Porto Velho (RO) segunda-feira, 24 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Stédile cobra mais atitude de presidentes e diz que Amazônia corre perigo


 

Juliana Cézar Nunes
Agência Brasil

Belém - O clima de cordialidade entre movimentos sociais e governos latino-americanos vai sendo aos poucos quebrado no Fórum Social Mundial. As lideranças dos movimentos têm feito críticas cada vez mais duras às políticas dos governos, principalmente dos considerados “progressistas e aliados”, com os da Venezuela, Bolívia, do Equador e Brasil.

O coordenador da Via Campesina e membro da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), João Pedro Stédile, reivindicou que os presidentes façam “mudanças estruturantes” para proteger o povo da crise.

“[Diante desta] crise, que não é nossa, nós temos que juntar os movimentos sociais e os governos progressistas. Fazer uma grande articulação para apresentar propostas que freiem a crise e não amenizem, usando dinheiro público para ajudar as empresas, os bancos, como estão fazendo aqui no Brasil e em muitos países”, criticou Stédile, em entrevista à Rádio Nacional da Amazônia.

Ontem (29), durante encontro com os presidente da Bolívia, Venezuela, do Equador e Paraguai, o coordenador da Via Campesina foi ainda mais duro na crítica. “Os governos que me perdoem, exponho o que pensam os movimentos. Vocês têm andando muito frouxos. Fazem suas reuniões aí, comentam algo de conjuntura, mas nós esperamos mais de vocês.”

Para Stédile, a realização do Fórum Social Mundial na Amazônia é oportuna para a discussão sobre os interesses internacionais na região e para a articulação dos movimentos populares dos estados do Norte. “Os capitalistas de todo o mundo estão com olho desse tamanho para se apropriar dessas imensas riquezas, aqui preservadas há milhões de anos com os povos indígenas. Por isso, a Amazônia corre sérios perigos”, ressaltou o coordenador da Via Campesina.

"As populações da Amazônia têm que contrapor com um projeto popular. Recuperar a soberania do povo sobre essas riquezas. Reestatizar a Vale para que não se mexa mais na floresta. Nós do MST defendemos o desmatamento zero. Daqui em diante, nenhuma árvore derrubar. E nessas áreas degradadas, fazer reforma agrária, distribuir para os trabalhadores e fazer programas de reflorestamento e uma nova produção agrícola que não dependa de desmatamento.”

 

Mais Sobre Meio Ambiente

SP corre risco de enfrentar crise hídrica mais grave que a de 2014

SP corre risco de enfrentar crise hídrica mais grave que a de 2014

O Sistema Cantareira, que abastece parte da capital paulista e da Região Metropolitana, estava com quase 60% da capacidade um ano antes da crise de 20

Novo marco legal do saneamento gera polêmica no setor

Novo marco legal do saneamento gera polêmica no setor

Agentes reguladores estão avaliando a medida provisória

Parque Ecológico Municipal recebe plantio de Ipê e Flamboyant

Parque Ecológico Municipal recebe plantio de Ipê e Flamboyant

Um grupo de 30 crianças da Fundação JiCred plantou mudas de ipê e flamboyant no Parque Ecológico Municipal. A ação foi realizada pelo Sistema Cooperat