Porto Velho (RO) sexta-feira, 23 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Tutancâmon morreu de malária e infecção óssea



Cientistas usaram técnica de radiologia e análise de DNA para analisar 16 múmias

jovem e lendário faraó Tutancâmon, que teria morrido misteriosamente há mais de três mil anos, faleceu, na verdade, de malária combinada com uma infecção óssea, revelou um estudo divulgado nesta terça-feira (16) nos Estados Unidos.

Tutancâmon morreu muito jovem - aos 19 anos, em 1.324 a.C., com apenas nove anos de trono, sem deixar herdeiros.

O que levou especialistas a especularem sobre a hipótese de doenças hereditárias na família real da 18a dinastia, explicou Zahi Hawass, responsável pelas antiguidades egípcias no museu do Cairo e principal autor do estudo.

Os pesquisadores se apoiaram em vários métodos, entre eles a radiologia e as análises do DNA para o trabalho, realizado em 16 múmias. Onze delas, incluindo a de Tutancâmon, eram, aparentemente, membros da família real.

O estudo, realizado entre 2007 e 2009, buscava determinar os vínculos de parentesco e de sangue e a existência de características patológicas hereditárias em Tutancâmon.

Foram esses vínculos que permitiram identificar o pai do faraó, marido da lendária rainha Nefertiti, contou Hawass, que publicou o trabalho na edição de 17 de fevereiro do Jama, o jornal da Associação Médica americana.

- Esses resultados permitem pensar que uma circulação sanguínea insuficiente dos tecidos ósseos, que debilitou e destruiu parte da ossatura, combinada com malária, foi a causa mais provável da morte de Tutancâmon, ocorrida após uma fratura.

O diagnóstico foi estabelecido principalmente graças aos exames genéticos, que revelaram uma série de más-formações na família Tutancâmon, como a doença de Kohler, que destroi células ósseas.

As análises de DNA também revelaram a presença de três genes vinculados ao parasita Plasmodium falciparum, responsável pela malária em quatro múmias estudadas, entre elas a do jovem faraó.

Tutancâmon e seus ancestrais eram pouco conhecidos até a descoberta, em 1992, de sua tumba pelo britânico Howard Carter, que continha um grande tesouro, incluindo uma máscara mortuária em ouro maciço.

O estudo pode abrir as portas a um novo enfoque de investigação em genealogia molecular e paleogenômica (estudo de genes antigos) do período faraônico, dizem os cientistas. 

Fonte: R7 com informações da AFP

Mais Sobre Mundo - Internacional

As mulheres e os homens mais compridos do mundo

As mulheres e os homens mais compridos do mundo

Segundo um estudo feito por 800 cientistas do Imperial College em Londres (1) sobre o desenvolvimento da altura das pessoas adultas nos últimos 100

Dia Mundial do Rock é comemorado neste sábado

Dia Mundial do Rock é comemorado neste sábado

Um senhor de mais de 60 anos, vibrante, contestador, revolucionário e que provoca as mais diversas sensações e reações em quem tem contato com ele ou

Morre Lee Iacocca, o pai do Mustang

Morre Lee Iacocca, o pai do Mustang

Morreu em 2 de julho, aos 94 anos, Lido Anthony "Lee" Iacocca, um dos mais famosos executivos da indústria automobilística. Era filho de imigrantes it

Porto Velho: Inscrições para vagas na escola de música Som na Leste encerram nesta quarta, dia 03

Porto Velho: Inscrições para vagas na escola de música Som na Leste encerram nesta quarta, dia 03

A Escola Municipal de Música Som na Leste divulgou edital para matrícula de novos alunos para o preenchimento de vagas para os cursos no segundo semes