Porto Velho (RO) quinta-feira, 21 de janeiro de 2021
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Projeto sobre terra-preta de índio promove intercâmbio


Aprovado o projeto de parceria envolvendo instituições de pesquisa do Brasil, Colômbia, Peru, Bolívia e a Holanda – por meio da Universidade de Wageningen -, para o estudo da terra-preta de índio. O projeto “Terra-Preta de Índio: descobrindo o passado e olhando para o futuro'' vai possibilitar o intercâmbio de profissionais com bolsas de doutorado e pós-doutorado nas áreas de agronomia, sociologia, antropologia e arqueologia.

A Embrapa Amazônia Ocidental e a Embrapa Solos (RJ) são as representantes brasileiras. O pesquisador Wenceslau Teixeira, especialista em manejo do solo da Embrapa Amazônia Ocidental (Manaus-AM), explica que o projeto vai possibilitar a troca de informações entre os países sul-americanos, permitindo que os bolsistas de diferentes áreas tenham acesso à uma das melhores e mais tradicionais universidade de agronomia do mundo.

A Universidade de Wageningen está presente em todos os continentes e instalou-se no Brasil em 2006. O gabinete situa-se na Universidade de São Paulo, em Piracicaba (SP) e serve como base de apoio para reforçar parcerias de pesquisa.

Modelo

A terra-preta é considerada um modelo a ser copiado no manejo dos solos tropicais. O manejo que as populações pré-colombianas fizeram tornaram os solos férteis e com elevados estoques de carbono. No momento, o projeto busca entender como foi formado o solo de terra-preta e busca a reprodução do modelo visando  a formação de novas áreas com as mesmas características.

Para pesquisadores da Embrapa, as terras pretas são provavelmente oriundas da decomposição de animais e outros materiais orgânicos que existiram na região há centenas de anos. Ao ser carbonizado, esse material teria se unido e formado sítios de elevados teores de nutrientes, protegendo o solo da lixiviação, tão comum na região.

Wenceslau Teixeira afirma ainda não existir estudo definido que determine a origem da terra preta, mas já se sabe que são solos de elevado teor de fertilidade, e que a sua existência decorre da participação direta das populações indígenas amazônicas.  Possui grande concentração de fósforo, cálcio e outros nutrientes, que são encontrados tanto em espinhas de peixe quanto em cascos de tartaruga e ossos de outros animais.

Na tentativa de reproduzir algumas das características das terras pretas, a Embrapa vem conduzindo experimentos na área rural de Manaus e Presidente Figueiredo (distante 107 km da capital amazonense), utilizando carvão vegetal como condicionante do solo para reter água e nutrientes. As culturas testadas na pesquisa (banana e guaraná) estão apresentando excelente desenvolvimento.

O projeto “Terra-Preta de Índio: descobrindo o passado e olhando para o futuro” reúne as principais instituições de pesquisa da Região Norte: Embrapa, Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), Museu Paraense Emílio Goeldi, Universidade Federal do Pará e também da região Sudeste: Museu de Arqueologia – MAE/USP e Embrapa Solos (RJ).

Fonte: EMBRAPA - Maria José Tupinambá(MTb 114/AM)

Mais Sobre Meio Ambiente

Aprovado Projeto da vereadora Márcia Socorristas Animais que propõe castração como item obrigatório em Porto Velho

Aprovado Projeto da vereadora Márcia Socorristas Animais que propõe castração como item obrigatório em Porto Velho

“É indescritível a alegria que estou sentido com esse resultado. Esse projeto promete ser um divisor de águas para a melhoria da qualidade de vida dos

5 COBRAS GIGANTES CAPTURADAS - PARTE 2

5 COBRAS GIGANTES CAPTURADAS - PARTE 2

A palavra cobra ou serpente já é o suficiente para assustar muitas pessoas, e se tratando desses répteis devemos tomar muito cuidado. Alguns desses

5 COBRAS GIGANTES CAPTURADAS PARTE 1

5 COBRAS GIGANTES CAPTURADAS PARTE 1

Existem centenas de espécies de cobras pelo mundo, porem algumas espécies, cresceram, muito, e muitas dessas cobras gigantes acabaram sendo capturad

Projeto ambiental apoiado pelo Grupo Rovema bate novo recorde

Projeto ambiental apoiado pelo Grupo Rovema bate novo recorde

O Projeto Quelônios do Guaporé, que o Grupo Rovema é um dos patrocinadores desde 2015, tem como objetivo a proteção de tartarugas e tracajás na Amaz