Porto Velho (RO) quarta-feira, 8 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Crise da China ainda não afeta economia do Brasil, dizem especialistas


Juliana Rangel - Agência O Globo RIO - A crise da bolsa chinesa, que afetou os mercados asiáticos e respinga nesta terça-feira no Brasil, ainda não deve ser encarada de forma preocupante, diz o economista-chefe do Banco Schahin, Silvio Campos Neto. Segundo ele, os problemas são referentes à regulamentação do mercado de ações do país, diante de medidas para restringir a tomada de empréstimos bancários para a compra de papéis e para evitar a negociação de ações de empresas fantasmas. - O mercado da China ainda é muito incipiente e há agora uma disposição para regulamentar tudo. Mas, por enquanto, essas medidas ainda não afetam a economia real. É só um susto diante de algumas impressões sobre o que pode vir a acontecer - diz. Segundo o especialista, se a crise se agravar, aí sim, poderá afetar outros emergentes. - Quando a China vai mal, isso tem repercussão em todo o mundo. Há o receio de redução de demanda por commodity e do consumo global, o que afeta todos os mercados. Para o superintendente de renda variável da Banif Corretora de Valores, Nami Neneas, a crise deverá ser sentida aqui apenas no curto prazo. Com o tempo, no entanto, diz, a restrição a investimentos estrangeiros na bolsa de Shangai poderá ser até mesmo benéfica para a Bovespa. - O mercado caiu lá e o investidor estrangeiro foi o primeiro que vendeu. Isso criou uma onda que agora está afetando o Brasil, mas não contagia a economia. Nossa inflação está sob controle, além de contarmos com reservas excepcionais. O investidor que saiu de lá pode agora estar olhando para o Brasil -avalia.

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia