Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Artigo: Bandoleiros e justiceiros


 
 O que antes era uma suspeita, agora se confirmou


*Ivan Francisco Machiavelli

A reportagem de revista Veja deste fim de semana dando conta de que os telefones do gabinete do presidente do Supremo Tribunal Federal estavam realmente grampeados causa estarrecimento, e, exige imediatas e drásticas providencias, sem concessões, para desencorajar esse verdadeiro grupo de bandoleiros e justiceiros que, à custa da privacidade alheia, usam de recursos medievais sob o pretexto de fazer uma “falsa justiça”.

Não se faz Justiça com injustiça, totalitarismo e clandestinidade.

O que causa espécie, é que instituições oficiais estão ligadas à essa verdadeira rede  de espionagem, em alguns casos, com o beneplácito de autoridades constituídas, como se estivesse em voga uma verdadeira Ku Klux Kan à moda brasileira.

Há de haver uma pronta, justa e enérgica reação a tudo isso eliminando-se, de vez, essa sensação de impunidade destes delinqüentes da privacidade alheia.  É exatamente nesse ponto que reside a causa que encoraja esses neo- bandoleiros a prosseguir com esses insidiosos atos: a certeza de impunidade.

Os Poderes Constituídos, foram concebidos, para assegurar à Nação o estado de direito, e não o estado policial, o estado de exceção e estado totalitário.

Ações como essa, se mantidas, encorajam a deformação dos direitos e garantias fundamentais dos cidadãos.

O processo de investigação que não correr dentro da mais absoluta legalidade e transparência deve ser objeto de pronto e imediato trancamento e punidos os abusos praticados em nome de uma falsa justiça.

Aqui mesmo em Rondônia, instituições e autoridades já experimentaram momentos difíceis, cuja totalidade dos dados colhidos nas “investigações”, até hoje não são conhecidas dos defensores e dos próprios envolvidos (acusados).

Várias entidades, desde há muito, vem se posicionando contra a permissibilidade dessas escutas clandestinas, muitas das quais, “convalidadas posteriormente.

É chegado o momento de uma ação conjunta e coordenada objetivando restabelecer a ordem nesse campo das investigações, salvo, se, o desejo de todos seja ficar refém do medo, da insegurança e da opressão.

*É advogado e vice-presidente do Conselho Seccional da OAB-Rondônia

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual