Porto Velho (RO) segunda-feira, 16 de maio de 2022
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Venezuela impõe restrições para gastos no exterior


Leandra Felipe - Correspondente da Agência Brasil/EBC

Bogotá – O governo da Venezuela anunciou hoje (24) reduções no limite para gastos com cartões de crédito e saques feitos por venezuelanos que viajarem ao exterior. Já publicada na Gazeta Oficial, a medida faz parte do novo sistema cambial e tem o objetivo de proteger a economia do país da especulação financeira, refletida na desvalorização da moeda oficial, o bolívar, frente ao dólar e na operação de um mercado paralelo da moeda norte-americana.

Segundo a Gazeta, em viagens para a África, Ásia, Europa e Oceania, os venezuelanos terão disponíveis US$ 1mil para permanência de um a sete dias e de US$ 3 mil, para oito dias ou mais. Se o destino forem países das Américas e do Caribe, o total permitido é US$ 1 mil, para viagens até três dias; US$ 2 mil, para quatro a sete dias, e US$ 2,5 mil para mais de oito dias.

Viagens para o estado da  Flórida, nos Estados Unidos, as ilhas de Aruba, Curaçao e Bonaire, além da Colômbia, da Costa Rica, do Panamá e do Peru têm também limite nos gastos permitidos– em períodos abaixo de sete, os gastos limitam-se a US$ 500 e, acima disso, a US$ 700.

Os destinos com limite menor são os mais procurados pelos venezuelanos que viajam para fazer movimentações em dólar, especialmente para comprar a moeda e depois, movimentá-la no mercado paralelo, com valorização de até oito vezes sobre o câmbio oficial.

A permissão para compras pela internet também foram reduzidas para US$ 300. Até o fim do ano passado, o limite era US$ 400 por pessoa. O governo ressaltou, no diário oficial, que, com a medida, “avançará no objetivo de deter a fuga de capitais do país e combater a guerra econômica, além de preservar o fluxo do dólar no mercado oficial.”

Outra mudança é na prioridade da outorga de dólares pelo órgão de controle monetário. Segundo o vice-presidente para a Área Social, Rafael Ramírez, 80%  das divisas autorizadas este ano destinam-se a setores prioritários para a população, como educação, saúde e alimentação.

“Estamos disponibilizando US$ 42,7 bilhões [para todos os setores da economia, incluindo pessoas físicas]. É um pouco mais do que havíamos disponibilizado no ano passado. Deste total, mais de US$ 31 bilhões estão reservados [a uma taxa de 6,30 bolívares por dólares] para os elementos essenciais da nossa economia”, explicou. Os 20% restantes, o equivalente a US$ 11,4 bilhões, serão outorgados pelo Sistema Complementar de Administração de Divisas, que prevê leilões de US$ 220 milhõespor semana.

De acordo com o governo, todas as medidas de fixação de limites e controle visam a evitar que dólares sejam usados para alimentar o mercado paralelo.

Mais Sobre Mundo - Internacional

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Mais da metade da população europeia deve ser infectada pela variante Ômicron do coronavírus nas próximas seis a oito semanas, disse nesta terça-fei

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

Em 16 de novembro, durante uma difícil operação de busca e resgate a menos de 30 milhas náuticas da costa da Líbia no Mediterrâneo Central, a equipe

Com avanço nas Américas, Delta é "altamente preocupante", diz Organização Pan-Americana de Saúde

Com avanço nas Américas, Delta é "altamente preocupante", diz Organização Pan-Americana de Saúde

A variante Delta do novo coronavírus é "altamente preocupante", à medida que a mutação tem se espalhado para quase 20 países nas Américas, disseram