Porto Velho (RO) quinta-feira, 3 de dezembro de 2020
×
Gente de Opinião

Opinião

Artigo: FEMINISMO


 
Bruno Peron Loureiro

O que faria uma mulher crescer acreditando que é inferior ao homem ou que carece de virtudes que só este tem? É justo que algumas diferenças anatômicas e hormonais coloquem um dos sexos abaixo socialmente do outro? E se tudo o que nos vêm contando fosse o contrário ou a mulher tivesse sido essencialmente idêntica ao homem?
Ficção? Nem tanto. É só entender a lógica social do que nos inculcaram abusando da credulidade da infância.

Tentarei desfiar algumas destas questões em saídas que têm sido dadas pelo diálogo e ativismo. A questão de gênero (ou sexo) é uma chama cuja intensidade oscila com qualquer sopro. Costuma-se discuti-la a partir de posições apaixonadas. O feminismo expande-se no mundo como movimento social e proposta de reinserção das mulheres.
 
Desde tempos imemoráveis, a mulher ocupava posição subordinada ao homem. Em algumas comunidades, ela ainda aceita o destino pré-natal de cuidar da casa, receber salários inferiores para a mesma função, ser vítima de abusos e violações, ocupar funções e cargos de destaque somente em ocasiões extraordinárias.
 
As diferenças entre os sexos são quase todas criadas socialmente. É o que explica que a mulher tenha tratamentos diferenciados de acordo com os costumes de cada país. Em alguns, ela não pode mostrar o rosto em lugares públicos e deve usar véu para cobri-lo; noutros, ela tem o clitóris extraído porque os costumes condenam o prazer sexual.
 
Quanto mais fechada for uma sociedade, mais a pessoa cresce achando que é tudo normal e que, dependendo do país, não há nada de errado em que um sexo se subordine a outro. O Brasil é um país com resquícios de machismo, embora a situação tenha mudado muito. Desvelou-se a falsa justificação do domínio do homem sobre a mulher.
 O movimento feminista pressiona a favor da quebra destes usos, ainda que se critique que ele tem-se aproveitado da situação para conquistar objetivos pessoais, como cargos políticos e posições econômicas faustosas. O feminismo não é uma luta unificada, visto que há divergência de propostas e ideais entre seus adeptos.
 
Há mulheres que se dedicam a justificar a superioridade ou a igualdade delas em relação aos homens, ou estudar a origem do feminismo e seu impacto, ou mobilizar-se a favor de melhores salários, ou candidatar-se a cargos de representação política, ou formar organizações de proteção dos direitos humanos. Cada adepta se organiza a sua maneira.
 
A luta da mulher por reconhecimento e igualdade de direitos é pertinente e deveria ter surgido até mais cedo. É prometedor junto de outras batalhas travadas por grupos minoritários, que têm recebido cada vez maior atenção num mundo amparado pelas diferenças. O risco, porém, é o de a mulher achar-se melhor que o homem em vez de igualar-se.
 
Dizem que a mulher é mais sensível e que esta virtude poderia combater grandes males da humanidade. Não se devem esquecer, contudo, que homem também chora. Ou guarda as mágoas para preservar a tradição machista.

Fonte: Bruno Peron Loureiro é analista de desenvolvimento e relações internacionais.

Mais Sobre Opinião

O tribunal europeu (TEDH) dá andamento à queixa "Acção Climática" das crianças portuguesas + Restauração de Portugal independente

O tribunal europeu (TEDH) dá andamento à queixa "Acção Climática" das crianças portuguesas + Restauração de Portugal independente

O TRIBUNAL EUROPEU (TEDH) DÁ ANDAMENTO À  QUEIXA “ACÇÃO CLIMÁTICA” DAS CRIANÇAS PORTUGUESASNo rescaldo de Pedrogão Grande onde o Fogo matou 110 Pessoa

Começou a batalha pela presidência da Câmara em Porto Velho

Começou a batalha pela presidência da Câmara em Porto Velho

Acirra-se a briga pela presidência da Câmara Municipal de Porto Velho. O atual presidente Edwilson Negreiros está articulando um grupo forte para gara

Sua Excelência a abstenção

Sua Excelência a abstenção

Independente de quem saía consagrado das urnas no segundo turno do pleito para a prefeitura de Porto Velho (Hildon Chaves ou Cristiane Lopes), certo

A cidade foi a grande ausente no debate

A cidade foi a grande ausente no debate

Se o Ibope estiver certo em sua aferição, o prefeito Hildon Chaves (PSDB) vai permanecer por mais quatro anos no comando do município de Porto Velho