Quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Crônica

Ainda Eça...


Humberto Pinho da Silva - Gente de Opinião
Humberto Pinho da Silva

A transladação dos restos mortais do escritor para o Panteão Nacional, fez correr muita tinta, que envolveu, descendentes do romancista, respeitáveis intelectuais e políticos.

O caso chegou ao Supremo Tribunal Administrativo, que acabou de dar razão a Afonso Reis Cabral, trineto de Eça e Presidente da Fundação Eça de Queirós.

Mesmo contra a vontade de alguns descendentes, que tudo fizeram para o impedir – houve até quem duvidasse que o antepassado gostasse de estar em companhia desses ilustres cidadãos... – e da boa gente de Baião, habituada à "presença" do escritor, no Cemitério de Stª. Cruz do Douro, o tribunal sentenciou a favor da Fundação Eça de Queiroz.

O maior estilista da língua portuguesa deixou, portanto, de ser " pertença" exclusiva da família e dos baionenses, para ser de todos os portugueses.

Homenagens justíssimas, já que seus contemporâneos não souberam ou não quiseram prestar-lhe, após o falecimento, as honras de que era merecedor.

Como não se pode, talvez nem se queira, levar Camilo para o Panteão Nacional, parece-me de inteira justiça erguer, como se fez com Aristides de Sousa Mendes, no Panteão, cenotáfio de homenagem a Camilo Castelo Branco. Era gesto de louvar e prova que o romancista não está esquecido.

Durante as cerimónias fúnebres de Camilo, Guerra Junqueiro sugeriu – que devia ser sepultado nos Jerónimos e fosse decretado luto nacional.

E no Parlamento, Alberto Pimentel, propôs que ficasse registado em acta – " Um voto de profundo sentimento pela morte do iminente escritor, Visconde de Correia Botelho, Camilo Castelo Branco, glória da literatura nacional".

Infelizmente essas vozes amigas foram em vão. Camilo: " O Primeiro Romancista da Península", como se dizia, ou: " O Príncipe dos Escritores", como afirmou Reis Santos, na oração fúnebre, permanece, quase esquecido, no jazigo de amigo, no Cemitério da Lapa, no Porto.

A concluir, julgo oportuno levar ao conhecimento do leitores, o parecer do conceituado filólogo, fundador da " Sociedade da Língua Portuguesa", Vasco Botelho de Amaral, no:" Glossário Critico", sobre Camilo:

(...) A linguagem de Camilo é riquíssima de valores expressivos (...) Em todas as páginas revela o Mestre, o diligente estudo a que se consagrou, auscultando os dizeres das bocas populares e investigando nos clássicos documentos ignorados, mas inestimáveis riquezas idiomáticas. Junte-se a isto o extraordinário génio verbal e estilístico do escritor, e como resultado se nos apresentará a admirável vernaculidade da linguagem de Camilo".

Gente de OpiniãoQuinta-feira, 29 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Quando meu pai foi advertido pela PIDE

Quando meu pai foi advertido pela PIDE

Certa ocasião acompanhei meu pai a exposição coletiva de fotografia. Tratava-se de trabalhos a preto e branco – na época ainda não existiam rolos a

Desvio ou ladrão?

Desvio ou ladrão?

Anda o País (que digo eu?) o mundo, preocupado com a corrupção, e é mal difícil de estripar.Já o nosso Sá de Miranda, em carta a El-Rei, lamentava:

A Bateria Nuclear de Thaiana e Significado das Cinzas pós Carnaval

A Bateria Nuclear de Thaiana e Significado das Cinzas pós Carnaval

Pés doendo, olhos caídos, um sorriso no rosto. Assim chega Thaiana, em casa, depois de mais uma note de carnaval nos blocos de Porto Velho. Ela foi

Convívio ou hereditariedade?

Convívio ou hereditariedade?

Disse, com razão, em 1871, Ramalho Ortigão, in: " As Farpas", que: “Metade daquilo que valemos moralmente e intelectualmente, devemos aos contactos

Gente de Opinião Quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)