Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

A OAB e a escolha da lista sêxtupla para vaga de desembargador em Rondônia


A OAB e a escolha da lista sêxtupla para vaga de desembargador em Rondônia  - Gente de Opinião 

*Ricardo Sá Vieira

A OAB de Rondônia está de parabéns pela forma rápida democrática e transparente com que escolheu na ultima sexta feira (09.04) a lista sêxtupla para escolha do futuro desembargador a compor a 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Rondônia.

Foram eleitos os advogados Romiltom Marinho, Carlos Alberto Mesquita, Antonio Paulo dos Santos, Rochilmer Melo da Rocha Filho, Douglacir Santana e José Ângelo, todos merecedores, por suas histórias de vida, capacidade profissional, alem de ilibada conduta pessoal e social.

Estabelece o artigo 94 da Constituição da República do Brasil que um quinto dos lugares dos Tribunais Regionais Federais, dos Tribunais dos Estados, e do Distrito Federal e Territórios será composto de membros, do Ministério Público, com mais de dez anos de carreira, e de advogados de notório saber jurídico e de reputação ilibada, com mais de dez anos de efetiva atividade profissional, indicados em lista sêxtupla pelos órgãos de representação das respectivas classes.

Reputo da maior importância a regra do quinto constitucional, não apenas para a advocacia – não – mas para a democracia, para o povo em especial para os jurisdicionados. O ideal de Justiça não pode prescindir da participação do advogado.

Vejo que a indispensabilidade participação do advogado à administração da Justiça, como prevê a constituição em seu art. 133, não se dá apenas através de seu ofício como constituído pelas partes para atuar em juízo.

A presença do advogado como membro do Poder Judiciário, através do quinto constitucional, também faz parte desta sua participação indispensável para que a Justiça seja mais bem distribuída àqueles que a buscam.

O magistrado oriundo da advocacia não é e não será, jamais, menos magistrado que aqueles oriundos dos concursos de provas e títulos.

O magistrado oriundo da advocacia é indispensável ao Poder Judiciário notadamente porque traz contribuição de vida que muitos integrantes da judicatura não tiveram a oportunidade de ter.

O labor advocatício forja no profissional da advocacia o senso de justiça que está latente na sociedade em seu dia-a-dia. No cinzel da vida o advogado é moldado diferentemente daquele julgador que não experimentou o lado de fora do balcão.

Não há dúvida de que o advogado traz consigo, acima de tudo, a consciência de que o Poder Judiciário somente será relevante para a sociedade se agir em respeito aos valores da advocacia e em especial a suas prerrogativas de advogado, pois sem advocacia plena não há direito e não há justiça.

*É advogado especialista em Direito Público e mestrando em Direito Internacional.

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual