Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Juiz boliviano defende autonomia de indígenas para aplicar regras jurídicas


 
Isabela Vieira
Agência Brasil

Porto Alegre - O pensamento conservador, “colonial” de parte da sociedade boliviana é o principal obstáculo à aplicação da Justiça indígena pelas etnias do país. A avaliação é do juiz Ivan Campelo Villalba, que defendeu ontem (24), em Porto Alegre, durante o 6° Fórum Mundial de Juízes, a autonomia dos indígenas de seu país para aplicação das própria regras jurídicas, desenvolvidas em processos coletivos e resultantes de anos de aplicação.

“A sociedade civil tem alta cultura, um pensamento colonial. São conservadores no pensamento jurídico e isso não permite a aplicação da Justiça indígena. Criticam os índios por não serem advogados ou juízes, principalmente nos veículos de comunicação”, declarou. “Mas os povos indígenas também criticam a Justiça colonial, que é lenta e, às vezes, corrupta”.

Campelo Villalba participou do encontro que antecedeu o Fórum Social Mundial (FSM), que começa hoje (25). Ele destacou que a nova Constituição da Bolívia, que completa um ano em fevereiro, reconhece as regras jurídicas das comunidades como forma de respeitar os sistemas sociais e jurídicos das etnias, conforme recomenda a Declaração das Nações Unidas (ONU) sobre os Direitos do Povos Indígenas, de 2007.

Além disso, explicou, a nova Carta estabelece um sistema de complementaridade, no qual a Justiça tradicional pode ajudar os sistema indígenas, inclusive oferecendo vagas no sistema prisional, quando solicitada. “A Justiça indígena leva em consideração uma opinião coletiva para delegar o castigo com trabalho, o afastamento da vida social e até a prisão. Há comunidades que pedem auxilio do Estado e este lhes oferece até o cárcere para aplicação de suas leis”, lembrou.

Embora os princípios da Justiça indígena sejam baseados em tradições milenares, pacíficas, o juiz destaca que pela influência de outras culturas, principalment, o modelo colonial, etnias têm aplicado punições severas demais, como a pena de morte e castigos físicos.

Para impedir esse tipo de punição, que vai contra o direito à vida e à integridade física previstos na Constituição, Campelo explica que a Justiça tradicional tenta mediar. “A Justiça indígena é marcada pelo respeito à dignidade humana e a todos os direitos fundamentais. Se há excessos, a mesma comunidade aplica sanções. Estamos implementando isso. É um processo bastante longo”.

Segundo Campelo, a Bolívia tem cerca de 32 etnias, das quais 10 têm sistema de Justiça. Com a nova Constituição, que também tem o objetivo de devolver aos indígenas territórios expropriados historicamente, a previsão do juiz é de que os demais povos também desenvolvam ou voltem a aplicar suas normas jurídicas. “Eles têm leis e normas que o Estado tem que respeitar”, concluiu

Mais Sobre Mundo - Internacional

As mulheres e os homens mais compridos do mundo

As mulheres e os homens mais compridos do mundo

Segundo um estudo feito por 800 cientistas do Imperial College em Londres (1) sobre o desenvolvimento da altura das pessoas adultas nos últimos 100

Dia Mundial do Rock é comemorado neste sábado

Dia Mundial do Rock é comemorado neste sábado

Um senhor de mais de 60 anos, vibrante, contestador, revolucionário e que provoca as mais diversas sensações e reações em quem tem contato com ele ou

Morre Lee Iacocca, o pai do Mustang

Morre Lee Iacocca, o pai do Mustang

Morreu em 2 de julho, aos 94 anos, Lido Anthony "Lee" Iacocca, um dos mais famosos executivos da indústria automobilística. Era filho de imigrantes it

Porto Velho: Inscrições para vagas na escola de música Som na Leste encerram nesta quarta, dia 03

Porto Velho: Inscrições para vagas na escola de música Som na Leste encerram nesta quarta, dia 03

A Escola Municipal de Música Som na Leste divulgou edital para matrícula de novos alunos para o preenchimento de vagas para os cursos no segundo semes