Sexta-feira, 12 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Crônica

Convívio ou hereditariedade?


Humberto Pinho da Silva - Gente de Opinião
Humberto Pinho da Silva

Disse, com razão, em 1871, Ramalho Ortigão, in: " As Farpas", que: “Metade daquilo que valemos moralmente e intelectualmente, devemos aos contactos às sugestões dos indivíduos que nos tem rodeado através da existência. É esta uma divida que poucos se lembram de pagar, reconhecendo com veneração os benefícios da amizade."

Na verdade, poucos reconhecem que o desenvolvimento intelectual, as opiniões, o carácter é, quase sempre, motivado pelo convívio que se teve desde criança.

Primeiro com os pais e avós. Depois, parentes e amigos, que frequentaram e frequentam a nossa casa.

Aprende-se pelo estudo: lendo e ouvindo e, por osmose:

Diria até que é a osmose que molda o homem. O filho do político, naturalmente tornasse  semelhante ao pai, pelo convivo, e o mesmo acontece ao filho do médico ou do advogado. Chama-se vocação, o que é, muitas vezes, efeito do convívio.

Pais tementes a Deus, que rezam em família e frequentam o templo, têm mais possibilidade de terem filhos que sigam a vida religiosa, do que os indiferentes ou agnósticos.

Embora o convívio seja essencial para o desenvolvimento do ser humano, deve-se reconhecer a importância da hereditariedade. Exemplo disso é a notável família Strauss, assim como a de Bach, Beethoven, Mozart, Murilo, Darwin, a família de Francisco Bacon e a de Galileu, entre outras.

O pai da Eugenia – Galton, afirmou que a inteligência da criança não depende só dos progenitores, pois pode vir dos avós e bisavós ou de antepassados mais remotos.

Pode-se conseguir superdotados, da mesma forma como se faz com animais e plantas.

Está confirmado, que crianças de famílias cujos pais são intelectualmente desenvolvidos, têm mais probabilidade de terem melhor sucesso nos estudos.

Será devido à hereditariedade ou ao convívio? Há muita controversa sobre o assunto; mas o convívio influencia muito; disso não tenho dúvidas.

Gente de OpiniãoSexta-feira, 12 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

À deriva de mim no mar da política

À deriva de mim no mar da política

Ainda que eu seja um animal político, no dizer de Aristóteles, ou me sinta um personagem de Elliot Aronson, em seu conceituado livro, O Animal Socia

Há necessidade de imigrantes

Há necessidade de imigrantes

Apesar da natalidade, em Portugal, ter aumentado nos últimos anos, ainda não é suficiente para comutar o défice demográfico. O País carece, urgentem

Mentira ou fake news?

Mentira ou fake news?

Com a evolução da tecnologia, certos costumes foram sendo esquecidos ou mesmo tornaram-se desconhecidos pelas novas gerações. Um deles é o dia da me

A porta está aberta, até  os cães entram

A porta está aberta, até os cães entram

Havia na igreja de Santo Ildefonso, no Porto, abade conhecido pelos ditos espirituosos e assombradas atitudes.Tinha como coadjutor jovem presbítero

Gente de Opinião Sexta-feira, 12 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)