Porto Velho (RO) quinta-feira, 4 de junho de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Depois do gás e petróleo, Evo Morales vai nacionalizar mineração


Agência O Globo LA PAZ - Depois do petróleo e gás, o presidente boliviano, Evo Morales, anunciou neste fim de semana a nacionalização das outras riquezas minerais do país, o que, provavelmente, deve ocorrer no dia 31 de outubro. O anúncio foi feito em meio ao atual conflito no setor, com mineiros e cooperativistas disputando as reservas de estanho de Posokoni, em Huanuni. Em discurso para camponeses de Challapata, Morales disse que depois da nacionalização das reservas de petróleo e gás, "o próximo passo são os (outros) minerais, de maneira que haverá surpresas com o estanho, a prata e o ouro". Segundo ele, esses recursos "têm que passar para as mãos do Estado sob o controle social do povo". - Esse é o próximo passo urgente a ser dado. O anúncio de Morales confirmou o discurso do ministro da Mineração, Guillermo Dalence, segundo o qual, no dia 31 de outubro o governo anunciaria uma nova política mineira. Dalence afirmara que as reservas de mineração nas mãos do Estado significam escolas, saúde e emprego, mas nas mãos dos cooperativistas seria beneficiar exclusivamente a um setor que opera sob o sistema privado. De acordo com o jornal "El Deber", Morales quer, através de uma lei, estabelecer um sistema de controle social que teria a participação de trabalhadores mineiros assalariados e representantes dos departamentos produtores. Ao anunciar as medidas, Morales estava acompanhado pelo ministro de Desenvolvimento Rural, Hugo Salvatierra, e pelo vice-presidente, Álvaro García Linera. Decisão foi tomada após conflitos entre mineiros A decisão de nacionalizar as minas foi tomada depois dos graves conflitos armados entre mineiros da Comibol - Corporação Mineira da Bolívia - no início do mês pela posse de uma jazida de estanho, que deixou mais de 15 mortos. Os mineiros de Huanuni disputam a única mina de estanho desenvolvida desde a década de 1930 e que nos últimos dez meses foi explorada por uma e outra parte de forma compartilhada, mas sempre em meio a críticas e suspeitas. Nesta segunda-feira, em Oruro, o governo e os cooperativistas mineiros farão uma reunião crucial na qual será definida a situação do distrito de Huanuni. Os cooperativistas aceitaram o chamado para a reunião, afirmando que seus atos no futuro dependerão dos resultados deste encontro. - Não estamos descartando nenhuma medida de pressão, pelo contrário, ela permanece em vigor. Na sexta-feira uma reunião estava prevista, mas fomos burlados pelo governo, já que apenas o ministro da mineração esteve presente e não apresentou propostas claras - disse Pascual Huarachi, representante da Federação Nacional de Cooperativistas Mineiros. Desde quando assumiu o governo na Bolívia, no início do ano, Morales vem avisando sobre a nacionalização dos recursos minerais da Bolívia. No caso do petróleo e gás, a nacionalização foi feita por diversos decretos presidenciais, mas até o momento, continuam as negociações com as empresas estrangeiras que têm negócios nessas área no país, entre elas a Petrobras. Em maio, ao anunciar os decretos, o governo boliviano chegou a ocupar refinarias da Petrobras com soldados em uma demonstração de poder. Desde então, a estatal brasileira vem negociando como será feita a transferências das unidades de produção para o estado boliviano e o prazo atual para a conclusão das discussões é no próximo dia 27. Além disso, o governo Morales quer aumentar os preços do gás natural exportado ao Brasil.

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia