Porto Velho (RO) quinta-feira, 9 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

É preciso fazer distinção ao falar em escândalos na Igreja, diz dom Odilo Scherer


Renata Giraldi
Enviada Especial EBC/Agência Brasil

Vaticano – O arcebispo de São Paulo, dom Odilo Scherer, apelou hoje (14), em entrevista à Agência Brasil, para que seja feita uma distinção entre as denúncias de escândalos sexuais, desvio de recursos e de divisão interna da Igreja Católica Apostólica Romana. Para o arcebispo, é necessário punir os responsáveis. Dom Odilo, no entanto, evitou opinar sobre se as investigações estão entre as prioridades do papa Francisco.

O arcebispo defendeu que os responsáveis pelos desvios de comportamento sejam punidos e pediu que não se confundam indivíduos com a instituição da Igreja. “As pessoas devem ser responsabilizadas, não a instituição”, destacou.

Ao ser perguntado se as investigações serão levadas adiante pelo papa Francisco, dom Odilo evitou entrar em detalhes, mas foi incisivo: “A Igreja não aprova escândalos, nem os incentiva”. Para ele, apurar escândalos “é missão permanente dos papas. O papa Bento XVI deu a vida por isso. Tenho certeza que o papa Francisco vai continuar a fazer isso”, ressaltou.

Dom Odilo lembrou que a eleição do papa foi guiada pela inspiração do Espírito Santo, portanto Francisco saberá como agir. “A Patagônia tem muitos ventos”, disse o cardeal, lembrando da região que fica no Sul da Argentina em uma alusão ao país natal do novo papa. “O Espírito Santo sopra de onde quer e como quer.”
 

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia