Terça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

SECA: Tragédia amazônica


A tragédia da seca já se alastra por Rondônia e reduz drásticamente o nível dos rios Madeira(PVH), Machado(Ji-Paraná) e Mamoré em Guajará-Mirim, na fronteira com a Bolívia.
Já temos fortes indícios em Rondônia, e até evidências de impacto sinalizando – como a sensível baixa do nível das águas no Rio Madeira e o aprofundamento dos poços caseiros na região de Porto Velho – para uma reedição da tragédia da seca amazônica de 2005, com graves conseqüências para o ecossistema regional. O mesmo panorama ocorre na região central do Estado, com o Rio Machado descendo rapidamente na altura de Ji-Paraná e também no Rio Mamoré na divisa com a Bolívia, em Guajará Mirim.
Em 2005, como se recorda, muitos rios acabaram secando em Rondônia, Acre e Amazonas, prejudicando a navegação, gerando sérios problemas de abastecimento de água em cidades da região, além da matança de peixes, da fome que se alastrou, e do isolamento de dezenas de localidades ribeirinhas por conta do desaparecimento dos rios e igarapés. Os sinais de um novo desastre já vão se acumulando nesta época do ano em Rondônia, Acre e no Amazonas.
Em Rondônia, na região central do estado, a estiagem já chega a 60 dias, como revela o atento mago ambientalista regional, Daniel Panobianco, em artigo no site Observador. Ele é a maior referência do estado em questões meteorológicas e ambientalistas.
SECA: Tragédia amazônica - Gente de OpiniãoAo longo do Rio Madeira, que já baixou seis metros, a navegação está ficando crítica. O balseiro Júlio Celso Ferreira de Souza, afirma que encontrou dificuldades na passagem na localidade de Aliança, zona ribeirinha de Porto Velho. Com 16 anos de navegação entre Manaus-Porto Velho, o balseiro Valmir do Nascimento Ferreira, que atracou ontem no porto da capital rondoniense, procedente do Amazonas, prevê um ano extremamente difícil para a navegação e aponta quatro pontos críticos para as embarcações manobrarem ao longo do Rio Madeira:
1- A passagem na região do Papagaio
2 – A navegação na altura de Aliança
3 – Passagem das embarcações na localidade de Tamanduá
4 – É difícil a passagem de embarcações na região ribeirinha de São Miguel.
 

SECA: Tragédia amazônica - Gente de Opinião

Ambos afirmam que tudo o que está ocorrendo já é efeito da antecipação da seca neste ano. A Marinha informou hoje (07) que o Rio Madeira desce rapidamente, já que a régua apontava um nível de 14m em 24 de maio e hoje já esta cravando 8,48.
Em Porto Velho a estiagem já está obrigando parte da população dos bairros a comprar água mineral, como relatou o jornal Diário da Amazônia, na sua edição de quinta-feira. Como se sabe metade da população da capital rondoniense não conta com água enganada e é abastecida por poços caseiros, quase todos contaminados. Análises recentes do lençol freático de Porto Velho apontam quase 100 por cento de contaminação.
Na fronteira com a Bolívia, a queda no nível das águas do Rio Mamoré, que divide as cidades de Guajará- Mirim (Brasil) e Guairámirim (Bolívia), está assustando a população da fronteira. O agente turístico Marcos Antônio do Nascimento também relata que o afluente do Rio Madeira, Ribeirão, na altura do município de Nova Mamoré, desceu perigosamente nos últimos dias. O que ele mais estranha é que ainda no dia 15 de junho o Rio estava cheio. “Parece que passaram uma esponja no Rio Mamoré”, reclama.
Em Rondônia, na região central do estado, a estiagem já chega a 60 dias, como revela o atento mago ambientalista regional, Daniel Panobianco. Ele é a maior referencia do estado em questões meteorológicas e ambientalistas.
SECA: Tragédia amazônica - Gente de OpiniãoEm toda Amazônia os rios já estão secando rapidamente, indicando uma nova catástrofe em 2007, agravadas pelo assoreamento. No caso rondoniense, Daniel Panobianco, cita o caso do Rio Machado que neste mês de julho deveria estar com o nível das águas cravando 7,50 m, e que já despencou para 4,36 m. No Madeirão, como é carinhosamente conhecido o Rio Madeira, que banha a cidade de Porto Velho, também já são bem visíveis as conseqüências da estiagem que castiga a região Norte. Com o se vê, uma nova catástrofe ambiental se aproxima, demonstrando nitidamente as alterações climáticas na Amazônia provocadas pelo avanço da fronteira agrícola na região, onde as pastagens substituem as florestas e o plantio da soja continua avançando. Milhares de hectares, nos últimos dias estão agravando a situação.
LEIA TAMBÉM:  Seca amazônica volta a ameaçar, alertam pesquisadores
                       ESTIAGEM NO MADEIRA E SECA DOS POÇOS AMAZÔNICOS
                       A TERRA EM RISCO IMINENTE
                              OS RISCOS DA NAVEGAÇÃO NO VERÃO AMAZÔNICO
                                O CAOS DA SECA

SECA: Tragédia amazônica - Gente de Opinião

SECA: Tragédia amazônica - Gente de Opinião

Fonte: Carlos Sperança/Foto: Serginho - Gentedeopinião


Gente de OpiniãoTerça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

EcoCast: série especial discute os desafios e oportunidades do mercado de carbono no Brasil

EcoCast: série especial discute os desafios e oportunidades do mercado de carbono no Brasil

Você sabe o que são os famosos créditos de carbono? E como eles funcionam, você sabe? Na série especial “Carbono: desafios e oportunidades” recebemos

Inovação e Sustentabilidade em Rondônia: UNIR e Eletrogoes Avançam na Pesquisa Florestal

Inovação e Sustentabilidade em Rondônia: UNIR e Eletrogoes Avançam na Pesquisa Florestal

O Grupo de Pesquisa de Recuperação de Ecossistemas e Produção Florestal, coordenado pelas Dra. Kenia Michele de Quadros e Dra. Karen Janones da Roch

Pesquisa estuda folha da Amazônia para substituição do mercúrio na extração de ouro

Pesquisa estuda folha da Amazônia para substituição do mercúrio na extração de ouro

Pau-de-balsa é uma espécie florestal nativa da Amazônia e já é utilizada de forma artesanal na Colômbia para extração de ouro.Agora, cinco instituiçõ

Ibama define nova prioridade para enfrentar perdas na biodiversidade e a crise climática

Ibama define nova prioridade para enfrentar perdas na biodiversidade e a crise climática

Neste ano em que completa 35 anos, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) comemora o impacto do trabalho

Gente de Opinião Terça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)