Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Artigo: A nova mania nacional


Artigo: A nova mania nacional - Gente de Opinião
Prof Rosildo Barcellos

Ainda existe muita dúvida no que tange a iluminação dos veículos automotores notadamente no tocante ao comentados faróis de Xenon.Não podemos negar que eles facilitam a visibilidade para quem os possui, mas comumente ofusca a visão de quem está de encontro a eles. Essa semana fui procurado para explicar se os faróis de gás xenônio, estão realmente com os dias contados nas vias abertas a circulação publicas brasileiras. Explico que  o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) editou sim, medidas para evitar que a "guerra de luzes" se transforme em acidentes e vítimas. Assim sendo já estão em vigor as Resoluções 227 e 294 do supramencionado Conselho (Contran) que tratam do sistema de iluminação dos veículos entraram em vigor no dia 1° de janeiro de 2009. Ou seja,no que se refere aos faróis de descarga de gás (xenônio), as Resolução exigem dispositivo de limpeza e de regulagem. Tanto os veículos saídos de fábrica a partir de janeiro de 2009 quanto os que forem modificados para o uso deste tipo de farol deverão possuir esses dispositivos. Já os veículos fabricados e modificados com o farol de descarga de gás antes do dia 1° poderão continuar circulando, no entanto, no caso dos veículos modificados é necessário que tenham cumprindo as normas previstas na Resolução 292 (Contran) que trata das modificações de veículos. A informação referente à modificação deve constar no Certificado de Registro do Veículo (CRV) e no Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRV).

E não poderia ser de outra forma posto que o direcionamento no rosto do facho de luz desses faróis pode causar cegueira momentânea e a longo prazo lesões definitivas na retina provocadas pelo espectro azul. Além disso, já existem estudos constatando que três em cada dez motoristas são portadores de fotofobia, aversão à luz, que aumenta o ofuscamento na claridade e diminui o reflexo no trânsito por funcionar como um gatilho que dispersa a concentração. A dificuldade de adaptação à luminosidade também tem como causas comuns como, por exemplo, o astigmatismo,a catarata e o olho seco (redução da quantidade ou qualidade de lágrima). Evidentemente a menor visibilidade reduz o senso de velocidade aumentando a chance de acidentes e é o que está acontecendo, haja vista que assim como na vida, o condutor só pensa em si e em ver melhor, e troca o equipamento simplesmente e esquece de toda a sistemática de regularização; o que o faz estar sujeito a infração do art. 230, VII, do CTB – lei 9503/97 ("conduzir o veículo com a cor ou característica alterada"), classificada como grave (5 pontos) e para a qual há previsão de multa, no valor de R$127,69, e concomitantemente a retenção do veículo para regularização. Outrossim no caso do sistema de iluminação deve se observar também as cores das lâmpadas. Segundo Resolução 227, independente do tipo de lâmpada a cor do facho de luz emitido pelo farol deve ser branca. Para um melhor esclarecimento, o farol de xenon é composto por reatores elétricos e lâmpadas a gás. Essas lâmpadas a gás apresentam um bulbo (cápsula de vidro fechada) que contém em seu interior gases que apresentam grande poder de luminescência. Dentre os gases presentes o mais importante é o gás nobre denominado "Xenônio".

Assim, o reator proporciona uma alta descarga elétrica (Hid Intensity Discharg), de onde veio o termo HID XENON, que faz com que a mistura gasosa vibre suas moléculas a uma frequência adequada à produção de luz, proporcionando uma forte emissão luminosa. A iluminação obtida desta forma é aproximadamente 3 vezes superior àquela obtida com lâmpada halógena e com um consumo 40% inferior.

Convém enfatizar que em conformidade com o que preconiza a resolução 294 do Contran, só poderão circular com faróis de xenônio os carros que tiverem um sistema que regula a altura das lâmpadas quando há desnível na pista ou sobrecarga do porta-malas. A regulagem da altura das lâmpadas impede que o facho de luz do farol seja alterado e ofusque outros motoristas. Também são obrigatórios os limpadores de farol. Nesse caso, o lavador da lente ajuda a manter o farol sempre limpo, para que nenhuma intervenção na lente desvie o facho, enquanto a regulagem automática de altura garante sempre que se ilumine somente a estrada, mesmo que o carro esteja com sua lotação de pessoas ou de carga completa.Na prática, quem instalou os faróis de xenônio provavelmente terá que encontrar outra alternativa ou removê-los, como aconteceu há algum tempo atrás com os engates, que também viraram mania nacional.

*articulista

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual