Porto Velho (RO) segunda-feira, 2 de agosto de 2021
×
Gente de Opinião

Crônica

A tortura na escola no fim do século XIX ou a triste infância de um grande escritor - (1ª Parte)


A tortura na escola no fim do século XIX  ou  a triste infância de um grande escritor - (1ª Parte) - Gente de Opinião

Era uma terça-feira do mês de Junho (18,) do ano de 1861, quando o Sr. João recebeu, no estabelecimento, a irmã Jacinta.

Em alvoroço, exclamou eufórica:

- " Parabéns, João, tens mais um filho!..."

- " Olha, que grande coisa!..." – contrapôs, este, serenamente.

Casara na cidade do Porto. Tinha duas meninas e um rapaz. Trindade Coelho, era o quarto.

O Sr. João fazia-se insensível, mas no íntimo, era homem bom: Gostava de auxiliar, mas receando que viessem a saber, dissimulava, para não o julgarem: "mole".

A esposa, perfeita dona de casa, cuidava com esmero, do maneio da casa, e aplicava, muitas horas na costura e a passajar.

Fazia o conserto da roupa, numa salinha, com janela para o Convento de S. Francisco, onde se prendia a corda, que accionava o sino, da torre.

Trindade Coelho, muitas vezes, tocava as "Avé-Marias", da janela. Ajudava à missa, com perfeição. Gostava de "celebrar" e"pregar". Por brincadeira, chamavam-no: " O Sr. Padre José".

Certa ocasião, bebeu trago de vinho, das galhetas. Descoberto, foi severamente repreendido e castigado: tinha que pedir perdão, ao Sr. Abade.

Lá foi o rapazinho, de cabeça baixa, a tremer, muito enfiado, a casa do Prior. Este, sorrindo, desculpou-o, e em "recompensa" deu-lhe punhado de cerejas.

Em dia frio de rigoroso Inverno, chegou a casa sem camisa. A mãe interrogou-o asperamente. Em prantos, contou, que a dera a menino pobre, que tinha muito frio.

Foi castigado; mas a mãe, enquanto lhe batia, ria-se de alegria, por dentro.

Aos domingos, ia à casa do oleiro, vê-lo a fazer louça. Levantava-se muito cedo, quase de madrugada, para observar o Sr. Domingos, girar a roda, e o barro ganhar a forma de utensílios.

Frequentava, com algum gosto, a escola, mas tinha também, professor particular.

Em suma: era feliz, até ao momento, que o pai resolveu levá-lo, com o irmão, à aldeia de Travanca, no intento dos filhos prosseguirem os estudos.

Ficaram hospedados na casa do professor, que ficou na incumbência de os educar.

 

(Continua)

Mais Sobre Crônica

Cuuuubaaaaaa

Cuuuubaaaaaa

Depois que li O Velho e o Mar, romance de Ernest Hemingway, que tinha como pano de fundo as famosas paisagens das ilhas caribenhas e o drama de um i

A Inalcançável Social-Democracia

A Inalcançável Social-Democracia

Semana passada, a partir de uma entrevista de Lula a um jornal chinês, nós mostramos, com variedade de argumentos, os custos da democracia brasileir

O caminho da SAUDADE

O caminho da SAUDADE

Eu costumo dizer que um confrade da Academia Rondoniense de Letras-ARL, além de imortal, pelas obras deixadas à posteridade, ocupa, no panteão simbó

Quanto Custa a Democracia?

Quanto Custa a Democracia?

Há alguns dias, durante as comemorações pelos cem anos do PCC (1º/Jul/2021), o ex-presidente Lula concedeu uma entrevista ao jornal chinês Guancha,