que nos aproximamos, vemos uma mulher radiante, com um sorriso luminoso, tecendo delicadas peças de artesanato. Esta é Raquel Aline Moura, 37 anos, uma artesã de alma livre e espírito aventureiro. Seus cabelos escuros, esvoaçados com o vento são tocados pelos primeiros raios de sol da manhã. Sua expressão é de pura felicidade e determinação, refletindo a liberdade que encontrou na estrada. Ao seu redor, duas jovens mulheres, Celina Nascimento e Aline Nascimento, as duas gêmeas com 17 anos, suas filhas, ajudam-na com entusiasmo, envolvidas na criação e exibição das peças únicas que sua mãe cuidadosamente elabora. O aroma da manhã paira no ar, misturando-se com o som alegre de música brasileira tocando no rádio antigo.

Essa é a história de uma acreana que resolveu deixar seu passado na Amazônia viver a vida de maneira livre cuja a responsabilidade é garantir uma boa educação para as filhas e mostrar que existem outras maneiras de ser feliz. No começo, quando Raquel tomou a decisão de embarcar nessa aventura, foi após um período turbulento de sua vida. Sua separação, após nove anos de convivência, foi um ponto de virada. Um momento de reflexão profunda sobre o que ela realmente queria para si e para suas filhas. Foi então que ela teve a inspiração de transformar uma velha Kombi em seu lar sobre rodas e levar sua arte e alegria para as estradas do Brasil.

Com parentes morando ainda no Acre e em Porto Velho, a aventureira coloca a velha Kombi na estrada e, com o vento atravessando as janelas com o vapor quente do calor do Norte, Raquel  encara o desafio de percorrer as estradas para rever suas raízes. A Kombi, se transforma numa pequena loja, abrigando uma variedade de artesanatos feitos à mão - especialmente bolsa. Um design moderno que chama a atenção de quem se aproxima. 

Ao longo do dia, a artesã recebe visitantes curiosos e viajantes aventureiros. Eles compartilham histórias, risos e experiências enquanto exploram  verdadeiros tesouros  exibidos com carinho.  Raquel  conta histórias de sua jornada, das florestas do Acre aos campos do Rio Grande do Sul, onde hoje, tem paragem, compartilhando sua paixão pela criação e sua filosofia de vida simples e significativa.

À noite, quando o sol se põe no horizonte, a Kombi se transforma em um refúgio acolhedor. As luzes cintilantes penduradas dentro do veículo criam uma atmosfera mágica, enquanto Aline e os amigos que constrói na estrada, compartilham refeições simples e momentos de ternura em seu lar sobre rodas. Ela adormece na Kombi, pronta para acordar no dia seguinte e continuar sua jornada de aventuras e descobertas pelo Brasil.

Com sua comunicação suave e calorosa, Raquel atrai as pessoas para perto dela. Seu sorriso largo e acolhedor transmite uma sensação de paz e bem-estar a todos que cruzam seu caminho. Ela é uma mestra na arte de conversar, capaz de criar conexões profundas e genuínas com estranhos em questão de minutos.

Uma Kombi, um sorriso e uma aventura - Gente de Opinião

Ela  vive cada dia com entusiasmo e gratidão. Ela ensina suas filhas o valor da liberdade, da criatividade e do amor ao próximo. Elas aprendem a apreciar as pequenas coisas da vida, como um pôr do sol dourado, uma fogueira à beira-mar ou uma canção tocada ao redor de uma roda de amigos.

Uma mulher livre e espiritualizada que não se prende a bens materiais é alguém que encontra sua riqueza e plenitude dentro de si mesma e nas experiências que a vida oferece, em vez de acumular posses materiais. Ela valoriza a liberdade interior, a conexão com seu eu mais profundo e com o universo ao seu redor.

Enquanto segue em sua jornada, a artesã constrói memórias preciosas, colecionando histórias de pessoas generosas e encontros inesquecíveis. Elas entendem que a felicidade não reside apenas no destino final, mas também nas experiências vividas ao longo do caminho.

Enquanto viaja pelo Brasil, a acreana  compartilha sua jornada com aqueles que encontra, inspirando outros a abraçarem suas próprias paixões e seguir seus corações. Sua Kombi se tornou mais do que apenas um meio de transporte; é um símbolo de liberdade, coragem e autenticidade.

 

*Rubens Nascimento é jornalista, Bel. Direito e mestre maçom.

Gente de OpiniãoQuinta-feira, 29 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Quando meu pai foi advertido pela PIDE

Quando meu pai foi advertido pela PIDE

Certa ocasião acompanhei meu pai a exposição coletiva de fotografia. Tratava-se de trabalhos a preto e branco – na época ainda não existiam rolos a

Desvio ou ladrão?

Desvio ou ladrão?

Anda o País (que digo eu?) o mundo, preocupado com a corrupção, e é mal difícil de estripar.Já o nosso Sá de Miranda, em carta a El-Rei, lamentava:

A Bateria Nuclear de Thaiana e Significado das Cinzas pós Carnaval

A Bateria Nuclear de Thaiana e Significado das Cinzas pós Carnaval

Pés doendo, olhos caídos, um sorriso no rosto. Assim chega Thaiana, em casa, depois de mais uma note de carnaval nos blocos de Porto Velho. Ela foi

Convívio ou hereditariedade?

Convívio ou hereditariedade?

Disse, com razão, em 1871, Ramalho Ortigão, in: " As Farpas", que: “Metade daquilo que valemos moralmente e intelectualmente, devemos aos contactos

Gente de Opinião Quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)