Porto Velho (RO) quarta-feira, 23 de janeiro de 2019
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Lula chega à Bolívia no momento mais tenso do governo Morales


Eliane Oliveira, Agência O GloboCOCHABAMBA (Bolívia) - Ao desembarcar nesta sexta-feira, acompanhado do presidente eleito do Equador, Rafael Correa, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva já estará ciente de que chegará a um país a um passo de entrar em ebulição. Seu colega Evo Morales passa pela pior crise desde que assumiu o poder, no início deste ano. Políticos da oposição fazem greve de fome em diversas cidades, inclusive Cochabamba - reduto eleitoral de Morales que sedia a cúpula de chefes de Estado da Comunidade Sul-Americana de Nações (Casa) - e os conflitos entre governistas e oposicionistas têm sido cada vez mais freqüentes.A fonte principal dos problemas de Morales é a chamada "media luna", formada pelos departamentos de Beni, Pando, Santa Cruz de La Sierra, Tarija e Pando, no Oeste do país. Governadores, prefeitos e sindicalistas são, de forma geral, filiados aos partidos de oposição Podemos, Unidad Nacional e Movimento Nacionalista Revolucionário. Inconformados com a forma como está sendo conduzida a Assembléia Constituinte, em que o Movimento Ao Socialismo (MAS) de Morales determinou que as votações sejam válidas se for obtida maioria absoluta (50% mais um). Partidos e parlamentares opositores exigem a fórmula de dois terços para a aprovação da Carta.O fato é que Lula não pretende se envolver em questões internas. O primeiro compromisso do presidente brasileiro, assim que descer do avião, será um encontro bilateral com Morales, cuja pauta já estará recheada o suficiente de temas polêmicos nas relações Brasil-Bolívia: o processo de nacionalização das reservas bolivianas de petróleo e gás e a reforma agrária que está em curso.A questão das terras é o item considerado até mais complicado por algumas fontes do governo brasileiro, pois diz respeito ao futuro dos brasileiros que ocupam terras na Bolívia. Há duas categorias: os fazendeiros que produzem metade da soja boliviana que é exportada e garante divisas à balança comercial boliviana; e os cerca de três mil cidadãos do Brasil que se estabeleceram em locais próximos à fronteira, que vivem da exploração das terras do país vizinho e estão em situação irregular.Lula tem uma carta na manga, que é o tratado de migração. Até o fim deste mês, o governo brasileiro decidirá se vai ou não prorrogar o acordo que permite que 60 mil bolivianos continuem vivendo no Brasil, a maioria em São Paulo. São pessoas que também entraram no país irregularmente.A Petrobras já conseguiu fechar um acordo com a petrolífera estatal boliviana Yacimientos Petroliferos Fiscales Bolivianos (YPFB) na parte de exploração. No entanto, ninguém sabe como ficarão o preço do gás e o valor da indenização à qual a Petrobras teria direito por conta da transferência do controle acionário de duas refinarias da estatal brasileira à YPFB. Lula evitará entrar em detalhes técnicos, mas deve comentar com Morales o quadro atual.

Mais Sobre Mundo - Internacional

ALERTA: Mídias sociais elevam depressão entre meninas, diz pesquisa

ALERTA: Mídias sociais elevam depressão entre meninas, diz pesquisa

Meninas adolescentes são duas vezes mais propensas que os meninos a apresentar sintomas de depressão em conexão ao uso das redes sociais, segundo estu

FRANÇA: Coletes amarelos retomam protestos; 101 pessoas são detidas

FRANÇA: Coletes amarelos retomam protestos; 101 pessoas são detidas

Os manifestantes conhecidos como coletes amarelos voltaram às ruas de várias cidades da França ontem (5) na primeira grande mobilização de 2019, que m

Embaixador de Israel afirma “Bolsonaro é o segundo Oswaldo Aranha”,

Embaixador de Israel afirma “Bolsonaro é o segundo Oswaldo Aranha”,

O embaixador do Israel no Brasil, Yossi Shelley, comparou, em entrevista exclusiva à Empresa Brasil de Comunicação (EBC), o presidente Jair Bolsonaro

Presidente chinês, Xi Jinping, diz que está disposto a trabalhar com Bolsonaro

Presidente chinês, Xi Jinping, diz que está disposto a trabalhar com Bolsonaro

O presidente da China, Xi Jinping, enviou uma carta ao presidente Jair Bolsonaro afirmando que está disposto a trabalhar com o novo governo brasilei