Porto Velho (RO) sábado, 16 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Seminário discute desenvolvimento sustentável da Amazônia


 
Sessenta representantes de reservas extrativistas (Resexs) e reservas de desenvolvimento sustentável (RDS) de toda a Amazônia debatem hoje e amanhã, em Brasília, uma nova política para o extrativismo florestal. Eles participam do seminário Plano Amazônia Sustentável e o Futuro do Extrativismo promovido pela Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE).

O tema principal a ser debatido no seminário é a definição de uma política de desenvolvimento sustentável baseada na valorização econômica da biodiversidade e na modernização da floresta.

O ministro de Assuntos Estratégicos Mangabeira Unger que abriu o evento, falou da importância de se manter a Amazônia em pé, mas frisou que para que isso aconteça é necessário fornecer uma nova forma de sustento para as comunidades que vivem na floresta.“ É na Amazônia que se definirá o futuro do Brasil”, ressaltou.

Segundo Unger, a Floresta da Amazônia e do Cerrado representam 61% do território nacional e que é preciso implementar uma política de extrativismo.

Há hoje na Amazônia 87 reservas extrativistas (Resex) e reservas de desenvolvimento sustentável (RDS), número que não significa na prática, mudança na qualidade de vida dentro da floresta. Esse problema se dá segundo a secretaria, por conta de ausência de políticas sociais e econômicas compatíveis com o papel que estas comunidades desempenham na proteção ecossistemas do planeta.

Conforme o ministro, os moradores dessas reservas precisam ser entendidos como parceiros estratégicos na promoção e proteção desses territórios.

Para o Coordenador da Bancada de Rondônia, deputado Eduardo Valverde (PT), o grande problema enfrentado pelas comunidades extrativistas é a questão da regularização fundiária. Apenas 4% das terras na Amazônia estão com sua situação regularizadas. Sem a titularização, essas comunidades ficam isoladas em sentido econômico, pois não podem retirar créditos bancários e nem o Governo pode investir em terras ilegais.

Outro problema abordado pelo deputado no seminário é a questão da desvalorização dos produtos gerados por essas comunidades, que tiram da terra seu sustento.

Para o parlamentar é preciso desenvolver tecnologia diferenciada visando melhorar a qualidade dos produtos o que irá agregar valor a eles. Sem esquecer de  criar estruturas mínimas para a qualidade de vida, como programas de saneamento, infraestrutura, transporte, entre outros.“Essas populações precisam da floresta para o desenvolvimento de suas atividades econômicas mas, sobretudo, como fonte de subsistência e renda”,disse.

De acordo com o Presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Márcio Pochmann nesse governo é o momento para se construir uma política para o extrativismo. E uma das saídas é o soerguimento das Zonas de Desenvolvimento Estrativista Sutentável (ZDES). Elas teriam eixos específicos atuando principalmente na infraestrutura social e produtiva, resolução de entraves regulatórios, urbanização das florestas entre outros.

O seminário que termina amanhã (7) terá a apresentação dos resultados dos grupos de trabalho, e Mesas de debate com os seguintes temas: Mesa 1- Regularização Fundiária das Reservas Extrativistas, onde será mostrado e debatido as dificuldades encontradas na regularização das Unidades de Conservação de uso Sustentável e também nas Reservas Extrativistas na Amazônia. Na Mesa 2 o tema será Gestão e Desenvolvimento das Reservas Extrativistas. 

Fonte: Leila Denise

Mais Sobre Meio Ambiente

Barragens de minérios: Onde estão as outras com alto potencial de estrago ou alto risco

Barragens de minérios: Onde estão as outras com alto potencial de estrago ou alto risco

O Brasil tem 790 barragens de rejeitos de minérios, e mais de 300 delas não foram classificadas em relação ao seu risco de rompimento e ao potencial d

Porto Velho: Prefeitura destrava recurso de compensação social para Aterro Sanitário

Porto Velho: Prefeitura destrava recurso de compensação social para Aterro Sanitário

Os R$ 4 milhões também servirão para elaborar o Plano Municipal de Saneamento Básico e o Plano de Gerenciamento de Resíduos SólidosMais uma vitória im

Brumadinho: Qualidade da água do rio Paraopeba é considerada ruim. Veja as imagens

Brumadinho: Qualidade da água do rio Paraopeba é considerada ruim. Veja as imagens

Ontem (31/01), a Fundação SOS Mata Atlântica deu início à Expedição Paraopeba, que irá percorrer 356 km deste rio, de Brumadinho à Hidroelétrica Retir

ADVOGADO DA EMPRESA DIZ,  "A VALE NÃO É A RESPONSÁVEL POR BRUMADINHO E DIRETORIA NÃO SE AFASTARÁ"

ADVOGADO DA EMPRESA DIZ, "A VALE NÃO É A RESPONSÁVEL POR BRUMADINHO E DIRETORIA NÃO SE AFASTARÁ"

Um dos mais importantes advogados da Vale, Sergio Bermudes, apresentou de público a visão da companha sobre o crime de Brumadinho: a companhia não é r