Porto Velho (RO) segunda-feira, 30 de março de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

OEA participa da Celac em Cuba após 52 anos


Leandra Felipe
Agência Brasil/EBC

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, chegou hoje (27) à Cuba para participar da 2ª Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) em Havana, capital cubana. A visita de Insulza é considerada “histórica”, porque durante meio século nenhum representante da OEA viajou à Cuba.

De acordo com a TV multiestatal Telesur, fontes oficiais do governo cubano confirmaram a chegada do representante da OEA. A organização do evento, entretanto, evita qualquer manifestação sobre o “significado da visita”, embora seja o primeiro contato oficial entre a OEA e Cuba desde que o país foi suspenso do organismo em 1962, por iniciativa dos Estados Unidos.

A participação da OEA é um indicativo de que Cuba poderá regressar à Cúpula das Américas. A sétima edição do evento ocorre no ano que vem no Panamá. No encontro anterior, em Cartagena em 2012, os chefes de Estado declararam que a ausência de Cuba no evento era inadmissível e pediram a reinserção do país no bloco.

Na ocasião, o presidente americano Barack Obama se mostrou disposto a apoiar o reingresso de Cuba para a próxima cúpula. A OEA atravessa um momento de reformulação e vêm recebendo pressões por parte de países latino-americanos, especialmente os que compõem a Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América (Alba), como a Venezuela, o Equador e a Bolívia.

O grupo pressiona a OEA para que os Estados Unidos passe a ser signatários de acordos relacionados aos direitos humanos e que o embargo econômico e político contra Cuba seja suspenso.

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia