Porto Velho (RO) segunda-feira, 15 de agosto de 2022
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Papa deixa mensagem de Natal aos membros da Cúria Romana


"Aprender novamente a capacidade de reconhecer a culpa e dar o primeiro passo em direção ao outro para construir a paz". Esses foram os votos do Papa Bento XVI no tradicional encontro de final de ano com a Cúria Romana para os cumprimentos de Natal esta manhã, 21, na Sala Clementina, no Vaticano.

Em seu discurso, o Santo Padre manifestou sua gratidão aos membros da Cúria Romana, do Governo e representantes  pontifícios pelo serviços generosos prestados à Igreja e destacou o amor de Deus manifestado no nascimento do Menino Jesus. "Aquele Menino que adoramos em Belém nos convida a sentir o imenso amor de Deus, aquele Deus que desceu do Céu e tornou-se perto de cada um de nós para nos tornar seus filhos, parte da sua própria família".

Bento XVI recordou alguns importantes eventos eclesiais do ano: as suas viagens à África, à Terra Santa e à República Tcheca; o Sínodo para a África e a convocação do Ano Sacerdotal.

África: Visita Pontifícia e Sínodo

O Papa recordou sua viagem à Camarões e Angola e o Sínodo para a África, onde se experimentou a eclesiologia do Concílio Vaticano II:

"Por ocasião da minha visita à África tornou-se evidente, em primeiro lugar, a força teológica e pastoral do Primado Pontifício como ponto de convergência para a unidade da Família de Deus. No Sínodo emergiu ainda mais fortemente a importância da colegialidade – da unidade dos bispos, que recebem o seu ministério justamente pelo fato que entram na comunidade dos Sucessores dos Apóstolos: cada um é bispo, Sucessor dos Apóstolos, somente enquanto partícipe da comunidade daqueles nos quais continua o Collegium Apostolorum na unidade com unidade com Pedro e com o seu Sucessor."

O Sínodo abordou o tema da reconciliação, da justiça e da paz, que "podia ser confundido como um tema político", disse o Papa:

"Mas nisso não se devia ceder à tentação de tomar pessoalmente em mão a política, e de pastores se transformar em guias políticos. Efetivamente, a questão muito concreta diante da qual os pastores se encontram continuamente é justamente essa: como podemos ser realistas e práticos sem atribuir-nos uma competência política que não nos cabe? Podemos também dizer: tratava-se do problema de uma laicidade positiva, praticada e interpretada de modo justo."

Em seguida, Bento XVI observou que os Padres sinodais conseguiram se manter numa dimensão pastoral reiterando, diante das tragédias do continente africano, que a paz pode realizar-se somente através de uma realidade pré-política que é a da reconciliação com Deus.

O Papa afirmou que sem a reconciliação com Deus o homem não se reconcilia nem com o próximo nem consigo mesmo. É necessário fazer como Cristo, que deu o primeiro passo:

"Primeiro ir ao encontro do outro, oferecer-lhe a reconciliação e assumir o sofrimento que comporta a renúncia ao próprio ter razão":

"Devemos hoje adquirir novamente a capacidade de reconhecer a culpa, devemos nos libertar da ilusão de que somos inocentes. Devemos adquirir a capacidade de fazer penitência, de deixar-nos transformar; de ir ao encontro do outro e de fazer-nos receber de Deus a coragem e a força para uma tal renovação. Neste nosso mundo de hoje devemos redescobrir o Sacramento da penitência e da reconciliação. O fato de eles terem em grande parte desaparecido dos hábitos existenciais dos cristãos é um sintoma de uma perda de veracidade em relação a nós mesmos e a Deus; uma perda que coloca em perigo a nossa humanidade e diminui a nossa capacidade de paz."

Jordânia e Terra Santa


Recordando a viagem à Jordânia e à Terra Santa, o Papa falou dos sofrimentos e das esperanças do povo palestino. Em seguida, recordou a visita ao Memorial do Holocausto:

"A visita ao Yad Vashem significou um encontro desconcertante com a crueldade da culpa humana, com o ódio de uma ideologia turvada que, sem nenhuma justificação, entregou milhões de pessoas humanas à morte e que com isso, em última análise, quis expulsar também Deus do mundo, o Deus de Abraão, de Isaac e de Jacó e o Deus de Jesus Cristo. Assim, ele é em primeiro lugar um monumento comemorativo contra o ódio, uma veemente evocação à purificação e ao perdão, ao amor."

Depois recordou os seus encontros nos lugares onde Jesus viveu, morreu e ressuscitou. "Foi como um tocar a história de Deus conosco, afirmou o papa reiterando com veemência que "a fé não é um mito":

"É história real, cujos traços podemos tocar com as mãos. Esse realismo da fé nos faz particularmente bem nas dificuldades do presente. Deus mostrou-se verdadeiramente. Em Jesus Cristo Ele verdadeiramente se fez carne. Como Ressuscitado Ele permanece verdadeiro Homem, abre continuamente a nossa humanidade a Deus e é sempre a garantia do fato de que Deus é um Deus próximo. Sim, Deus vive e está em relação conosco. Em toda a sua grandeza é, todavia, o Deus próximo, o Deus conosco, que continuamente nos exorta: Deixem-se reconciliar comigo e entre vocês! Ele sempre dá em nossa vida pessoal e comunitária a tarefa da reconciliação."

Ano Sacerdotal

Por fim, o Santo Padre recordou o Ano Sacerdotal afirmando que os sacerdotes devem estar "a disposição de todos": para aqueles que conhecem Deus de perto e para aqueles para os quais Ele é o Desconhecido". Em seguida, dirigiu a todos os sacerdotes a seguinte felicitação para o Natal:

"Que nós nos tornemos sempre mais amigos de Cristo e, portanto, amigos de Deus e que deste modo possamos ser sal da terra e luz do mundo. Um santo Natal e um bom Ano Novo!"

Saudação ao Papa

Em seguida, o decano do Colégio dos Cardeais, Cardeal Angelo Sodano, dirigiu uma saudação ao Papa destacando a proximidade que une a todos no Natal. "O Natal é, para as nossas famílias cristãs, uma boa oportunidade para se unir e reforçar os seus laços de amor mútuo. Em tais circunstâncias, a Família Pontifícia quer se reunir em torno de você, Santo Padre, para renovar os sentimentos de profunda comunhão eclesial e para desejar um Feliz e Santo Natal".

Dom Angelo também expressou o desejo da Cúria Romana, em vivenciar com o Sucessor de Pedro, uma "Última Ceia de 'aprendizagem', dedicada ao avanço do Reino de Deus", expressão usada pelo Papa Paulo VI.
 
Assim, o cardeal reafirmou o compromisso dos membros do Colégio Cardinalício de "colaborar com Vossa Santidade, para a expansão do Reino de Deus no mundo de hoje".
 
Fonte: CNBB

Mais Sobre Mundo - Internacional

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Uma missão para um país como Israel, que se reinventou superando adversidades naturais e políticas, torna-se de grande relevância estratégica para est

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

A Missão Internacional Israel, promovida pelo Sebrae em Rondônia deve gerar grande frutos em breve. Empreendedores rondonienses compuseram a comitiv

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Mais da metade da população europeia deve ser infectada pela variante Ômicron do coronavírus nas próximas seis a oito semanas, disse nesta terça-fei

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

Em 16 de novembro, durante uma difícil operação de busca e resgate a menos de 30 milhas náuticas da costa da Líbia no Mediterrâneo Central, a equipe