Porto Velho (RO) domingo, 29 de março de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Ataque aéreo da Otan atinge antenas da TV estatal da Líbia



Da BBC Brasil

Agência Brasil, Brasília – A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) informou que desativou três antenas de satélite da TV estatal da Líbia na capital, Trípoli, em um "ataque aéreo de precisão" neste sábado. Segundo um comunicado do órgão, a operação planejava por fim às "transmissões provocadoras" do governo do coronel Muammar Khadafi. Não há relatos de pessoas feridas durante o ataque.

"Nossa intervenção foi necessária, já que a TV estava sendo usada como um componente integral do aparato do regime, destinado a oprimir e ameaçar sistematicamente os cidadãos e a incitar ataques contra eles", disse o comunicado.

A nota diz ainda que o ataque deverá "reduzir a capacidade do regime para oprimir os civis", mas também "preservar a infraestrutura de transmissão que será necessária após o fim do conflito". As transmissões da TV estatal líbia continuaram ocorrendo mesmo após o comunicado da Otan.

A Otan atua na Líbia com autorização de uma resolução da Organização das Nações Unidas e sob a justificativa de proteger os civis dos ataques promovidos pelas forças de Khadafi.

 

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia