Porto Velho (RO) sexta-feira, 19 de agosto de 2022
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Questões internas provocam ausência de países na cúpula


Renata Giraldi
Agência Brasil

Brasília – A 3ª Cúpula de Chefes de Estado e de Governo América do Sul–Países Árabes (Aspa), em Lima, no Peru, ocorrerá sem a presença de pelo menos quatro líderes políticos das duas regiões, cujas discussões costumam causar impactos no cenário internacional. A uma semana da eleição na qual tenta se reeleger, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, avisou que não comparecerá. Às voltas com dificuldades internas e na vizinha Síria, o presidente do Egito, Mohamed Morsi, também faltará.

Os presidentes Evo Morales (Bolívia) e Sebastián Piñera (Chile) informaram que não comparecerão à cúpula. Para negociadores das duas regiões, ambos estão envolvidos também com questões internas devido a uma série de manifestações tanto nas principais cidades bolivianas, quanto nas chilenas. Os demais líderes da região prometem estar presentes ao evento.

Dos 34 países da Aspa, dois estão suspensos: o Paraguai e a Síria. Desde junho, o Paraguai está suspenso do Mercosul e da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) devido às suspeitas de que o processo de impeachment do então presidente Fernando Lugo ocorreu sem obedecer às instituições democráticas. As autoridades paraguaias negam irregularidades. A suspensão acaba em abril de 2013.

A Síria foi suspensa da Liga Árabe devido à onda de violência no país, que atinge principalmente civis e envolve tanto as autoridades do governo do presidente Bashar Al Assad, quanto as da oposição. A Liga Árabe rechaça a violência, cobra providências de ambos os lados para encerrar o impasse e rebate a possibilidade de intervenção militar externa.

A 3ª Cúpula Aspa estava prevista para ocorrer em fevereiro deste ano, mas o elevado número de países enfrentando protestos e manifestações levou ao adiamento das reuniões. No entanto, os líderes políticos sul-americanos e árabes pretendem ressaltar a importância dos debates.

A iniciativa do Brasil de criar a Aspa, em 2003, virou realidade em 2005. Para analistas internacionais, a Aspa é considerada uma ação pioneira e inovadora das negociações e da cooperação Sul-Sul. A meta principal é o fortalecimento do multilateralismo “com base” em percepções comuns a respeito da busca pela paz e do desenvolvimento econômico com inclusão social, como destacaram os líderes nos útimos documentos do grupo.
 

VOCÊ PODE GOSTAR

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Uma missão para um país como Israel, que se reinventou superando adversidades naturais e políticas, torna-se de grande relevância estratégica para est

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

A Missão Internacional Israel, promovida pelo Sebrae em Rondônia deve gerar grande frutos em breve. Empreendedores rondonienses compuseram a comitiv

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Mais da metade da população europeia deve ser infectada pela variante Ômicron do coronavírus nas próximas seis a oito semanas, disse nesta terça-fei

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

Em 16 de novembro, durante uma difícil operação de busca e resgate a menos de 30 milhas náuticas da costa da Líbia no Mediterrâneo Central, a equipe